sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Boi Gordo: Mercado com pouca movimentação

Mercado com pouca movimentação.
Embora as escalas tenham aumentado sutilmente em São Paulo, atendendo entre 3 e 4 dias, na maioria dos casos, a oferta segue restrita.
Os preços no estado se mantêm estáveis. O boi gordo é negociado por R$92,00/@, a prazo, livre de imposto, e a vaca gorda por R$86,00/@, nas mesmas condições.
Apesar da grande participação dos confinamentos no volume abatido em Goiânia – GO, a oferta não pressiona negativamente o mercado e houve reajuste no preço do boi gordo. Hoje os animais valem R$88,00/@, a prazo, livre de imposto.
Na região de Dourados, a falta de bois e a procura por vacas para compor as escalas valorizou esta categoria. Hoje as fêmeas são negociadas por R$85,00/@, a prazo, livre de imposto.
A dificuldade de compras no Pará provocou alta em Paragominas e Marabá. Em Paragominas os negócios com o boi gordo ocorrem em R$83,00/@, a prazo, livre de imposto. Na região de Marabá os animais são negociados por R$82,00/@, nas mesmas condições.
No mercado atacadista com osso, houve aumento de R$0,05/kg no traseiro avulso e recuo de RS0,10/kg no preço do dianteiro avulso.

Clique aqui e confira as cotações do boi.

Fonte: Scot Consultoria

CNA promove webconferência sobre ITR e ADA


A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promove uma webconferência, na próxima terça-feira, 21 de setembro, para tirar dúvidas sobre a entrega da declaração do Imposto Territorial Rural (ITR) e Ato Declaratório Ambiental (ADA). O prazo para a entrega da declaração deste ano é menor e encerra no próximo dia 30.
Para participar da webconferencia é simples. Basta acessar o Canal do Produtor no dia 21, próxima terça-feira, entre 10h e 11h.
As perguntas poderão ser encaminhadas por e-mail para canaldoprodutor@cna.org.br, com antecedência ou na hora da webconferência.
ATO DECLARATÓRIO AMBIENTAL - ADA
Formulário do ADA no site do IBAMA – http://www.ibama.gov.br, ou diretamente no endereçohttp://servicos.ibama.gov.br/cogeq/index.php?id_menu=76
FONTE: CNA

Comércio Exterior: Brasil é notificado pela UE sobre retenção de carne processada.

Frigorífico alega que produto apreendido foi embarcado antes do inicio do plano de ação determinado pelo Mapa.

O Ministério da Agricultura informou nesta quinta feira, 16, que foi notificado pela DGSanco, Direção Geral de Saúde e Consumidores da Comissão Europeia sobre a retenção de um lote de 20 toneladas de carne processada com quantidade de vermífugo acima do limite aceito pelo bloco europeu. O Mapa confirmou que o produto tem origem em um frigorífico de Lins, interior de SP,mas não identificou a empresa. Segundo fontes da Agência Estado, trata-se da unidade de Bertin, atualmente incorporada ao grupo JBS.
A alegação do frigorífico é a de que a carne embargada pelo bloco foi produzida em junho, portanto antes do plano de ação imposto pelo Ministério da Agricultura, que prevê entre outras coisas, respeito ao prazo de carência entre a aplicação do vermífugo e o abate do animal e maior rigor nas análises.
Por conta da alegação do frigorífico em relação à data, a assessoria do Mapa informou o caso não será tratado como "mais um" episódio sobre o problema. O ministério avalia o tema como um problema pontual e descarta a análise de que se trata de um risco sistêmico. Por enquanto, não há intenção de suspender as exportações dessa ou de qualquer outra planta para a Europa, assim como foi feito, inicialmente por iniciativa do governo brasileiro, mas que agora depende da aprovação americana, no caso dos Estados Unidos.

Fonte: Agência Estado.

Churrasco rastreado no Walmart

O Walmart deu início no Rio Grande do Sul a um projeto que em alguns anos deve permitir que os consumidores conheçam a origem de toda carne e hortifrutigranjeiros comprados nos supermercados controlados pela marca no país.
Atualmente, clientes de quatro mercados Nacional em bairros nobres de Porto Alegre – Auxiliadora, Três Figueiras, Bela Vista e Boa Vista – já podem conferir pela Internet através de um código na embalagem qual é a fazenda de procedência dos cortes especiais para churrasco vendidos na marca Novilho Campeiro.
A novidade é possível graças a tecnologia da pelotense CheckPlant, com o apoio do Mafrig, frigorífico que abate o gado oriundo de 70 fazendas gaúchas que supre as gôndolas do Nacional e de quatro produtores de hortifrutis orgânicos.
No site, o consumidor pode conferir fotos e a localização exata da fazenda criadora, indicada no Google Maps, assim como a data de abatimento no Marfrig.
Quem quiser fazer o teste sem sair da frente do computador pode acessar o site relacionado abaixo e digitar 00334X183F42, a indentificação de um corte de picanha mostrada em coletiva de imprensa realizada em Porto Alegre nesta sexta-feira, 17.
“Esperamos ter essa novidade disponível em todos os 100 Nacionais que vendem Novilho Campeiro até a meta de de 2011”, prevê José Noeli, gerente comercial do Walmart para o Rio Grande do Sul.
É um bocado de carne. A marca Novilho Campeiro responde por 10% das vendas totais de carne bovina do Nacional no estado, algo em torno de seis a sete toneladas de carne mensais.
Noeli destaca que o custo de implementação da novidade – não revelado pelo Walmart – não será transmitido para o consumidor final. “O custo é dividido entre nós e os produtores e a vantagem é mostrar que oferecemos um produto com origem garantida”, comenta o executivo.
A possibilidade do consumidor rastrear a origem da carne é originada em um acordo assinado entre Walmart, Carrefour e Pão de Açúcar com frigoríficos em 2009, pelo qual os fornecedores se comprometiam a não comprar gado oriundo de fazendas que praticassem desmatamento ou trabalho escravo.
“Esse tipo de informação e garantia será cada vez mais exigida pelos consumidores”, acredita Noeli. Experiente no ramo de carnes, onde atua há 15 anos, o profissional estabelece uma comparação com os cortes vendidos à vácuo, cuja oferta e consumo começaram pequenas e hoje representam metade das vendas.
Fundada por dois ex-alunos de 30 anos da Ciência da Computação da UCPel, com mestrados pela UFSC e Ufrgs, a CheckPlant emprega 15 profissionais das áreas de TI e agronomia em Pelotas.
A empresa é especialmente forte na área de frutas para exportação, onde é grande a exigência dos compradores por rastreabilidade: metade das frutas rastreadas vendidas no país usa tecnologia da CheckPlant.

FONTE: WWW.BAGUETE.COM.BR

Boi: Cenário segue firme com um volume de negócios mais baixo registrado hoje

O cenário segue firme com um volume de negócios mais baixo registrado hoje, cenário típico das sextas-feiras.
Os preços pouco mudaram hoje, com exceção do Mato Grosso do Sul, onde já foi possível encontrar ofertas em R$90,00/@ à vista. Entretanto, a maioria das praças oferece negócios em R$89,00/@, nas mesmas condições.
Em São Paulo, entretanto, os negócios permanecem praticamente nos mesmos patamares, dando tom de estabilidade ao mercado.
Como é possível observar na tabela ao lado, tal movimento tem feito os diferenciais de outras praças se estreitarem ao deixar os preços mais próximos àqueles vigentes em São Paulo. Mas é no Pará que essa distorção fica mais evidente e, não coincidentemente, é na região Norte onde existe maior dificuldade de encontrar animais terminados.

Clique aqui e confira a análise na íntegra.

Fonte: XP Agro

Leilão de touros da Jacarezinho tem média de R$ 9,5 mil por animal

O 17º Leilão de Touros Jacarezinho, realizado no dia 16 de setembro, em Araçatuba (SP), vendeu 150 touros Nelore avaliados pela excelente média de R$ 9.482,67. O faturamento total – incluindo 04 prenhezes, 30 bezerros de corte e 10 fêmeas de convidados – atingiu R$ 1.422.400,00. Foi o melhor entre todos os eventos comerciais já realizados pela Jacarezinho e um dos melhores do ano.
“Foi um leilão excelente. Todos os lotes foram bastante disputados por vários criadores, o que deu extrema agilidade ao remate. A valorização fez jus à nossa melhor safra de reprodutores Nelore com CEIP (Certificado Especial de Identificação e Produção)”, ressalta Ian Hill, gerente-geral da Agropecuária Jacarezinho.
Mais de duas dezenas de projetos pecuários de São Paulo, Minas Gerais, Bahia, Pará, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás adquiriram touros Nelore da Jacarezinho.
“A pecuária vive um bom momento. Os produtores estão conscientes da necessidade de ampliar a oferta de bois gordos para suprir as necessidades do mercado interno e externo. Com isso, investem em reprodutores comprovadamente melhoradores”, assinala Ian Hill.
As informações são da assessoria de imprensa do leilão.

FONTE: Agrolink

Preço médio da carne para a UE abaixo da média

Analisando os dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), observamos que o preço médio da carne bovina in natura exportada para a União Européia caiu nos últimos meses, mas praticamente se estabilizou em agosto. Veja a figura 1.



Na comparação com os últimos dois anos, o preço atual está abaixo da média quando convertido em real.

A queda no preço da carne exportada nos últimos meses, atrapalha um maior pagamento pelo boi gordo cadastrado na Lista Trace, que são animais aptos a ser exportados para o bloco europeu.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Nelore MS divulga em Uberaba Expoinel indoor 2010

A Expoinel 2010 começou nesta quinta-feira (16) em Uberaba-MG e reúne os principais criadores de gado Nelore PO do Brasil. Aproveitando a ocasião, a Nelore MS, Associação Sul-Mato-Grossense dos Criadores de Nelore, irá divulgar a maior feira em ambiente fechado da raça no mundo, a Expoinel MS 2010 indoor. O diretor de exposições da entidade, Miguel Rudes, partirá de Campo Grande para a Capital do Zebu neste fim de semana, onde permanece
até o final do evento.
“Iremos conversar com expositores, tratadores e demais pessoas ligadas ao setor sobre as novidades que a Expoinel MS trará para o ano de 2010 e, ao mesmo tempo, estaremos atentos às sugestões de todos para que cada vez mais a nossa feira indoor se aprimore”, afirma Miguel Rudes.
A maior ainda melhor
A Expoinel MS 2010 indoor acontece entre os dias 04 e 14 de novembro, no Centro de Convenções e Exposições Albano Franco, em Campo Grande, e marca a primeira obrigatória do ano no Ranking Oficial 2010-2011 do Mato Grosso do Sul.
Para este ano, a Nelore MS distribuirá premiação de R$ 10.000 nos campeonatos Matriz Modelo (6.000) e Baby (4.000), além de R$ 15.000 em dinheiro a ser dividido entre os tratadores ao longo dos campeonatos. O valor das argolas para este ano é de R$ 180, com 15% de desconto para os pagamentos efetuados até o dia 20 de outubro. “O objetivo é superar o número de animais em julgamento alcançado em 2009 e dar continuidade ao sucesso das edições anteriores”, ressalta Guilherme Bumlai, presidente da Nelore MS.
A feira conta ainda com palestras e 12 leilões, que ofertarão equinos e gado Nelore Elite; animais consagrados dos principais criatórios nacionais. Outro momento bastante aguardado acontece no dia 05 de novembro. A Nelore Fest, noite de gala do Nelore, reunirá os criadores para premiar os melhores do ano no Mato Grosso do Sul e brindar em clima de festa o sucesso alcançado em mais um ano de trabalho.
Estandes
A Nelore MS, Associação Sul-Mato-Grossense dos Criadores de Nelore, promotora da exposição, já iniciou a comercialização dos estandes.“Começamos os contatos para a reserva do espaço e 80% já foi vendido”, afirma Bumlai. As empresas interessadas devem entrar em contato através do telefone da associação: (67) 3342-1746.
Programação dos julgamentos
Entrada dos animais - De 04 a 07 de novembro
Pesagem - Dia 08 de novembro
Início dos julgamentos – Dia 09 de novembro
Término dos julgamentos – Dia 14 de novembro
As informações são da assessoria de imprensa da Nelore MS.

FONTE: Agrolink

Atacado de carne bovina completa dois meses de alta

O mercado atacadista de carne bovina sem osso de São Paulo completou dois meses de alta nos preços.
A pequena oferta de carne no mercado, em função da dificuldade em encontrar animais terminados para abate, continua sendo a principal responsável pelo movimento altista.
No acumulado dos últimos sete dias o aumento foi de 2,8%.
Desde janeiro, a carne bovina sem osso no atacado acumula valorização média de 17,5% no estado.
O consumo interno, apesar do aumento nos preços, está bom e as exportações estão aquecidas.
No varejo, em São Paulo, houve reajuste de 1% nos preços durante a semana.
No Paraná, Rio de Janeiro e Minas Gerais, a carne está 2% mais cara nos açougues e nos supermercados.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Cenário apresenta poucas alterações e frigoríficos evitam reajustar preços da arroba

O mercado do boi gordo segue a mesma toada das semanas anteriores. As ofertas permanecem restritas e é nítida a dificuldade em adquirir animais para abate. Para driblar a situação os compradores estão buscando animais em praças vizinhas e negociando prazos mais curtos, é grande o volume de negócios fechados à vista.

Diante deste cenário, de um lado os pecuaristas pleiteiam preços mais altos, do outro os frigoríficos evitam reajustar os preços e muitos trabalham em ritmo mais lento, alegando que os preços da a carne já estão muito elevados e temem que o consumidor final passe a dar preferência para proteínas mais baratas.

Gráfico 1. Indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo a prazo



O indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista foi cotado a R$ 93,33/@, nesta quarta-feira, acumulando variação positiva de 0,08% na semana. O indicador a prazo registrou alta de 0,29% no período analisado (08/09 a 15/09), sendo cotado a R$ 94,43/@ na última quarta-feira.

Tabela 1. Principais indicadores, Esalq/BM&F, relação de troca, câmbio


FONTE: BEEFPOINT

Oferta reduzida de animais para abate valoriza boi gordo

O boi continua em alta. Nesta semana, atingiu o patamar de US$ 53 (cerca de R$ 91,50) por arroba. Há um mês estava em US$ 51 (cerca de R$ 88,10, pela cotação da moeda americana ontem).
Não resta dúvida de que essa é uma ótima notícia para o pecuarista. Afinal, os preços patinaram durante praticamente três anos. E a receita em alta é um alívio para as contas, que estavam no vermelho.
A combinação de fatores que sustentam os preços do boi gordo permanece a mesma. A demanda está aquecida por conta da melhoria de renda, a escassez de chuvas prejudica a qualidade dos pastos (atrasando a terminação do gado) e a recuperação do plantel não consegue o ritmo necessário.
Não fosse a melhoria -incontestável- da qualidade genética do rebanho nacional, a oferta de animais estaria ainda menor.
Dois aspectos merecem análise mais detalhada. Em primeiro lugar, o aumento do abate de fêmeas. Atualmente, está em torno de 35%, percentual considerado próximo do ideal.
Porém, em vários momentos nos últimos anos, o índice se aproximou de 50%. Com isso, caiu a produção de bezerros, que se tornam bois gordos após cerca de dois anos.
O momento é de recuperação do rebanho. Mas não é possível acelerar demais esse processo. A genética de qualidade sem dúvida ajuda. Não fossem os investimentos de criadores em gado mais produtivo e haveria ainda menos animais à disposição dos frigoríficos.
Os pecuaristas querem ser bem remunerados. E estão sendo neste momento. Mas não desejam algo irreal. Há um teto de preço para a carne bovina, e especialistas acreditam que esse patamar está próximo.
Essa situação também provoca reações indesejáveis do mercado. A redução da oferta de gado para abate é apontada como motivo de fechamento de algumas unidades frigoríficas.
Sem entrar no mérito da gestão dessas indústrias, não é bom negócio para o pecuarista ter menos opções para vender os bois.
O segundo aspecto que considero importante passa pelo melhoramento genético da pecuária brasileira.
Os números falam por si e isso foi explorado em análises anteriores. Com o mesmo rebanho -cerca de 177 milhões de cabeças, segundo a consultoria AgraFNP, ou 210 milhões, segundo o Ministério da Agricultura-, produzimos cada vez mais carne, em que pese o abate de fêmeas já mencionado. Em 2010, o Brasil deve chegar a 10 milhões de toneladas.
Nesse cenário, somente o aumento da oferta de gado de confinamento pode mudar o atual patamar de preços. Mas há estimativas de queda de 10% nessa prática neste ano, por conta da valorização do boi magro na primeira metade do ano -algo que se mantém, aliás.
Com menos bovinos confinados, o pecuarista deve continuar bem remunerado por mais algum tempo. E essa é uma excelente perspectiva.

FONTE: Folha de São Paulo
Autor: Paulo de Castro Marques

Taurinos e zebuínos: Angus e Brangus são destaque no Sul


Quarteto levanta estreia e promovove a venda de animais selecionados e cruzados
No sábado, 11 de setembro, a estreia do Leilão Destaque Angus e Brahman vendeu 218 animais tirados das fazendas Água Boa e Renascença; mais a Três Marias e a Cabanha Brasil Floresta. O remate ocorreu na sede da Renascença, que fica em Vargem, SC. Quem ciceroneou convidados foi Nelson Antônio Serpa.
Os mais negociados foram os touros, com 41 lotes por R$ 316 mil. Deste grupo, 29 foram Angus e saíram à ótima média de R$ 8 mil. O Brahman também mostrou bom desempenho, com preço médio de R$ 7 mil nos reprodutores. Nas fêmeas, 10 lotes, a média ficou em R$ 8 mil. As 12 fêmeas taurinas alcançaram o valor de R$ 12 mil cada.
Além dos animais de seleção, os promotores colocaram à venda 160 cruzados. A soma do grupo foi de R$ 188.560. A renda total da estreia foi de R$ 668.560 para 218 lotes vendidos.
A organização ficou a cargo da Camargo Peroni, com trabalhos do leiloeiro Delamar Macedo. Pagamentos em 14 parcelas para elite e 60 dias para o corte. Foto: arquivo DBO.
FONTE: DBO - Editores Associados
Autor: Carolina Rodrigues

Boi: Escalas melhoraram ligeiramente em São Paulo

Em São Paulo, mediante compra nas praças vizinhas, as escalas melhoraram ligeiramente. Hoje atendem uma média entre 4 e 5 dias, reduzindo a intensa pressão de alta verificada desde meados de agosto.
No Mato Grosso do Sul as escalas estão mais curtas, abrangendo 3 dias, em média. Os negócios só ocorrem nos valores mais altos e lá o mercado ainda é bastante firme.
No Norte, entretando, o cenário continua bastante difícil para a indústria. No Pará há vários frigoríficos paralisados devido à escassez de oferta. Os que continuam abatendo, trabalham com escalas falhas e elevada ociosidade. O mesmo ocorre no Tocantins, onde a oferta de animais confinados não consegue atender a demanda e os frigoríficos também pulam dias de abate.
Apesar de a pressão de alta estar menos intensa, a situação ainda não é animadora para a ponta compradora e o mercado segue firme.
Para as próximas semanas, se o consumo se mantiver, apenas uma concentração maior de vendas poderá balançar o cenário do boi.

Clique aqui e confira a análise na íntegra.

Fonte: XP Agro

Boi magro sobe mais que o bezerro desde janeiro

A reposição apresentou forte valorização em 2010. O bezerro estava liderando a alta até recentemente, porém os últimos aumentos na cotação do boi magro fizeram com que esta categoria apresentasse a maior valorização desde janeiro.
Considerando a praça de São Paulo, no período citado, o bezerro desmamado acumulou alta de 22,8%. O boi magro, por sua vez, teve alta de 25%.
Essa situação foi reflexo direto da alta para o boi gordo, que exerce maior influência sobre as categorias próximas à terminação.
De acordo com levantamento da Scot Consultoria, na praça citada, o bezerro desmamado (5,5@) e o boi magro (12@) estão cotados, em média, em R$700,00 e R$1.150,00/cabeça, respectivamente.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Animais Senepol de genética diferenciada foram apresentados na Camaru 2010

Com sede estabelecida em Uberlândia/ MG, a Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Senepol apresentou, durante a Camaru 2010 que aconteceu no início de setembro, cerca de 70 animais dos principais criatórios do Brasil, localizados nos Estados de MG, SP, MT, MS e GO.
Desta vez, a Associação Senepol inovou e adotou um novo conceito de exposição, levando para conhecimento do público apenas os animais que serão ofertados no Leilão Território Senepol, por apresentarem ao mercado um perfil diferenciado, agregado à oportunidade de comercialização. O objetivo foi, também, apresentar aos criadores da raça e aos investidores que visitaram a feira animais TOP de seleção, provenientes de cruzamento absorvente em exposição, ou seja, touros, novilhas e reprodutores de excelência genética que podem se transformar em grande diferencial de qualquer criatório da raça.
“Montamos em Uberlândia uma exposição bastante didática, pois dividimos os animais em três perfis: de um lado, animais meio sangue e puros para cruzamento, desde bezerras até vacas paridas; ao centro, ressaltamos as novilhas e do outro lado, apresentamos os touros” explicou Carlos Junior, Coordenador de Marketing da ABCB Senepol.
O Leilão Território Senepol comercializará os animais que foram apresentados na exposição no sábado dia 18 de setembro, a partir das 16h., e o remate acontecerá na Estância Goudard, em Uberlândia/ MG.
O telefone para obter mais informações sobre o leilão ou sobre a raça Senepol é (34) 3210-2324 ou acesse o site www.senepol.org.br

FONTE: OLHAR DIRETO

Preço da carne atinge R$ 6,00/kg

Dados do Cepea apontam que os preços da carne bovina seguem em alta no atacado da Grande São Paulo, mesmo após o período de maior demanda (final/início de mês). As negociações de carne com osso têm sido efetivadas nos maiores valores nominais registrados pelo Cepea – série inicia em 2001. Entre 8 e 15 de setembro, a carcaça casada de boi subiu 2% e fechou a R$ 6,06/kg na quarta-feira. Devido aos ajustes, as carnes suína e de frango também têm valorizado, de acordo com dados do Cepea.

Fonte: Cepea/Esalq

quarta-feira, 15 de setembro de 2010

FSL Angus Itu leiloa exemplares da raça aberdeen angus

Evento em Itu, SP, contará com sêmen de touros argentinos inéditos no Brasil
por Globo Rural Online

Divulgação
Acontece, neste sábado (18/09), o II Leilão FSL Angus Itu, na cidade de Itu, SP. No total, a fazenda selecionou 130 bovinosda raça aberdeen angus, divididos entre 50 fêmeas (novilhas prenhas, terneiras e prenhezes) e 80 machos (touros especiais, para cruzamento e sêmen).
O destaque deste último grupo é justamente o sêmen, adquirido com exclusividade pela FSL Angus Itu graças à parceria que mantém desde 2005 com a Cabaña Tres Marías, da Argentina. Segundo a FSL, trata-se de material genético inédito no Brasil.
O proprietário da fazenda, Antonio Maciel Neto, afirma também que busca a produção de bovinos angus puros, pois a considera uma opção para melhorar a qualidade da carne brasileira e torná-la mais rentável para o pecuarista.
A leiloeira responsável é a Remate Leilões, tel. (11) 3872 5777 e (43) 3373 7077 . O catálogo do II Leilão FSL Angus Itu pode ser acessado diretamente no site da fazenda . O frete será gratuito para os estados de MS, MG SP, PR e RS, e os animais terão seguro gratuito por 90 dias após a batida do martelo.
FONTE: GLOBO RURAL ONLINE

Boi Gordo: Volume negociado não foi suficiente para provocar qualquer modificação no mercado

As compras melhoraram ligeiramente entre ontem e hoje em São Paulo. No entanto, o volume negociado não foi suficiente para provocar qualquer modificação no mercado. A maior parte das compras foi feita por R$91,00/@, à vista, livre do funrural, com negociações em até R$92,00/@, nas mesmas condições.
No Mato Grosso do Sul aumentaram os negócios por R$88,00/@, à vista, livre do funrural, sendo que mesmo neste preço as compras estão lentas.
A dificuldade nas compras fez os preços subirem também no Mato Grosso. Na região de Cuiabá e no sudeste do estado o boi gordo vale R$84,00/@, a prazo, livre do funrural. Alta de 3,7% e 2,5%, respectivamente, desde o início do mês.
A cotação do boi gordo subiu também em Redenção-PA, Rondônia e Norte do Tocantins. Em praticamente todas as praças os negócios travados forçaram aumento nos preços.
A única praça na contramão é o Paraná. Mesmo com oferta pequena, os frigoríficos conseguiram emplacar queda de R$1,00/@ no valor do boi gordo. No entanto, o volume de negócios diminuiu significativamente depois da queda.
No mercado atacadista com osso os preços estão estáveis. Ao mesmo tempo em que houve um pequeno aumento na oferta, as vendas se mostraram melhores.

Clique aqui e confira as cotações do boi

Fonte: Scot Consultoria

Nelore Zan vende 140 reprodutores top de avaliação em Araçatuba

Uma das marcas mais tradicionais da pecuária brasileira, o Nelore Zan colocará à venda 140 touros Nelore top, todos com altos índices genéticos e selecionados com todo o rigor zootécnico para características maternais, reprodutivas e de crescimento. O 10º Leilão de Touros Nelore Zan & Convidados será realizado no dia 02 de outubro de 2010, a partir das 12 horas, no Boitel, em Araçatuba (SP), e terá transmissão ao vivo pelo Canal do Boi.
“Esta é uma das melhores ofertas do Nelore Zan, com reprodutores jovens, com excelentes provas de avaliação e alta produtividade”, ressalta Flávio Aranha, proprietário da Fazenda Bela Alvorada ao lado da esposa, Adriana Zancaner Aranha.
Nelore Zan é uma marca histórica da pecuária brasileira, proveniente do plantel pioneiro na seleção funcional do Nelore, iniciada em 1962 pelo criador Arnaldo Zancaner. “A Bela Alvorada mantém a tradição da família Zancaner e foca o seu trabalho de melhoramento genético no trinômio ganho de peso, fertilidade e habilidade materna, imprescindíveis para os pecuaristas profissionais, que buscam elevados resultados econômicos”, informa Flávio Aranha.
Os touros Nelore Zan têm idade média de 24 meses e foram selecionados a campo. “Os reprodutores estão avaliados pelo Programa Nelore Brasil / Associação Nacional de Criadores e Pesquisadores (ANCP) e foram apartados com assessoria da Dra. Roberta Gestal, da Melhora+. Todos têm alto índice genético e características produtivas ideais para a pecuária de clima tropical”, explica Flavio.
Entre os destaques, serão colocados à venda no Leilão Nelore Zan vários filhos de Nadã da Bonsucesso, líder em diversos sumários de touros, e de Avesso da Bela, reprodutor Top 0,1% na ANCP. “Avesso da Bela é um touro comprovadamente melhorador, que no último sumário Nelore Brasil ANCP obteve mérito genético de 22,03”, diz o proprietário da Fazenda Bela Alvorada.
O leilão contará também com touros da Fazenda Bonsucesso, de Michel e Patrícia Zancaner Caro, copromotores do remate e que integram o Nelore Zan.

As informações são da assessoria de imprensa da Fazenda Bela Alvorada.

FONTE: Agrolink

Pecuária discute uso de tecnologias que melhoram o desempenho

A pecuária brasileira discute a utilização de tecnologias melhoradoras de desempenho, muitas das quais já autorizadas na avicultura e na suinocultura. Essa foi uma das principais discussões da InterConf (Conferência Internacional de Confinadores), que vai até 5ª feira em Goiânia (GO).
Respaldados por comprovações científicas de segurança, os produtores devem pleitear o uso de implantes e substâncias beta-agonistas especialmente nos confinamentos, para obter melhor desempenho e, assim, ganhar competitividade – especialmente no mercado internacional.
“Está comprovado cientificamente de que essas tecnologias são seguras aos consumidores e proporcionam ganhos de performance. Então, por que não utilizar?”, questiona o especialista Dante Pazzanese Lanna, professor da Esalq/USP e diretor técnico da Associação Nacional dos Confinadores (Assocon), que promove a InterConf.
Estados Unidos, Canadá e México, alguns dos maiores concorrentes do Brasil no comércio internacional de carne bovina, utilizam essas tecnologias melhoradoras com segurança há bastante tempo. Além disso, há poucas restrições dos importadores. “Os países asiáticos, grande mercado da carne bovina brasileira, permitem o seu uso”, informa Fabio Dias, diretor executivo da Assocon.
Os pecuaristas devem encaminhar pleito ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) solicitando a análise e posterior liberação de implantes e beta-agonistas na pecuária intensiva.
A InterConf segue até o dia 16, com mais palestras e discussões com temas interessantes ao setor produtivo da carne, com principal foco no sistema de produção intensiva. Para neutralizar a taxa de carbono emitido durante sua realização, o evento plantará 108 árvores nativas do cerrado brasileiro.
As informações são da assessoria de imprensa da InterConf (Conferência Internacional de Confinadores).

FONTE: Agrolink

Boi: Frigoríficos promovem reajustes em algumas praças pecuárias importantes

Ainda colhendo os frutos de uma entressafra com pouca disponibilidade de animais terminados, os frigoríficos promovem reajustes em algumas praças pecuárias importantes. Assim, conseguem estender as escalas, tanto em São Paulo, como nas praças vizinhas.
De toda forma, a oferta continua bastante restrita. No Mato Grosso do Sul, a situação está crítica. Apesar de expectativa de leve precipitação em algumas regiões do Estado, a baixa umidade relativa do ar promove pastos secos e focos de incêndio, comprometendo a engorda. Além disso, mesmo que chova um pouco, a rebrota do pasto não favorece o ganho de peso.
Em Goiás, a participação de animais confinados nas escalas já é dominante. Mesmo assim, a indústria absorve a oferta com facilidade, fazendo com que o mercado permaneça firme.

Clique aqui e confira a análise na íntegra.

Fonte: XP Agro

Animais de confinamento não fazem oferta de boi gordo subir

O mercado do boi gordo segue em ambiente firme.
Os animais de confinamento já estão no mercado, tanto que em São Paulo, quase sempre as escalas de abate dos frigoríficos são preenchidas com animas de cocho, porém a oferta não evoluiu.
De acordo com levantamento da Scot Consultoria, em São Paulo, o preço de referência segue em R$91,00/@ à vista, livre do funrural, embora já existam boiadas compradas por R$1,00/@ a mais.
No Mato Grosso do Sul, onde os compradores de São Paulo atuam tentando suprir a falta de gado para suas indústrias, já estão sendo realizados negócios a R$88,00/@ à vista, livre do imposto, embora a referência esteja R$1,00 abaixo desse valor.
A tendência para o curto prazo continua sendo mercado firme, embora nos próximos dias possam aumentar as ofertas de animais de confinamento.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Mercado do Boi Gordo abre a quarta-feira cotado a R$ 93,60 a arroba para os pagamentos em Outubro

O mercado do Boi Gordo abriu o dia de hoje, quarta-feira, na BM&F, cotado a R$ 93,60 a arroba para os pagamentos programados para o mês de Outubro.O preço máximo negociado até o momento para o vencimento é R$ 93,67 a arroba.

Fonte: Portal do Agronegócio

Polícia prende donos do Frigol

Estão presos após pedido de prisão temporária da Polícia Civil de Pimenta Bueno/RO, os donos do Frigorífico Frigol, os irmãos Djalma Gonzaga de Oliveira e Devaldo Gonzaga de Oliveira, sob acusação de crimes de estelionato e formação de quadrilha.
A empresa que se encontra em recuperação judicial, abriu uma unidade em Pimenta Bueno em janeiro deste ano, que funcionou apenas por seis meses, sendo que nos últimos dias de funcionamento fez compras de bovinos no valor de aproximadamente R$ 2.000.000,00 (dois milhões de reais) e pagou com cheques sem fundos.
A Polícia Civil instaurou inquérito policial e apurou indícios que os responsáveis pelo Frigol continuaram comprando gado mesmo sabendo que não iriam honrar as dívidas.
Foi também cumprido mandado de busca e apreensão no escritório da empresa em Pimenta Bueno, para apreensão de livros contábeis e documentos fiscais para que seja feita uma perícia contábil com vistas a comprovar que os pecuaristas de Pimenta Bueno foram vítimas de um golpe.
O BeefPoint entrou em contato com o Frigol, que até o momento não comentou o caso.

FONTE: As informações são do Rondoni Agora, resumidas e adaptadas pela Equipe BeefPoint.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Confinamento: Redução no confinamento confirma tendência de novos reajustes na arroba.

Presidente da Assocon defende que governo amplie prazos e linhas de crédito para recuperação do setor.

Estimativa da Assocon, Associação Nacional dos Confinadores, considerando seus 50 associados, o número de animais confinados este ano deve ficar 20% abaixo dos 374 mil bois colocados sob engorda intensiva em 2009.
De acordo com Ricardo Merola, presidente da Assocon, em todo o mercado brasileiro, o confinamento deve sofrer uma redução de 30%, de 1,9 milhão de animais para 1,3 milhão de cabeças.
Uma das razões para a queda é que entre abril e junho o mercado futuro sinalizava preços baixos para o boi nos meses de setembro e outubro. Mas, naquele momento, quando o pecuarista tinha de decidir quantos animais confinaria, o boi magro estava em alta. " O mercado futuro sinalizava R$ 78,00 a arroba e o boi magro estava em R$ 90 a arroba", diz Merola. "Isso acabou desestimulando o confinamento porque a margem era negativa mesmo com os grãos baratos". Outra razão para o recuo do confinamento este ano foi que entre 2002 e 2006 houve um expressivo aumento no abate de matrizes por causa da descapitalização do pecuarista. Além de o rebanho bovino ainda não ter sido recomposto após o forte abate de matrizes, a seca deste ano também afetou a engorda dos animais de pasto.
Oferta mais apertada de animais para abate significa preços mais altos. Desde o início de junho, a alta é de 14,2% em São Paulo. Na segunda feira, 13, a arroba estava em R$ 92,00, segundo a Scot Consultoria.
Para Ricardo Merola, o governo pode contribuir para a recuperação da oferta de bovinos de corte. Ele defende juros subsidiados de longo prazo para o pecuarista investir na reforma das pastagens e assegurar o rebanho para aumentar o número de bezerros. Já existe um linha de crédito para reforma de pastagens, com limite de R$ 300 mil por pecuarista, prazo de cinco anos e juros de 6,75%. Merola defende limite e prazo maiores e juros menores.

Fonte: Valor Econômico

Boi Gordo: Mercado firme e pouco ofertado

Mercado firme e pouco ofertado.
As escalas dos frigoríficos de São Paulo atendem, em média, 3 a 4 dias, e são compostas quase sempre por animais de confinamentos, embora a oferta continue bastante restrita, e existam empresas precisando de animais para serem embarcados imediatamente.
O preço de referência para a arroba do boi gordo em São Paulo permanece em R$91,00, à vista, livre de funrural, mas já estão sendo realizados negócios R$1,00/@ acima desse valor.
Os frigoríficos maiores, que vinham pagando menos pela arroba nos últimos meses, praticamente igualaram as ofertas de compra com os demais, o que demonstra que a disponibilidade de animais terminados, mesmo possuindo boiadas compradas no mercado a termo ou de confinamentos próprios, continua pequena.
No Mato Grosso do Sul, tanto as empresas locais quanto os compradores paulistas que atuam no estado, precisando alongar suas escalas de abate, já realizam negócios por R$88,00, à vista, livre de funrural.
Alta de preços também em Belo Horizonte e Norte de Minas Gerais, em função da dificuldade em comprar boiadas. No norte do estado, aliás, somente em setembro o boi já acumula alta de R$4,00/@. Além disso, é possível encontrar negócios por até R$84,00/@, à vista, na região.
A grande pressão de compra também foi responsável pela alta de preços no Oeste do Maranhão e em Paragominas – PA, o que demonstra que a falta de boiadas ocorre em todas as regiões do Brasil.
No mercado atacadista de carne com osso os preços estão estáveis.

Clique aqui e confira as cotações do boi.

Fonte: Scot Consultoria

InterConf discute queda no confinamento

Pelo menos 1.200 pecuaristas participam da 3ª Conferência Internacional de Confinadores (InterConf), que começou nesta terça-feira (14/09), em Goiânia, GO. Discutirão vários assuntos, mas, sem dúvida a queda na oferta de bois confinados neste ano é um dos destaques da pauta.
Em 2009, os 50 fazendeiros associados à Associação Nacional dos Confinadores (Assocon), que promove a conferência, engordaram 374 mil animais, e, neste ano, haverá decréscimo de 20%, informa a entidade que reúne os maioresconfinadores. Em todo o Brasil, o confinamento poderá diminuir de 1,9 milhão de cabeças para 1,3 milhão.
E a queda no volume de gado confinado acontece exatamente num período de escassez de oferta de boi para abate. Sem dúvida, esse cenário deverá encarecer ainda mais a arroba do boi, que hoje emplacou R$ 92 na praça de Araçatuba, SP.
O abate de matrizes nos últimos anos, o que torna difícil a reposição do rebanho, somado à estiagem que castiga vários estados, são dois dos motivos a tornar exígua a oferta de bois.
A InterConf irá até a próxima quinta-feira (16/09).
Sebastião Nascimento

FONTE: GLOBO RURAL

MT: Banco do Brasil disponibiliza nova linha para prorrogação de dívida, diz Famato

Cuiabá/MT
Produtores com dívidas acima de R$ 200 mil terão nova alternativa para renegociar com o Banco do Brasil (BB). A proposta foi apresentada por Rogério Bressan Biruel, gerente executivo da Diretoria de Reestruturação de Ativos Operacionais, aos produtores e representantes de sindicatos rurais que lotaram o auditório da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) na tarde de ontem (13).
A dívida poderá ser repactuada em até 10 anos, mas vai depender da capacidade de pagamento do produtor. Para isso, ele terá que dar uma entrada de 20% do valor total da dívida e o restante será parcelado em cinco anos. Durante esse período, o produtor que quitar no mínimo 40% dosdébitos poderá ter o prazo de pagamento prorrogado por mais cinco anos. Além disso, a dívida deve estar vencida há mais de seis meses, sendo a data final de 31 de julho de 2010.
Para o presidente da Famato, Rui Prado, a medida é bastante específica e caberá aos produtores avaliarem a melhor forma de negociação com o banco. “Existe a possibilidade de renegociação. Tivemos avanços, o banco fez uma proposta, mas é importante o produtor refletir e observar se é viável ou não”, afirmou. Em agosto a Famato apresentou ao banco uma relação de nomes de 340 produtores rurais que demonstraram interesse em fazer a negociação.
O gerente executivo do BB, Biruel, informou que existe a possibilidade de o banco “flexibilizar” a exigência da entrada de 20% do valor da dívida. A instituição financeira utilizará recursos próprios da poupança. A alternativa valerá para todos os produtores do Brasil e beneficiará especialmente aqueles que não foram contemplados pela Lei 11.775, de 17 de setembro de 2008, que instituiu medidas de estímulo à liquidação ou regularização de dívidas originárias de operações de crédito rural e de crédito fundiário. Ele informou ainda que a proposta não significa que o contratante poderá adquirir novos empréstimos. Os produtores terão que procurar seus gerentes até o dia 30 de setembro.
MT Legal
Durante a reunião, Rui Prado também apresentou informações sobre o Programa MT Legal, criado pela Lei Complementar nº 343 e regulamentado pelo decreto nº 2.238, em 13 de novembro de 2009. Prado lembrou os esforços do setor produtivo para participar da elaboração da lei. Apesar dos avanços, a Famato reforçou a necessidade de o governo estadual prorrogar o período de adesão ao programa, que vence no dia 13 de novembro.
Os principais motivos são a falta de definição do Zoneamento Sócio Econômico e Ecológico (ZSEE) de Mato Grosso, que está em tramitação na Assembleia Legislativa, e a aprovação do Código Florestal Brasileiro. Ambas as leis trarão mudanças significativas em relação a Reserva Legal (RL) e Área de Preservação Permanente (APP).
O Núcleo Técnico da Famato elaborou um simulador de cálculo de custo do MT Legal para orientar os produtores. “A ferramenta vai ajudar o produtor a saber o custo real que ele vai ter quando aderir ao programa”, explicou Prado. O programa estará disponível a partir de hoje no site da Famato e no site do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Fonte: Famato

Pecuarista continua na incerteza com o Independência

A Acrimat diz que para o pecuarista só resta rezar para que o frigorifico cumpra o acordo aprovado na AGC
A Assembleia Geral de Credores – AGC – convocada pelo Independência S.A.e a Nova Carne Indústria de Alimentos Ltda., realizada nesta segunda-feira, 13 de setembro, deu o resultado esperado pelo Independência: conseguiu mais prazo para pagar o que deve. “Agora só nos resta rezar e esperar que cumpra o prometido”, comentou o superintendente da Associação dos Credores de Mato Grosso – Acrimat, Luciano Vacari.
A promessa desta sexta AGC foi de suspender o pagamento das parcelas nos meses de setembro e outubro, normalizando a partir do dia 8 de novembro, com o pagamento dessas duas parcelas, corrigidas pela taxa Selic, mais a parcela de novembro. Além disso, eles propuseram o pagamento das 23ª e 24ª parcelas, antecipadamente nas parcelas 21ª e 22ª. “O pecuarista continua na incerteza, pois para honrar com o comprometido o independência vai ter que arrumar dinheiro novo e isso não temos garantia que vai acontecer” , analisou.
Apesar das incertezas e da falta de força de decisão por parte dos pecuaristas, já que o poder de decisão está com as instituições financeiras, Vacari analisa que “houve avanços”. Ele lembra que a proposta inicial era a suspensão do pagamento das parcelas aos pecuaristas credores por 04 a 06 meses e fechou em dois meses. “O negócio é se isso realmente irá acontecer, e vamos torcer que eles consigam, pois as unidades dessas empresas são muito importantes para o pecuarista e a economia dos municípios onde elas funcionam”.
AGC de 05 de novembro de 2009
Foi aprovada na assembleia do dia 05 de novembro de 2009, pagamento à vista de R$ 100 mil e os com crédito superior, R$ 100 mil de entrada e saldo dividido em 24 parcelas, pagas a partir de março deste ano, e corrigidas pela taxa Selic.
A dívida
Os credores do frigorífico Independência estão em cinco estados: Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Minas Gerais e Goiás. O Independência quando entrou com o pedido de Recuperação Judicial, tinha uma conta a pagar de R$ 152,4 milhões com 1.524 pecuaristas. A dívida total do Independência era de aproximadamente R$ 3 bilhões.
As informações são da assessoria de imprensa da Associação dos Credores de Mato Grosso – Acrimat.

FONTE: Agrolink

BHB negocia U$ 700 mil na Expointer

Negócios gerados solidificam projeto apoiado pela Apex-Brasil
O projeto Brazilian HEREFORD & BRAFORD, parceria entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos - Apex Brasil e a Associação Brasileira de Hereford e Braford - ABHB, lançado durante a EXPOINTER 2009 e renovado por mais dois anos durante a EXPOINTER deste ano, mais uma vez, em questão de negócios gerados surpreendeu a todos.
Durante os encontros de negócios, ocorridos no período da Feira Internacional entre os 26 participantes do projeto Brazilian Hereford e Braford e dois compradores Paraguaios, que foram selecionados de acordo com requisitos técnico/comerciais, foram fechados mais de setecentos mil dólares em medicamentos veterinários, suplementos e material genético, sendo previstos mais quinhentos mil dólares para o ano de 2011.
O resultado da rodada de negócios surpreendeu mais uma vez, seguindo os passos de 2009, e mostra que um projeto estruturado e focado em exportações com o apoio da Apex Brasil dá resultados diretos para as empresas participantes. O supervisor nacional de vendas da COIMMA, José Dias Rossafa era um dos mais entusiasmados com os resultados apresentados e disse "já tivemos excelentes resultados na EXPOPARAGUAY e a EXPOINTER sempre é uma excelente vitrine. O projeto BHB tem atendido inteiramente as expectativas da COIMMA e nossa intenção e fortalecer nossa participação nas ações do projeto".
O gestor da APEX BRASIL Avay Miranda ressaltou que "qualidade e competitividade dos produtos das empresas é que gerou este resultado positivo mais uma vez". Avay Miranda ressaltou ainda que "transformar o Brasil em exportador de genética é um grande desafio, e o primeiro do projeto BHB já mostrou que este é um sonho plenamente possível!" A APEX BRASIL é parceria em grandes desafios, e este é mais um deles. Os resultados mostram que estávamos certos".
O Presidente da Associação Brasileira de Hereford e Braford Fernando Lopa, agradeceu mais uma vez o empenho de todos, ressaltando um agradecimento especial pela renovação do projeto pela Apex-Brasil: "Agradecemos a Apex-Brasil que acredita na Associação Brasileira de Hereford e Braford como parceira em um desafio como este, de internacionalização da genética nacional e as 26 empresas participantes do projeto pelo seu espírito empreendedor. Temos produtos de alta qualidade, e o mundo está conhecendo-os ! Os resultados do primeiro ano do projeto já demonstram isto."

As informações são da assessoria de imprensa da Associação Brasileira de Hereford e Braford - ABHB.

FONTE: Agrolink

Mercado do boi gordo segue estacionado

Além da pouca oferta, muitos frigoríficos estão fora das compras, à espera de uma posição do mercado
Além da pouca oferta, muitos frigoríficos estão fora das compras, à espera de um posicionamento do mercado. As escalas atendem, na maioria dos casos, 3 dias.
Como conseqüência da manhã especulada, o preço referência para o boi gordo em São Paulo permanece em R$92,00/@, a prazo, livre de imposto.
A oferta mínima causou reajuste no Oeste da Bahia. Os negócios com o boi gordo ocorrem em R$86,00/@, alta de R$2,00/@ em relação ao preço do fim da última semana. No último mês o preço do boi gordo nesta região subiu 8,9%, acompanhando a alta de 7,6% ocorrida na região sul do estado, no mesmo período.
Também houve valorização dos bois gordos no Oeste de Santa Catarina, Noroeste do Paraná, Sudoeste do Mato Grosso e Paragominas-PA.
Considerando as altas ocorridas nos últimos 30 dias, o aumento mais significativo para o preço do boi gordo ocorreu em Marabá-PA, alta de 14,1%.
A valorização média nas praças pesquisadas no último mês foi de 7,7%. Em São Paulo, o preço atual é 7% maior que há 30 dias.
O mercado atacadista com osso segue com oferta enxuta. Não houve alteração nos preços.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Boi: cenário físico continua trabalhando em ambiente firme

O cenário físico continua trabalhando em ambiente firme, apesar de mostrar certa acomodação nos patamares atuais. É um momento de absorção das altas observadas nas semanas anteriores, principalmente em São Paulo, a praça balizadora.
O resultado disso pode ser observado através de altas nas praças vizinhas. Hoje, entretanto, o mercado permaneceu quieto, com poucas alterações.
No Centro-Oeste, apesar de escalas melhores em comparação com o Norte, a situação também se complica devido à seca que atinge as pastagens. Com isso, os animais demoram para ganhar peso e ficam abaixo da condição ideal para o abate.
A Assocon (Associação Nacional dos Confinadores) revisou para baixo a estimativa de animais confinados para 2010. De acordo com a pesquisa realizada, entre os 50 associados, o número deverá cair 20%, e 30% para o número total de animais confinados no Brasil. O dado reforça a firmeza do mercado.

Clique aqui e confira a análise na íntegra.

Fonte: XP Agro

SC terá centro de concentração de bovinos para exportação

Nesta segunda-feira (13), o secretário de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina, Enori Barbieri, recebeu a informação de que o terreno pertencente ao Banco Regional do Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE), localizado em Imbituba (SC), foi desapropriado por utilidade pública para a construção do Centro de Concentração de Bovinos para Exportação. O Centro de Concentração de Bovinos para Exportação é uma exigência da União Europeia para a importação de animais vivos. Imediatamente antes de serem exportados, os animais ficarão em quarentena no Centro, para que haja um controle sanitário rígido e atenda às normas daqueles países. Barbieri explica que o Centro de Concentração deve ser construído, obrigatoriamente, próximo a um porto, pois após o período de quarentena os animais devem ser embarcados imediatamente para o país de destino. "A estrutura pertencerá a Secretaria da Agricultura e será operada pela Cidasc, o terreno é totalmente adequado aos nossos objetivos e todas as partes envolvidas no processo aprovaram a escolha", diz. "Santa Catarina será o único estado brasileiro a exportar bovinos vivos de raças de corte para a União Européia", resume o secretário. Segundo ele, após essa etapa abre-se a possibilidade de exportar também carne suína para aqueles países. "Sendo Santa Catarina o maior produtor de suínos do Brasil e o segundo maior exportador, isso representaria a abertura de um mercado de uma grandeza sem precedentes na história de nosso Estado", conclui. Com informações da Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural de Santa Catarina. (AB)

Fonte:Safras

Exportações de animais vivos caem em agosto

As exportações brasileiras de gado em pé caíram em agosto.
Segundo dados divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), no último mês foram embarcados cerca de 55,8 mil cabeças de bovinos vivos, uma queda de 25% em relação ao volume exportado e julho.
Todos os animais enviados em agosto tiveram como destino a Venezuela e saíram do Pará, tradicionais importador e exportador de gado vivo, respectivamente.
Apesar da queda, desde janeiro o Brasil exportou 421,27 mil animais, resultado 25% superior a igual período de 2009.
A Venezuela, que em 2009 comprou mais de 95% de todos os animais exportados pelo Brasil, restabeleceu recentemente relações diplomáticas com a Colômbia, antigo fornecedor de gado em pé para o país do Hugo Chávez.
Dessa forma, essa retomada de relações entre os dois países pode fazer crescer a concorrência com o Brasil no posto de grande fornecedor de animais vivos para o mercado vizinho.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Exportações de carne bovina do Brasil acumulam alta de 24%

As exportações de carne bovina do Brasil, somando carne in natura, industrializada, miúdos e carne salgada diminuíram discretamente entre julho e agosto. Queda de 1,36% no faturamento e recuo de 0,8% em volume.
Mas no acumulado dos primeiros oito meses do ano, os resultados de 2010 são positivos.
O volume cresceu 3% em relação a 2009, chegando a 1,37 milhão de toneladas equivalente carcaça (tec) este ano e o faturamento, em função do aumento dos preços, cresceu 24,17%, alcançando US$3,37 bilhões. Os dados são do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), analisados pela Scot Consultoria.
Aos poucos as exportações brasileiras de carne bovina estão se recuperando, conforme a economia se restabelece.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Rússia importa mais carne bovina

Durante os primeiros oito meses de 2010, as importações de carne bovina da Rússia totalizaram 365.000 toneladas, levemente a mais que no mesmo período do ano anterior (360.550 toneladas). Entretanto, uma mudança significante com relação a 2009 é que as ofertas da América do Sul, especialmente da Argentina, Paraguai e Brasil, estão mais escassas e mais caras, o que tem levado a um maior interesse no produto australiano.
De acordo com relatórios comerciais da América do Sul, o preço de importação de carne bovina pela Rússia foi maior quando comparado aos preços oferecidos no mercado doméstico (especialmente para cortes dianteiros), o que pode em grande parte ser atribuído a comerciantes locais tentando preencher sua cota de importação de carne bovina antes de dezembro. Embora tanto a demanda como os preços da Rússia tenham aumentado nas últimas semanas, as compras ainda estão cautelosas em comparação com 2008.
Os importadores russos estão, atualmente, enfrentando forte competição do Oriente Médio pela carne da América do Sul, junto com uma forte demanda doméstica por carne bovina no Brasil.
De janeiro a agosto de 2010, as exportações de carne bovina da Austrália para a Rússia totalizaram 22.960 toneladas, mais que as 9.821 toneladas exportadas no mesmo período do ano anterior, mas ainda menores que o recorde de 72.000 toneladas exportadas durante o ano de 2008.

FONTE: Meat and Livestock Australia (MLA), traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Carnes: Cortes apresentam alta média de 15%

O movimento de retomada das exportações de carne bovina do MT neste ano, favorecida pela maior demanda internacional, influenciou em parte na alta do produto no varejo. Em agosto, na comparação com o mesmo período de 2009, o preço médio da carne obteve valorização de 15,1%, influenciada pela alta nos cortes traseiros, considerados mais nobres. Como por exemplo, a picanha que obteve incremento de 9,7% no mesmo período.
No entanto, os cortes dianteiros, considerados de "segunda", apresentaram redução no preço. Esse aumento do preço médio no período é reforçado pela estiagem prolongada neste ano, assim como pela oferta mais restrita do boi gordo confirmada pela redução do confinamento da ordem de 15,69%, segundo o último levantamento de confinamento, elaborado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea).
O Estado registrou uma produção, até o mês de julho, de 2,62 milhões de cabeças. Em toneladas de equivalente carcaça este volume fica em aproximadamente 610,09 mil. Deste total, 133,55 mil foram exportadas e 476,54 mil t/eq. carcaça permaneceram no país.

FONTE: Diário de Cuiabá

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Mercado do boi gordo segue parado

Mercado parado.

Além da pouca oferta, muitos frigoríficos estão fora das compras, à espera de um posicionamento do mercado. As escalas atendem, na maioria dos casos, 3 dias.
Como conseqüência da manhã especulada, o preço referência para o boi gordo em São Paulo permanece em R$92,00/@, a prazo, livre de imposto.
A oferta mínima causou reajuste no Oeste da Bahia. Os negócios com o boi gordo ocorrem em R$86,00/@, alta de R$2,00/@ em relação ao preço do fim da última semana. No último mês o preço do boi gordo nesta região subiu 8,9%, acompanhando a alta de 7,6% ocorrida na região sul do estado, no mesmo período.
Também houve valorização dos bois gordos no Oeste de Santa Catarina, Noroeste do Paraná, Sudoeste do Mato Grosso e Paragominas-PA.
Considerando as altas ocorridas nos últimos 30 dias, o aumento mais significativo para o preço do boi gordo ocorreu em Marabá-PA, alta de 14,1%.
A valorização média nas praças pesquisadas no último mês foi de 7,7%. Em São Paulo, o preço atual é 7% maior que há 30 dias.
O mercado atacadista com osso segue com oferta enxuta. Não houve alteração nos preços.

Clique aqui e confira as cotações do boi.

Fonte: Scot Consultoria

ATACADO DE CARNE - 13.09.2010


PREÇOS DE BOI E VACA PARA CARNE A RENDIMENTO

REGIÃO DE PELOTAS
INFORMAÇÃO MARFRIG

*PREÇO DE CARNE A RENDIMENTO EM 13.09.2010

BOI: R$ 5,40
VACA: R$ 5,10

OBS: *LIVRE DE FUNRURAL

PRAZO: 30 DIAS

Compras só a rendimento.

FONTE: Marca Negócios Rurais (comprador Marfrig da região)
FONE: 9981.1203 Humberto Costa.

PREÇOS MÉDIOS DE GADO- MERCADO FÍSICO / KG VIVO*

EM 13.09.2010
REGIÃO DE PELOTAS
.
.

TERNEIROS R$ 2,55 A R$ 2,65
TERNEIRAS R$ 2,20 A R$ 2,40
NOVILHOS R$ 2,45 A R$ 2,55
BOI MAGRO R$ 2,40 A R$ 2,50
VACA DE INVERNAR R$ 2,00 A R$ 2,10
.
*GADO PESADO NA FAZENDA
.
FONTE: PESQUISA REALIZADA POR http://www.lundnegocios.blogspot.com

PREÇOS MÉDIOS DE BOI GORDO E VACA GORDA- MERCADO FÍSICO / KG VIVO

FRIGORÍFICOS REGIONAIS

EM 13.09.2010
REGIÃO DE PELOTAS

KG VIVO:
BOI GORDO: R$ 2,70 A R$ 2,80
VACA GORDA: R$ 2,40 A R$ 2,50

A RENDIMENTO:
BOI GORDO R$ 5,60 A 5,70
VACA GORDA R$ 5,30 A 5,40

FONTE: PESQUISA REALIZADA POR WWW.LUNDNEGOCIOS.BLOGSPOT.COM

PROMOÇÕES 2010 - PREÇOS IMPERDÍVEIS

LINHA MERIAL

Para um controle parasitário perfeito, conte com as soluções Merial

FALE COM LUND 8111.3550 OU 9994.1513

Carne Pampa

PREÇOS MÍNIMOS PARA NEGOCIAÇÃO DIA 13/09/2010
INDICADOR ESALQ/CEPEA DE 10/09/2010 - PRAÇA RS


Ver todas cotações Ver gráfico

MACHOSPrograma**H & B***
CarcaçaR$ 5,60R$ 5,48
KG VivoR$ 2,80R$ 2,74
FÊMEASPrograma**H & B***
CarcaçaR$ 5,10R$ 5,05
KG VivoR$ 2,42R$ 2,40
** Programa - Indicador Esalq/Cepea MaxP(6)
*** H & B - Indicador Esalq/Cepea Prz(4)
PROGRAMA CARNE CERTIFICADA PAMPA
FONTE: ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE HEREFORD E BRAFORD

COTAÇÕES CORREIO DO POVO



FONTE: CORREIO DO POVO

Mercados Futuros - 10/09/10

Vencimento Fechamento Diferença do dia anteriorContratos em abertoContratos negociados
Set/1093,560,116.158616
Out/1093,12-0,1028.0265.288
Nov/1093,90-0,293.962592
Dez/1093,00-0,281.094116
Jan/1191,60-0,281312
Fev/1191,63-0,1200
Mar/1190,65-0,1200
Abr/1188,39-0,1300





FONTE: BEEFPOINT

PROMOÇÕES 2010 - PREÇOS IMPERDÍVEIS

LINHA OURO FINO

COLOSSO POUR ON
FALE COM LUND 8111.3550 OU 9994.1513

Boi: segunda-feira mostra típica movimentação de início de semana com menor volume de negócios

A segunda-feira mostra típica movimentação de início de semana com menor volume de negócios e espera por posicionamento de vendedores e compradores.
Em São Paulo os preços permanecem praticamente estáveis, com escalas que atendem 3 dias, em média. Alguns frigoríficos de porte maior conseguem terminar a semana auxiliados por compras em Estados vizinhos.
No Mato Grosso do Sul a oferta ainda é escassa e reflete-se no maior interesse de compra de fêmeas dentro do Estado. Com isso, o preço da categoria subiu para R$ 83,00/@ abrangendo todas as praças pesquisadas pela XP Agro.
No Pará a situação se complicou de vez. Em Redenção há frigoríficos parados, à espera de uma oferta melhor, situação que se estende ao Tocantins. A disponibilidade de animais na região Norte está realmente curta, comprometendo fortemente a margem da indústria.

Clique aqui e confira a análise na íntegra.

Fonte: XP Agro

Expoinel 2010 confirma 15 Leilões Oficiais e 5 Shoppings

Além de ótimas oportunidades em remates, a maior exposição do Nelore ainda terá cinco shoppings com animais de excelente qualidade genética
A 39ª Exposição Internacional do Nelore – Expoinel 2010, que ocorre entre os dias 16 e 26 de setembro em Uberaba (MG), no Parque de Exposições Fernando Costa, traz uma seleção excepcional de animais PO para seus tradicionais remates. Já estão confirmados 15 Leilões Oficiais e 5 shoppings de ótimo nível, que oferecem o que há de melhor da raça Nelore.
João Antônio Gabriel, uma das vozes mais respeitadas do leilão nacional, aponta que o momento é ideal para reforço de planteis. ‘‘Estamos observando uma procura muito grande por animais de alto valor genético, principalmente aqueles com produção provada. E o mercado está absorvendo essa demanda com muita liquidez, inclusive animais de preços expressivos. Aqui na Expoinel, todos os eventos agendados apresentarão animais de ponta, que serão muito disputados e valorizados’’, afirma.
‘‘A variedade de animais será o ponto alto dessa Expoinel, com animais de todo o tipo, jovens, de pista, futuros campeões, as matrizes milionárias e prenhezes muito boas. Todos esperavam que devido ao excesso de ofertas, por liquidações como da Quilombo, da Brumado e da J Galera, o mercado estaria desaquecido, mas isso não aconteceu’’, endossa Nilson Genovesi, um dos mais experientes leiloeiros do país, que também é presença garantida em leilões da Expoinel 2010.
Confira a agenda de shoppings e leilões, que está repleta de grandes oportunidades de negócios:
16/09 a 26/09: Shopping Casa do Zebu – local: Casa do Zebu
16/09 a 26/09: Shopping Ouro Fino – local: Casa Ouro Fino
16/09 a 26/09: Shopping Sete Estrelas – local: Parque Fernando Costa
16/09 a 26/09: Shopping Colorado – local: Chácara Colorado
16/09 a 26/09: Shopping MAC & Parceiros – local: Chácara MAC
16/09 - 20h: Leilão Novamata Expoinel – local: Chácara Nelore Nacional
17/09 - 13h: Leilão Nelore Baby – local: RKC
18/09 - 13h: Leilão Alianças – local: RKC
18/09 - 20h: Leilão Mata Velha – local: Chácara Mata Velha
19/09 - 13h: Leilão Matrizes Brumado – local: Leilopec
19/09 - 20h: Leilão Qualidade Futurity – local: RKC
20/09 - 20h: Leilão Nelore Perboni e Convidados – local: Fazenda Perboni
21/09 - 20h: Leilão Seleções Expoinel – local: Chácara Nelore Nacional
22/09 - 13h: Leilão Estrelas da Expoinel – local: RKC
22/09 - 20h: Leilão Pérolas Nelore – local: Leilopec
23/09 - 20h: Leilão Criadores – local: Leilopec
24/09 - 13h: Leilão Jóias da Raça – local: Fazenda Nova Trindade
24/09 - 20h: Leilão Prenhezes Expoinel – local: Chácara Colorado
25/09 - 13h: Leilão Touros Grupo Monte Verde – local: Leilopec
25/09 - 20h: Leilão Prenhezes EAO e Fazenda Guadalupe – local: Fazenda EAO
EXPOINEL 2010
A Expoinel 2010 se configura como uma oportunidade ímpar para a interação de todos os agentes da cadeia produtiva da carne bovina, desde os representantes do mercado de genética até o consumidor final. O evento é promovido pela Associação dos Criadores de Nelore do Brasil (ACNB), com o apoio da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), Revista Dinheiro Rural, Dow AgroSciences e Guabi Nutrição Animal.
As informações são da assessoria de imprensa do evento.

FONTE: Agrolink

Expofeira encerra com destaque em vendas diretas de animais

A 33ª edição da Expofeira Agropecuária de São Lourenço do Sul (RS) encerrou, nesse domingo (12), com destaque na comercialização. O evento realizou vendas diretas de animais nas mangueiras durante o final de semana.
Cerca de 40 animais rústicos e 64 equinos participaram da feira, além de animais de argola, pequenos animais. Os rústicos levados para a venda foram Angus, Devon, Hereford, Montana e zebuínos da raça Brahman. De argola, participaram as raças Angus, Devon e Santa Gertrudes.
Do gado de leite, o destaque ficou com a raça Jersey, cujo julgamento vale para o ranking nacional. Ao ressaltar o trabalho conjunto do Sindicato Rural e da Associação Comercial e Industrial do município na realização da mostra, o secretário estadual da Agricultura, Gilmar Tietböhl parabenizou a cooperação. "Esta união de trabalhos é um dos caminhos para o desenvolvimento."
O presidente do Sindicato Rural de São Lourenço, Luiz Roberto Saalfeld, ressaltou que os preços dos touros são em média de R$ 5 mil cada, basicamente os mesmos valores conseguidos na Expointer. A feira contou, também, com exposição de máquinas.

FONTE: Governo do Estado do Rio Grande do Sul