sábado, 5 de fevereiro de 2011

URUGUAI VAI EXPORTAR GADO EM PÉ PARA ARGENTINA

Também será liberada a importação de gado em pé da Argentina,pelo Uruguai.
GANADERÍA
Se habilitará exportación de ganado en pie a Argentina
La autorización también servirá para importar desde el vecino país
























El director de los Servicios Ganaderos del Ministerio de Ganadería, Francisco Muzio, dijo que en cuestión de días quedará habilitada la importación-exportación de ganado en pie con Argentina.
“Ya hubo una exportación de una vaquillona en pie a Argentina con un valor genético importante y hay interés de exportar ganado para reproducción, frente a lo cual estamos ultimando detalles de la habilitación porque son certificados Mercosur que siempre tienen aspectos para corregir. Cuando se reciba la respuesta de Argentina, por un detalle vinculado a un acuerdo del Mercosur que debe ser ratificado bilateralmente, la habilitación quedará lista”, dijo Muzio.
Agregó que es cuestión de días para que quede libre ese canal de exportación de ganado en pie y que, actualmente, hay solicitudes concretas por exportación. “Pero esto es recíproco y la habilitación será para importar y exportar”, señaló.
Los requisitos para exportar ganado en pie para reproducción hacia Argentina son muchos y muy similares a los que se piden con Brasil.

FONTE: OBSERVA

VEJA O QUE ESTAMOS COMPRANDO - LUND NEGÓCIOS

INFORMAÇÕES COM LUND PELOS FONES 81113550 OU 99941513
1- TERNEIROS EUROPEUS ENTRE 150 Kg - 250 Kg INTEIROS OU CASTRADOS


2- VACAS PARA INVERNAR CARRAPATEADAS
3-NOVILHAS EUROPÉIAS COM PESO ACIMA DE 280 Kg CARRAPATEADAS
4-NOVILHOS EUROPEUS COM PESO ENTRE 250Kg E 320Kg CARRAPATEADOS


5-VACAS DESCARTE COM CRIA AO PÉ CARRAPATEADAS

URUGUAI - MERCADO BOVINO

TANTO LÁ COMO AQUI,NOSSOS MERCADOS SÃO MUITO SEMELHANTES!
Ganadería 2010: balances y desbalances
Por Jorge Chouy jchouy@seragro.com.uy
Arrancó un nuevo año, con muchos elementos para el optimismo y algunas crispaciones en el ámbito ganadero.
Otro verano seco y caluroso, largamente anticipado por los pronósticos meteorológicos, está condicionando la actividad productiva. Algunos, beneficiados por las nubes arbitrarias, se vienen salvando.
De todos modos, la situación no tiene ni de lejos la gravedad del fenómeno que aquejó al país entre la primavera de 2008 y el in-vierno de 2009, pero igualmente genera problemas, pérdidas, sobrecostos y sustos varios.
Por lo menos, actualmente rigen mucho mejores precios para los ganados y existen más recursos para enfrentar la adversidad, aunque cunden factores irritantes en el aire: los productores pretenden valores superiores por su hacienda, y no están conformes con la actitud de la industria y con algunas decisiones oficiales.
El año 2010 tuvo, para la ganadería, una serie de peculiaridades muy definidas, pero en general fue positivo. Es difícil intentar un balance para las empresas involucradas en la tarea, pero los números globales volvieron a mostrar la fortaleza intrínseca del sector.
Hay varios datos a destacar:
1) El stock total de vacunos, contado al 30 de junio pasado, retrocedió en relación a los últimos años: es el más bajo desde 2001.
2) La faena cayó respecto al año anterior, y se ubicó en similar nivel a las de 2007 y 2008.
3) Por segundo año consecutivo la faena registró un porcentaje muy alto de vientres con relación al total, superior al número de novillos.
4) La composición por edad de los novillos de faena tuvo grandes variaciones respecto a lo ocurrido en los últimos años, con una disminución significativa de los novillos jóvenes.
5) La exportación en pie repitió por segundo año un volumen muy importante, lo que generó y sigue generando fuertes polémicas al respecto.
6) La extracción valorizada, sumando la faena total y la exportación en pie, se ubicó en torno a 22,2% del rodeo declarado al 30 de junio pasado.
7) La exportación de carne disminuyó en volumen con respecto al año pasado y es la más baja de los últimos años.
8) No obstante, los precios de exportación tuvieron fuertes subas, por lo que la recaudación alcanzó montos superiores.
9) Los mercados de destino mostraron variaciones en la demanda.
10) El mercado interno se mantuvo en alza y absorbió más de 200 mil toneladas, con un volumen per cápita récord en el mundo.
11) Los precios de la hacienda acompañaron hasta agosto la valorización de la carne, pero en el último trimestre del año las líneas se bifurcaron: la carne subió y el ganado bajó, a medida que aumentaba la oferta, por la sequía.
Veamos más detalladamente estos puntos:
Existencias y carga. Datos aún no confirmados a nivel oficial al cierre de esta nota sitúan en algo menos de 11,1 millones el total de vacunos declarados al 30 de junio de 2010. La baja mayor se dio por la caída de 400 mil cabezas en el número de terneros (-16%), debido a la sequía que caracterizó al período anterior.
Afortunadamente, las condiciones forrajeras favorables registradas en 2010 deben haber contribuido a una buena parición en la primavera pasada.
El entore que se lleva a cabo sufre el impacto de la falta de agua, pero se benefició de un escenario forrajero muy favorable cuando se inició, lo que contribuye a la recomposición de la dotación.
La baja en el stock vacuno se suma a la caída de los lanares, que con apenas 7,7 millones de cabezas solo se compara con la majada de mediados del siglo XIX.
La carga animal total ha bajado, pero también se reduce la superficie de pastoreo: en la última declaración jurada habría retrocedido otras 300 mil hectáreas, cediendo área a la agricultura y la forestación, para quedar en 15,4 millones de hectáreas la superficie declarada con animales.
Faena más baja. Al finalizar el año se contabilizaron 2.203.900 vacunos faenados, 121.771 menos que el año anterior, lo que equivale a una reducción de 5,2% en el número de cabezas.
La faena de 2010 se ubica en el nivel de los años 2007 y 2008, muy por debajo de la de 2006, aunque ésta tuvo rasgos de liquidación, debido a la fuerte sequía que aquejó al Norte del país.
Este año pasado, la faena tuvo un buen ritmo en la primera mitad, pero cayó fuertemente al ingresar en el segundo semestre, y sólo se recuperó en el último mes
y medio del ejercicio. En el cuatrimestre julio-octubre se registró una de las faenas más bajas de la década para un período similar.
Composición. Las "vacas" (hembras, debería decirse, porque las vaquillonas también están incluidas en esa categoría, de la que representan alrededor de 20%) tuvieron una alta participación: nuevamente fueron más de 52,5% del total faenado, algo inusual, ya que el promedio normal anda por 45%.
Esta composición en la faena se da a partir del segundo semestre de 2009 y aún no se ha detenido. Este perfil está vinculado a la demanda de alguno de los principales destinos de nuestra carne, que puede ser atendida con carne de vaca y no necesita procesar novillos, que tienen mayor valor para la industria.
Los novillos faenados fueron relativamente pocos, menos de un millón, un número similar a los de 2002 y 2003, cuando las condiciones eran totalmente diferentes. Sin embargo, como veremos enseguida, una buena parte de esta categoría se exportó en pie.
Otro dato que interesa destacar, que en cierta forma también está vinculado con lo anterior: la faena de novillos jóvenes, que se clasifican en tres categorías –novillitos, novillos jóvenes y novillos 6 dientes–, bajó en forma significativa respecto a los años anteriores, tanto en números absolutos como en porcentaje del total.
Este año pasado se faenaron unos 387 mil novillitos y novillos jóvenes, algo menos de 39% del total de la categoría novillos. Como además se faenaron 145 mil novillos de 6 dientes, el total de novillos de dentición incompleta representó apenas 53,4% de todos los novillos, retrocediendo a niveles de años atrás.
En 2009 la faena de las dos categorías más jóvenes totalizaba casi 529 mil reses, que equivalía a más de la mitad de todos los novillos. Si se suman los 218,6 mil novillos de 6 dientes, resulta que los de dentición incompleta superaban 71% del total, un nivel similar al de los años anteriores.
Producción. La producción industrial de carne bordeará las 515 mil toneladas, dada la faena declarada y el peso promedio de carne en gancho de las reses faenadas, que se situó en 233,8 kilos (información hasta noviembre, inclusive).
La disminución respecto al año anterior es de 4%, algo menos que la caída en la faena, porque los pesos de carcasa fueron un poco superiores este año, con una composición similar.
A estos volúmenes hay que sumarles la faena predial y la de los mataderos precarios, y la voluminosa exportación en pie, aunque la mayor parte de ésta estuvo integrada por animales livianos, que no completaron su preparación.
Exportación en pie. Este año pasado, en un proceso que continúa con toda intensidad en las primeras semanas de 2011, la exportación de vacunos vivos repitió una performance sumamente dinámica, con una extracción de más de 207 mil cabezas en el año, en su gran mayoría compuesta por novillos jóvenes y terneros, sumando un par de puntos a la extracción comercial respecto al stock total, que rondó 22,5% en el ejercicio anual, con relación a lo declarado en el mes de junio anterior.
El principal comprador de ganado en pie fue Turquía, que ha llevado una política de subsidios y aranceles distorsivos, lo que despierta fuertes reacciones en la industria instalada en nuestro país, que, con un elevado porcentaje de capacidad instalada ociosa, teme quedarse sin materia prima y alega estar sometida a una competencia desleal que puede desarticular la cadena cárnica nacional.
Cada novillo que se faena fuera del país se lleva el cuero y las tripas puestas, deja de aportar más de 339 dólares a la remuneración de otros factores (industria, comercio y Estado, vale decir salarios, energía, transporte, insumos, servicios, rentas, impuestos, etc.). Nadie duda de que no es lo mejor, sólo puede aceptarse como excepción, como válvula de escape que regula el funcionamiento del mercado.
Ese volumen de ganado exportado vivo equivalió a algo menos de 10% de la faena total, supera largamente la faena de los principales frigoríficos (los cinco primeros promediaron unas 150 mil reses) y, si bien representa menos de 2% del stock total (mucho menos de lo que se muere todos los años, por ejemplo), captó muchos novillos adelantados, próximos a su sacrificio, lo que afectará directamente, a corto plazo, la oferta interna para faena.
Hacia el final del período y en las primeras etapas de 2011, también Brasil ha incrementado sus compras de hacienda en pie, dada la diferencia de valor de nuestros ganados respecto a los de ellos.
La sequía incipiente fuerza la extracción de ganado de los campos, que necesitan mercados de colocación para todas las categorías, especialmente para los animales jóvenes, que hoy se están embarcando en pie para el exterior y que encuentran en ese canal de comercialización el mejor sostén en estas circunstancias.
Destinos de la carne
Exportación. Volúmenes y precios
Las ventas al exterior alcanzaron a 364.141 toneladas peso carcasa equivalente, 26,3 mil ton menos que el año anterior, lo que equivale a una baja de 6,7% en los volúmenes.
Sin embargo, como el precio promedio subió 24% en 2010 respecto a 2009, alcanzando a U$S 3.082 la tonelada carcasa, la recaudación total ascendió a U$S 1.122.164, un aumento de casi 152 millones, 15,6% más que el año previo. Es el segundo año en montos, sólo superado, en unos U$S 100 millones, por la cuenta de 2008.
Con estos registros, la carne vacuna representó 16,6% de las exportaciones totales del país, que llegaron a U$S 6.762 millones.
Si se agregan las menudencias y los subproductos vacunos, los montos exportados rondan los U$S 1.276 millones, y si además sumamos la exportación de vacunos vivos, que ascendió a casi U$S 144 millones, las exportaciones vacunas cárnicas trepan a unos U$S 1.420 millones, que equivalen a 21% del total exportado en el año.
Los precios de la carne de exportación de 2010 son los más altos de la historia después de los logrados en 2008, cuando se produjo una burbuja especulativa insostenible, que precipitó finalmente la grave crisis financiera mundial.
Afortunadamente, los valores de la actualidad parecen mucho más firmes, asentados en sólidos fundamentos de oferta y demanda mundial, lo que augura un mejor pronóstico de corto y mediano plazo para el rubro.
Los precios de exportación fueron subiendo sin pausa a lo largo del año, para finalizar en diciembre con U$S 3.888 la tonelada carcasa, 56% por encima de los precios de enero.
Los compradores
Podría afirmarse que el dato principal del funcionamiento del mercado externo fue la reafirmación del liderazgo de Rusia en cuanto a los volúmenes y de la Unión Europea (UE) en cuanto a los montos.
Rusia adquirió 119,4 mil ton, casi un tercio del total exportado, por un valor de U$S 278,5 millones, una cuarta parte de los dólares totales, con un precio de U$S 2.333 por tonelada.
La UE compró 69 mil toneladas (19%), por U$S 324,4 millones (29%), a un precio promedio de U$S 4.700 por ton.
El NAFTA continuó perdiendo importancia, especialmente EEUU. Este país compró 33,7 mil toneladas (9%) y no alcanzó siquiera a cumplirse la cuota de 20 mil toneladas (peso producto) que nuestro país tiene asignada en ese mercado.
Por esos volúmenes pagó U$S 91,7 millones, lo que da un precio promedio de U$S 2.719 la tonelada.
Dentro de los países que aumentaron en forma significativa sus compras están Chile, Brasil y Venezuela, como puede apreciarse en el cuadro correspondiente.
En los últimos meses, Brasil ha tenido una presencia muy activa, comprando diferentes productos a buenos precios, reflejo de la intensidad de su demanda interna.
Mercado interno
El consumo de carne continuó en ascenso, siguiendo una tendencia de recuperación iniciada hace seis años, luego de la crisis de inicios de la década. El año pasado se superaron los 60 kilos por persona, lo que con una población de 3,345 millones resulta en un consumo total de más de 201 mil toneladas de carne con hueso equivalente.
El INAC estima que el consumo total de carnes de los uruguayos superó los 92 kilos por persona en el año, sumando a la carne vacuna 20 kilos de pollo, 8 de cerdo y 4 de ovino.
Si agregamos el pescado y otras carnes menores (conejo, carnes de caza, etc.), no debe bajar de los 100 kilos por persona al año, un nivel comparable al de los países ricos. Por lo menos en el promedio no parece haber un problema en el consumo de proteínas por parte de los uruguayos.
Precios del ganado y rentabilidad
El precio de los novillos de faena subió 40% entre enero y agosto, pero luego bajó 8% hasta diciembre. Entre puntas, en el año, el aumento fue de menos de 29%. Algo parecido ocurrió con la vaca, aunque cayó menos en el último tramo.
En cambio, la carne exportada subió en forma sostenida, acumulando un incremento de 56% entre enero y diciembre; significativamente, desde agosto hasta diciembre subió 24%, mientras bajaba el precio de la hacienda.
Esta situación generó fuertes reclamos por parte de los ganaderos, quienes señalan que venden sus animales a menor precio que sus colegas de los países vecinos, a pesar de que Uruguay tiene una posición de privilegio en los mercados cárnicos internacionales.
La situación climático–forrajera adversa obliga a los productores a desprenderse de sus ganados, con poca capacidad de negociación frente a la industria.
De ahí que la exportación de ganado en pie sin cortapisas sea reivindicada como una herramienta imprescindible para atenuar esa asimetría.
De todas formas, este escenario está cambiando: en las primeras semanas de enero la oferta ha caído y los precios del ganado están subiendo nuevamente.
Otro punto interesante: la abultada extracción de vacas indica que los mercados externos demandan ese tipo de producto (o por lo menos no lo rechazan), que para la industria tiene menor costo que el novillo y que tiene baja colocación en el mercado interno.
Pero, como es lógico, la demanda de vacas ha llevado a que su precio aumente y esté próximo al del novillo: apenas 5% en menos es la diferencia en estos últimos meses, cuando la brecha en 2009 era de 10% y en 2008 de 18%, entre ambas categorías.
Finalmente, dos condicionantes del marco general: el atraso cambiario sigue estrangulando a los sectores exportadores, aunque en la carne el incremento de los precios en los mercados internacionales ha conseguido disimular en parte la gravedad del fenómeno.
Por añadidura, el elevado costo-país, potenciado por el bajo tipo de cambio, afecta sobre todo a los procesos de agregado de valor industrial e impacta en toda la cadena.

FONTE: EL PAÍS

ATENÇÃO


ARGENTINA - MERCADO BOVINO

Esta semana se vendieron 21.000 cabezas en Liniers
Se trata de una cifra apenas superior a la registrada la semana anterior cuando se comercializaron 20.484 animales en la plaza porteña. Los precios de las principales categorías de hacienda cerraron sin cambios con respecto a la jornada previa.

  • Esta semana se vendieron 21.000 cabezas en Liniers

En la jornada de hoy viernes se comercializaron 6284 cabezas en el Mercado de Liniers, una cifra superior a la registrada el mismo día de la semana pasada cuando se vendieron 5298 animales.
En tanto, en el transcurso de la presente semana se registró un total de ventas por 20.997 animales en la plaza porteña, mientras que la semana anterior se vendieron 20.484 ejemplares.
La categoría con mayor volumen de operaciones hoy fue el ternero con 1729 ejemplares comercializados registrando un precio promedio de 8,53 $/kg (al igual que el miércoles pasado) y un máximo de 9,40 $/kg (el mismo precio que en la jornada previa).
La vaca conserva buena (292 cabezas) registró un valor medio de 4,17 $/kg (4,38 $/kg), mientras que la vaca conserva inferior (111 cabezas) se negoció a 4,22 $/kg (4,07 $/kg).
En lo que respecta a la hacienda liviana, los novillitos buenos de 351/390 kilos (462 cabezas) registraron un precio promedio de 8,04 $/kg (8,18 $/kg) y un tope de 9,09 $/kg (9,20 $/kg). Mientras que los novillitos buenos de 391/430 kilos (545 cabezas) recibieron un valor medio de 7,95 $/kg (7,92 $/kg) con un máximo de 8,60 $/kg (8,89 $/kg).
Por su parte, la vaca buena (997 cabezas) recibió un precio promedio de 5,95 $/kg (el mismo precio que el miércoles) alcanzando un tope de 7,50 $/kg (7,30 $/kg).

FONTE: INFOCAMPO
CAMBIO: R$ 1,00(REAL) = $ 2,396 (PESOS ARGENTINOS)

ATENÇÃO


CARNES: SP APRESENTA PREÇOS ESTÁVEIS E DEMANDA FRACA PARA BOI-SINDIFRIO

SAFRAS - Em razão do elevado preço da arroba do boi gordo que ocorreu no final do ano de 2010 em São Paulo, os pecuaristas venderam animais não totalmente prontos para o abate. A consequência disso é a falta desses animais para este ano. Por outro lado, a queda de braço entre os frigoríficos e pecuaristas, está surtindo relativo efeito, pois, se de um lado a retração nos preços não é acentuada, de outro os reajustes não são significativos. Resumindo os preços estão estáveis. Em síntese, a demanda do mercado consumidor é fraca e as escalas médias dos frigoríficos estão situadas entre 5 a 7 dias, logo operam com relativa folga que permite a continuidade da pressão baixista.

MERCADO DA CARNE O movimento no mercado atacadista é relativamente forte, mas não o suficiente para elevação significativa dos preços permanecendo em níveis estáveis. A demanda do mercado consumidor situa-se abaixo da expectativa do mercado, refletindo instabilidade e irregularidade. A tendência futura é de estabilidade nos preços, com pequena tendência de baixa face à provável aumento de oferta de bovinos para abates. O mercado está abastecido. As informações partem do boletim semanal divulgado pelo Sindifrio. (CBL)

FONTE: SITE DA CARNE

Ibama impede exportação de 17 mil bois do Pará para o Egito

Cerca de 17 mil cabeças de gado que seriam exportadas vivas para o Egito aguardam, em quatro fazendas nos arredores do porto de Barcarena, no Pará, a comprovação de que não foram criadas em áreas ilegalmente desmatadas.
O Ibama impediu a exportação nesta sexta-feira (4) e solicitou que a empresa proprietária do gado apresentasse documentação comprovando que os animais não estavam em terreno embargado pelo órgão ambiental.
De acordo com o instituto, no entanto, a empresa agropecuária embargada, até o momento, apresentou apenas os documentos da área de confinamento próxima ao porto de Barcarena, que não é onde os animais foram criados.
Desde 2009, após denúncia do Ministério Público Federal e da organização Greenpeace mostrando que a pecuária vinha induzindo o desmatamento na floresta amazônica, o controle sobre as áreas onde o gado é criado tem aumentado no Pará.

Fonte: Globo Natureza

Abram alas para o Brazilian Hereford e Braford

Uma associação com mais de 50 anos de história, pioneira nos testes de avaliação de ganho de peso a campo, na exigência de peso mínimo para as novilhas entrarem em acasalamento, nos exames andrológicos para efetuar os registros genealógicos, que se manteve na vanguarda do desenvolvimento da qualidade da pecuária brasileira através de programas de certificação como o Carne Pampa.
Com um currículo desses, não é de surpreender que a Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) esteja entre as primeiras entidades a colocar em prática um plano de desenvolvimento e divulgação da pecuária brasileira voltado para o mercado externo.
O Brazilian Hereford & Braford (BHB) é o programa da associação que está realizando ações junto à Rússia, Bolívia e Colômbia – por enquanto – para conquistar novos mercados e novos criadores. No ano passado, a ABHB foi até a Colômbia e ajudou a fundar a ASO Hereford, que é a associação colombiana de criadores da raça. No mesmo ano, uma fazenda gaúcha fechou a venda de 300 embriões por ano até 2014, além de um touro e 25 fêmeas para uma fazenda na Bolívia. Também em 2010, um grupo de empresários e criadores brasileiros esteve na Rússia, onde realizou uma série de contatos e concretizou a exportação de 500 embriões para aquele país.
Acreditando na qualidade da carne, o programa se desenvolve e começa o ano com força em 2011. Depois da visita da comitiva russa em janeiro, nessa semana um grupo de empresários, criadores e jornalistas colombianos e bolivianos esteve no Rio Grande do Sul percorrendo as fazendas e empresas que participam do programa BHB. Além de conhecerem as instalações, realizarem negócios e ouvirem palestras técnicas, os estrangeiros puderam comprovar o profissionalismo que a pecuária brasileira é capaz de oferecer através da visita a um frigorífico exportador da região central do estado gaúcho.
Esse é futuro que esperamos para a criação de gado brasileira. E vocês ainda vão ouvir falar muito no BHB neste ano.
Por hora me despeço porque saio de férias, mas em março estou de volta com muitas novidades.
Até lá.

FONTE: CLIC RBS

Fronteira de Mato Grosso do Sul é reconhecida como livre de aftosa

A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) considerou eficiente o trabalho desenvolvido pelos técnicos do Ministério da Agricultura e do órgão estadual nas regiões de fronteira com Paraguai e Bolívia
A Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), por meio da Comissão Científica, reconheceu nesta sexta-feira, 4 de fevereiro, a Zona de Alta Vigilância (ZAV) de Mato Grosso do Sul como livre de febre aftosa com vacinação. Com isso, todo o estado passa a ter essa classificação. A decisão foi comunicada ao secretário de Defesa Agropecuária, Francisco Jardim, pelo diretor-geral da OIE, Bernard Vallat. “Trata-se do reconhecimento do trabalho desenvolvido pelos técnicos do Ministério da Agricultura e dos fiscais da Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal”, explica o diretor de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques.
Entre as medidas que contribuíram para o reconhecimento da OIE, o secretário de Defesa Agropecuária, Francisco Jardim, destaca o controle efetivo do trânsito dos animais, a vigilância intensiva, a identificação individual do rebanho e a vacinação oficial, que contou com a fiscalização dos técnicos estaduais e do governo federal. “Essa iniciativa vai contribuir para conquistarmos mercados importantes que veem como requisito o estado inteiro estar livre da doença com vacinação”, enfatiza Jardim.
Em 2001, o Mato Grosso do Sul tinha alcançado o status de livre de febre aftosa com vacinação pela OIE. Mas, com o surgimento de um foco da doença, em 2005, o organismo internacional decidiu suspender esse reconhecimento. Em 2008, parte do estado retornou à condição de área livre com vacinação, exceto a Zona de Alta Vigilância (ZAV), que foi implantada na época. Após ações intensivas na região, em agosto de 2010, o Ministério da Agricultura encaminhou o pedido do restituição do status.
A Zona de Alta Vigilância é composta por 13 municípios: Antônio João, Aral Moreira, Bela Vista, Caracol, Coronel Sapucaia, Corumbá, Japorã, Ladário, Mundo Novo, Paranhos, Ponta Porá, Porto Murtinho e Sete Quedas. Essas cidades fazem fronteira com o Paraguai e a Bolívia. Nessa região, são criados cerca 800 mil bovinos e búfalos.

FONTE: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento
Autor: Kelly Beltrão

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Janeiro: o ano começou com intensa queda de braço

Podemos dizer que o primeiro mês de 2011 foi marcado por uma intensa queda de braço entre pecuaristas e frigoríficos. O resultado disto está expresso no gráfico abaixo, que evidência uma grande oscilação nos preços da arroba.
Gráfico 1. Indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo a prazo



No mês de janeiro o indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo a prazo acumulou valorização de 0,16%, terminando o mês com média de R$ 104,37/@ - este valor é 1,56% menor do que á media do mês de dezembro, que ficou em R$ 106,02/@. Com a chegada das chuvas era esperado um aumento de oferta, mas que até o momento não aconteceu de maneira considerável.
Tabela 1. Principais indicadores



A partir da segunda quinzena do mês os frigoríficos intensificaram as pressões de baixa sobre o preço da arroba, alegando fraqueza no mercado da carne e se mostrando pouco atraídos pelas compras e pelos preços mais altos, esperados pelos pecuaristas. Os compradores paulistas estão tentando comprar animais abaixo dos R$ 100,00/@, mas parecem não estar tendo sucesso nestas investidas e o volume de negócios neste patamares foi pequeno. Em resumo foi assim que o mercado trabalhou durante praticamente todo mês de janeiro, em ritmo lento.
Agentes do mercado comentam que os grandes frigoríficos paulistas estão se abastecendo em Estados vizinhos para conseguir completar as escalas de abate, e no MS, compradores reportam negócios em torno dos R$ 95,00/@ à vista.
Gustavo Figueiredo comentou, via Twitter, que nesta semana foram confirmadas em São Paulo vendas de lotes de boi gordo a R$ 104,00 no prazo, para embarque imediato, e que a escala nos frigoríficos pequenos está bastante curta. Ele ressalta que os frigoríficos grandes reduziram abate em 20% e as programações de abate são feitas com 99,9% de bois vindo de outros Estados e faz a seguinte pergunta: "Qual a saída dos frigoríficos que precisam de boi para morrer quinta-feira?"
Caio Junqueira Neto, ironizou comentando: "Além de rezar?". "Uma dica para os frigoríficos vocês precisam do boi não é? Pois então, comprem o boi e trabalhem para abrir mercado", completou.
"O que estou sentindo no mercado do boi é que o boi de R$ 95,00, à vista, no MS tá acabando", opinou André Villela.
Para Gustavo Garcia, "a mercadoria boi gordo já não acha com fartura faz tempo. Quero ver se essa moda de dividir capão e inteiro pegar".
Eduardo Lund comentou que esta semana foram negociados lotes de vaca gorda em Pelotas/RS por R$ 6,50. "Dono de frigorífico pequeno aqui na região de Pelotas, disse ontem que esta semana começaram chegar carretas com carne, aí de cima a R$ 6,30" informou Lund.
Como está o mercado na sua região? Utilize o formulário para troca de informações sobre o mercado do boi gordo e reposição informando preços e o que está acontecendo no mercado de sua região.
Durante o mês passado o mercado da carne enfraqueceu, em vista das férias escolares, como já era esperado. Assim os frigoríficos encontraram certa dificuldade para escoar a produção e foram fortemente pressionados pelo varejo. Dessa forma a indústria se viu em uma situação complicada, segundo fonte consultada pelo BeefPoint, pois está com problemas para conseguir comprar a matéria-prima no preço pretendido, devido a baixa oferta, e do outro lado foi obrigada a vender sua carne a preços menores.
No atacado paulista, o equivalente físico fechou o mês a R$ 96,21/@, acumulando desvalorização de 2,84% em janeiro. Segundo o Boletim Intercarnes, neste final de mês, a procura melhorou, mas com relação a preços o mercado segue indefinido e a oferta é apenas regular. A tendência para os próximos dias é que ocorra alguma pressão de alta, já que a procura tende a melhorar no decorrer do próximo mês.
Mercado futuro
Na BM&FBovespa, todos os vencimentos de boi gordo negociados acumularam alta durante janeiro. No início da semana, o leitor do BeefPoint, Pedro Miranda, chamou a atenção para os contratos de fevereiro/11 e outubro/11 que estão com valores muito próximos, diferente do que acontece historicamente para os preços da safra e entressafra. TEXTOO que vai acontecer com os preços da arroba em 2011? http://www.beefpoint.com.br/o-que-vai-acontecer-com-os-precos-da-arroba-em-2011_noticia_69143_15_166_.aspx
Gráfico 2. Contratos futuros de boi gordo na BM&FBovespa para vencimento em fevereiro/11 e outubro/11



Reposição
No último dia útil de janeiro de 2011, o indicador Esalq/BM&FBovespa bezerro MS à vista foi cotado a R$ 703,01/cabeça, acumulando variação negativa de 1,29% durante o mês. A relação de torca melhorou e terminou o mês com o valor médio de 1:2,43.
A retração nos preços da arroba provocou uma piora no valor da margem bruta na reposição - valor que sobra da operação de venda de um boi gordo de 16,5@ e compra de um bezerro desmamado e que será usado para investimentos, pagamento de contas e salários e lucro -, que na média do mês ficou em R$ 1.001,84. Este valor é 2,12% inferior ao apurado durante dezembro.
Apesar da piora em relação aos último meses de 2010, este indicador está entre os mais altos dos últimos anos, evidenciando que o momento é bom para a reposição do rebanho.
Gráfico 3. Relação de troca x margem bruta na reposição



Exportação
Segundo os dados preliminares do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, TEXTOno mês passado os exportadores brasileiros enviaram ao exterior 51.800 toneladas de carne bovina in naturahttp://www.beefpoint.com.br/exportacoes-de-carne-bovina-recuam-em-janeiro_noticia_69327_15_166_.aspx. Estas operações foram responsáveis por uma receita de US$ 250,6 milhões.
Se compararmos os dados de janeiro com os valores apurados em dezembro passado temos que a receita registrou uma retração de 12,15% e o volume embarcado recuou 11,57%. o Preço médio da carne bovina in natura exportada também recuou, ficando em US$ 4.838/tonelada.
Tabela 2. Exportações brasileiras de carne bovina in natura


Gráfico 4. Exportações brasileiras de carne bovina in natura



FONTE: BEEFPOINT

Carne Bovina: Seca provoca redução de animais para abate no RS

O clima desfavorável com poucas precipitações na campanha e Zona Sul do Rio Grande do Sul segue prejudicando o desempenho da bovinocultura de corte e provocando uma redução na oferta de animais para o abate. O gado segue perdendo peso, e o estado geral dos animais está sendo considerado razoável nos municípios mais castigados pela estiagem.
Projeta-se uma redução do número de nascimentos para próxima primavera, devido à visível diminuição da ocorrência cio nas fêmeas e ao baixo índice de prenhez que está sendo observado. Para complicar a situação, aumentou a incidência de carrapatos e moscas do chifre, o que termina
acarretando um maior debilidade dos animais.
Nos municípios onde a falta da água está mais acentuada, os criadores seguem tendo dificuldades para dessedentar os animais. A solução continua sendo o fornecimento de água através de caminhões-pipa, principalmente para as propriedades com um menor infraestrutura de reservação.
Caso a situação não se altere nos próximos períodos, o quadro, que já é grave nos municípios mais afetados, tende a alastrar-se para os demais, devido à ampliação do déficit hídrico, que já está bastante baixo. Já nas demais regiões do Estado, em que pese alguns casos pontuais de má
distribuição e baixa precipitação, a situação é considerada satisfatória e normal.
O desenvolvimento das pastagens está bom, o que tem refletido em um adequado desempenho da atividade. A condição corporal dos animais é boa e o desempenho reprodutivo, satisfatório. Nestas regiões, o índice de ganho de peso segue dentro do esperado para o período. O levantamento de preços realizado nas principais praças de comercialização indica que o preço médio do produto continua apresentando uma tendência de elevação, decorrente da menor oferta de animais para a bate na principal região de criação.
A vaca gorda passou de R$ 2,82 para R$ 2,84 o kg vivo, aumento de 0,71% no período. O boi gordo também teve aumento no seu preço médio de comercialização, passando de R$ 3,18 para R$ 3,19 o kg vivo, aumento de 0,31% no período.

Fonte: Emater/RS

Boi Gordo: Oferta de animais terminados está pequena

A oferta de animais terminados está pequena.
Com o ligeiro aumento nas vendas de carne, muitas indústrias tiveram que pagar mais para manter as escalas, frente a um mercado um pouco mais demandado.
Em São Paulo as escalas atendem entre 3 e 4 dias na maior parte das vezes, sendo que para comprar gado do próprio estado, o preço é de R$101,00/@, à vista, livre do funrural, pelo menos. Para comprar lotes maiores, mais próximos e de melhor qualidade, os produtores pedem negócios diferenciados.
As ofertas de compra abaixo de R$100,00/@, nas mesmas condições, travam o mercado e quem mantém os preços neste patamar, busca oferta de outros estados, como Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás.
Tanto que esta semana o preço do boi no Mato Grosso do Sul subiu e hoje houve aumento na cotação no Sul de Goiás. Existe pressão para aumento do preço em Goiânia e no Triângulo Mineiro, dada a forte concorrência.
O boi subiu em Alagoas e hoje é o mais caro do Brasil, cotado em R$105,00/@, a prazo, livre do funrural. A forte seca do estado diminuiu a oferta e forçou a alta.
No mercado atacadista de carne bovina os negócios estão fluindo melhor e o mercado está firme.

Clique aqui e confira as cotações do boi.

Fonte: Scot Consultoria

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

ANÁLISE BOVINOCULTURA

JOSÈ VICENTE FERRAZ ESPECIAL PARA A FOLHA
A bovinocultura de corte na Argentina passa por um momento crítico. Segundo a ONCCA (Oficina Nacional de Controle Comercial Agropecuário), os abates de bovinos em 2010 recuaram em 11,8 milhões de cabeças, ou 26,6%, em relação a 2009. Em razão dessa forte redução dos abates e, por consequência, da produção -levemente compensada pelo aumento do peso médio das carcaças dos animais abatidos-, as exportações despencaram em mais de 50% e o consumo per capita caiu nada menos que 17%, registrando a menor marca dos últimos dez anos. é fato que parte desse verdadeiro desastre deriva de uma seca de proporções catastróficas que atingiu o país vizinho no segundo semestre de 2009 e que foi considerada a mais devastadora dos últimos 50 anos, ao causar uma elevação brutal nas taxas de mortalidade dos animais e também incentivar o abate prematuro de bovinos. Seguramente, entretanto, existe outro componente relevante desse quadro: uma política intervenci- onista que se mostra um grande equívoco. Já faz um bom tempo que o governo argentino, preocupado com as pressões inflacionárias decorrentes da alta dos preços dos alimentos (um fenômeno mundial), criou mecanismos explícitos ou disfarçados para limitar as exportações e, dessa forma, ampliar a oferta no mercado interno. A restrição aos embar- ques provocou um "des- colamento" dos preços internos das cotações no mer- cado internacional. O resultado dessa política foi muito negativo para toda a cadeia produtiva da carne bovina argentina. Os produtores perderam rentabilidade na pecuária, o que vem incentivando-os a procurar alternativas mais rentáveis, o que normal- mente acontece com a agricultura de grãos. Dessa forma, no país vizinho a pecuária bovina está sendo deslocada para ter- ras menos nobres, além de, em muitos casos, simplesmente encolher. A indústria frigorífica, inclusive com a participação importante de empresas brasileiras, foi duramente atingida pela redução de oferta de animais para abater, o que resultou em elevada capacidade ociosa. é evidente que os estragos diretamente causados pela seca serão recuperados, mas muitos analistas da pecuária na Argentina temem que, se a rentabilidade dos produtores argentinos não for retomada fortemente, a ponto de incentivar novos investimentos em regiões menos favoráveis à atividade, as perdas sejam permanentes na produção de bovinos. Para o mundo e, portanto, para o Brasil, as dificulda- des de um produtor importante como a Argentina no mercado mundial de carne bovina sinalizam, no curto prazo, manutenção de preços elevados. No médio e no longo prazo, talvez a ausência da Argentina signifique a oportunidade de ocupação de um novo espaço no mercado. JOSé VICENTE FERRAZ é engenheiro agrônomo e diretor técnico da Informa Economics FNP.

Fonte: Folha de S. Paulo

Informa Economics FNP - Meat and Livestock Austrália

Os preços de bovinos no Brasil continuem a ser elevadas em 2011
preços de bovinos no Brasil devem permanecer elevados ao longo de 2011 impulsionado pela continuação da produção constante e crescente demanda interna e exportação.
Apesar de o abate total de bovinos no Brasil foi estimado para ter aumento entre 1-2% em 2010, o aumento da demanda, tanto do mercado interno e os mercados de exportação empurraram os preços mais elevados. Para o ano passado, os preços de bovinos no Brasil foi 27% maior, em EUA ¢ 168.2/kg LWT - com preços chegando a EUA ¢ 230.2/kg LWT na primeira semana de novembro.
Desde a liquidação do rebanho de 2004 a 2006, a pecuária brasileira vem tentando reconstruir números, com a retenção de fêmeas bovinas subindo. Analistas locais esperam que o maior suprimento de gado, o resultado da produção de bezerros aumentou desde 2007, começará a chegar ao mercado no final de 2011 ou início de 2012. No entanto, a demanda relativamente forte irá limitar qualquer impacto sobre os preços do aumento do preço da oferta (Informa Economics FNP).
Processadores, que tem lutado com reduzida utilização de capacidade após um período de forte expansão desde meados da década de 2000, estão novamente espera-se ter um mercado rentável e crescente competição nacional para o produto de exportação ao longo de 2011. Concorrência da carne de aves e suínos não é esperado um aumento significativo no mercado interno em 2011, com os preços ea produção deve vir sob a pressão dos preços dos grãos subindo.

Fonte: Meat and Livestock Austrália

BOI GORDO – Lygia Pimentel

Tem gato escondido nesse mato?
Chove. Chove bem nas principais praças pecuárias brasileiras, ou seja, no Brasil Central. E os pastos estão verdes (com algumas exceções).
Já estamos em plena safra, ou seja, quando a terminação do gado na pastagem flui naturalmente, sem grandes custos com suplementação.
Historicamente, o boi alcança preços mais altos na entressafra, mesmo que na safra eles subam. É o que se observa no gráfico 1.


Olhando para o mercado futuro, percebe-se que o pessoal anda meio pessimista em relação à arroba, ou seja, a curva dos futuros quantifica uma queda para a entressafra, ou valores muito próximos em relação aos vigentes neste momento, período de safra. Observe o gráfico 2.






Mesmo com pastos melhores, não há melhora do quadro instalado e, com isso, a oferta de animais para o abate continua sistemicamente curta em grande parte das regiões pecuárias.
Isso poderia significar que os preços deveriam subir mais?
Bem, o consumidor já parece cansado dos altos preços registrados no varejo, o que acabou diminuindo um pouco o apetite pela carne bovina. Seu preço vinha contribuindo com os exageros nos índices de inflação.
Na verdade o consumo esfriou, mas não fez os preços caírem. Os motivos são a pequena oferta de animais e a alta ociosidade com que a indústria frigorífica trabalha hoje. A queda de preço das proteínas alternativas, como frango e suíno, também prejudica a competitividade da carne bovina.
Outro fato interessante é que existem boas notícias vindas do mercado internacional, especialmente da União Europeia. As vendas estão firmes e os preços em alta. Isso pode ajudar a enxugar um pouco a carne aqui dentro.
Pode-se dizer que há um delicado equilíbrio neste momento. Uma oferta maior ou uma demanda mais aquecida poderia fazer a balança pesar para um dos lados facilmente.
Mas voltando ao início do raciocínio, é período de safra e o boi está na casa dos R$102,00/@ à vista.
Olhando para os futuros, o boi para outubro de 2011 está na casa dos R$103,00/@. Se os futuros estiverem certos, a oferta de animais deverá se manter igual na entressafra ou o volume de animais confinados deverá suprir bem a demanda da indústria.
Será que as apostas para o mercado futuro estão certas? O preço do boi magro deverá cair de maneira considerável para estimular o confinador substancialmente? Além dos preços do boi, os custos das dietas estão atrativos para um substancial aumento no número de animais confinados? O consumo dá sinais de queda? As exportações deverão remunerar menos em 2011?
O desfecho do comportamento do mercado será conhecido apenas no decorrer do segundo semestre. No entanto, as decisões para contratos de hedge, planejamento da produção ou apostas no mercado futuro deverão, necessariamente, pesar todas as variáveis descritas anteriormente.
Analisando de acordo com o comportamento do produtor, cujas decisões se baseiam em parâmetros conhecidos, o preço de R$103,00 para outubro não parece lá muito animador.

FONTE: www.agroblog.com.br - Autor Lygia Pimentel

Análise de Mercado do Boi Gordo

Indicador Esalq continua resistindo acima dos cem reais
Mais uma vez o mercado do boi gordo reage com preços mais firmes em função da dificuldade de ofertas de animais e, um movimento maior de compras de carne por parte dos consumidores.
As pastagens foram muitos prejudicadas em 2010 e como nesta época do ano, os animais são provenientes basicamente de pastagem, a oferta se restringe.
Os lotes ofertados continuam sendo pequenos em Goiás, raros são os lotes mais numerosos. Isto se deve a vários motivos: um é que realmente a menor oferta de animais gordos, outra é que os produtores podem ter mudado a forma de comercializar, sendo mais precavidos, quando muitos se tornaram credores de frigoríficos que entraram em recuperação judicial e agora, negociando lotes menores e à vista.
As exportações de carne suína, ainda não deslancharam em Janeiro/11.
O Indicador de Preço Disponível do Boi Gordo Esalq/BM&FBOVESPA - Estado de São Paulo ficou cotado a R$ 102,85/ arroba à vista e R$ 104,63 à prazo, 0,1% e -0,2% de variações comparando estes preços com os de há uma semana. A resistência dos preços acima dos cem reais continua e isso tem motivado pecuaristas.
Os preços futuros seguiram com oscilações positivas em todos os meses e tal comportamento pode favorecer positivamente nas decisões dos pecuaristas, em relação ao número de animais confinados.

MERCADO FUTURO BM&F/BOVESPA – 01/02/2011

Vencimentos

Preço de Fechamento (R$/@)

Variação (%)

Diária

Preços para Goiás*

Fevereiro/11

102,98

0,97

98,98

Março/11

100,35

0,98

96,35

Abril/11

98,75

1,30

94,75

Maio/11

97,10

1,42

93,10

Junho/11

97,40

1,43

93,40

Julho/11

99,39

1,45

95,39

Agosto/11

101,99

1,48

97,99

Setembro/11

103,11

1,51

99,11

Outubro/11

103,99

1,54

99,99

Novembro/11

103,70

1,54

99,70

Dezembro/11

101,15

1,54

97,15


* Considera-se os preços de Goiás a partir de uma diferença de preços histórica de R$ 4,00/@, com o preço médio de São Paulo. Esta diferença pode em alguns momentos variar a mais ou a menos e, não equivaler ao preço de mercado atual, que sofre várias influências.
A análise da arroba do boi é produzida pela Gerência de Estudos Técnicos e Econômicos da Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg).
Gerente de Estudos Técnicos e Econômicos: Edson Alves Novaes
Autor do artigo e responsável técnico: Christiane de Paula Rossi

FONTE: FAEG - Federação da Agricultura do Estado de Goiás

Boi: Carne recua menos de 1% de dezembro para janeiro

A oferta baixa em relação à demanda segue fundamentando o mercado de boi gordo, conforme pesquisadores do Cepea. A média do Indicador ESALQ/BM&FBovespa foi de R$ 103,07 no primeiro mês deste ano, apenas 1,74% abaixo dos R$ 104,90 de dezembro. Quanto à carne no atacado da Grande SP, a redução foi de 0,94%, com a média passando de R$ 6,40/kg para R$ 6,34/kg. Vale notar ainda que essa relativa sustentação ocorre em patamares altos para a série Cepea.

FONTE: CEPEA

Exportações de carne bovina recuam em janeiro

O primeiro mês de 2011 registrou saldo positivo de US$ 424 milhões na balança comercial brasileira, com média diária de US$ 20,2 milhões. Nos 21 dias úteis do período, a corrente de comércio (soma das exportações e importações) foi de US$ 30,006 bilhões, com média de US$ 1,428 bilhão por dia útil. Neste resultado, houve crescimento de 25,4% em relação à média de janeiro do ano passado (US$ 1,139 bilhão) e retração de 9,9% na comparação com dezembro último (média de US$ 1,585 bilhão).
As exportações em janeiro foram de US$ 15,215 bilhões, com média diária de US$ 724,5 milhões. Por este comparativo, o valor é 28,2% superior à média de US$ 565,3 milhões do mês de janeiro de 2010 e 20,3% menor que a de dezembro passado (US$ 909,5 milhões).
Carne bovina in natura
Segundo os dados preliminares do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, no mês passado os exportadores brasileiros enviaram ao exterior 51.800 toneladas de carne bovina in natura. Estas operações foram responsáveis por uma receita de US$ 250,6 milhões.
Se compararmos os dados de janeiro com os valores apurados em dezembro passado temos que a receita registrou uma retração de 12,15% e o volume embarcado recuou 11,57%. o Preço médio da carne bovina in natura exportada também recuou, ficando em US$ 4.838/tonelada.
Tabela 1. Exportações brasileiras de carne bovina in natura


Gráfico 1. Exportações brasileiras de carne bovina in natura



Gráfico 2. Preço médio da carne bovina in natura,/i> exportada


FONTE: BEEFPOINT

Diferença entre o preço do boi e da vaca aumenta

O ágio do preço do boi sobre o da vaca está em 10,3% no Mato Grosso do Sul.
Isto está ocorrendo porque a disponibilidade de fêmeas na região é maior, o que segura as cotações das fêmeas. Veja a figura 1.


A valorização dos machos ocorrida esta semana não foi acompanhada por valorização das fêmeas.
Este diferencial tende a ser maior no início do ano, quando aumenta a oferta de fêmeas de descarte da estação de monta, o que desvaloriza a categoria.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Gado em pé: australianos buscam melhorar bem-estar

A indústria de exportação de gado em pé da Austrália pretende fazer melhorias na questão de bem-estar animal em seu maior mercado de exportação, a Indonésia. Esse anúncio foi feito após um estudo independente, feito pela Live Trade Animal Welfare Partnership com o Governo australiano, ter sido divulgado.
A equipe, liderada pelo professor emérito em Ciência Veterinária da Universidade Melbourne, Ivan Caple, conduziu um estudo independente sobre as condições de bem-estar animal para o gado na Indonésia do ponto de chegada da Austrália ao abate. Foram avaliadas 17 estabelecimentos da Indonésia para classificar a efetividade dos programas de bem-estar animal da indústria.
O bem-estar do gado australiano na Indonésia estava, de forma geral, bom, informou o estudo. No entanto, foram feitas recomendações para melhorias nesse ponto. A indústria já implementou ou vai implementar essas melhorias que incluem: melhora nos materiais de treinamento no local de abate e extensão da competência dos encarregados pelos animais através de programas de treinamento, revisão e suporte; estímulo à adoção do stunning (atordoamento do animal) no abate de bovinos australianos; estruturação de diretrizes de manejo para garantir que o longo período de transporte forneça tempo suficiente de descanso para os animais; mais programas de manejo dos estabelecimentos de engorda para expandir o suporte técnico fornecido pelos confinadores da Indonésia.
A indústria de exportação da Austrália está comprometida a fazer essas melhorias na Indonésia e apoia totalmente todas as recomendações feitas pela equipe de especialistas, disse o diretor executivo da LiveCorp., Cameron Hall.
"Estamos satisfeitos que o estudo reconheceu os bons padrões de bem estar animal na Indonésia para o gado australiano", disse Hall. "Muitas das áreas que requerem mais melhoras serão mais eficientemente resolvidas estendendo ou modificando programas que já são feitos pelo Meat and Livestock Australia (MLA) e pela LiveCorp., com o suporte dos governo da Indonésia e da Austrália".
"A indústria tem há muito tempo reconhecido a importância de melhorar o bem-estar dos bovinos australianos na Indonésia, particularmente no ponto de processamento, e isso é refletido claramente em nosso plano de ação e nossos investimentos anuais de mais de A$ 1 milhão (US$ 993,34 mil) em bem-estar animal na Indonésia. A Indonésia é o maior e mais importante mercado de exportação de gado em pé da Austrália e é o principal mercado para os produtores de bovinos do norte da Austrália. Garantir melhoras no bem-estar animal é crítico para a sustentabilidade de longo prazo do comércio e contínuas melhoras no bem-estar animal na Indonésia é a maior prioridade da indústria de exportação de gado".

Em 01/02/11:
1 Dólar Australiano = US$ 0,99334
1,00649 Dólar Australiano = US$ 1 (Fonte: Oanda.com)

FONTE: MeatPoultry.com, traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

Boi: Arroba tem tendência de alta no mercado estadual

O preço da arroba do boi gordo deve subir no segundo trimestre deste ano em Mato Grosso. Ainda não há uma estimativa de quanto será a majoração, resultado do longo período de estiagem no ano passado, associado à proliferação de pragas nas pastagens, o que prejudicará a oferta de pasto para os animais entre os meses de maio e agosto.
"Sem estoque de pasto, pode faltar boi gordo no mercado", explica o diretor de Relações da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso (Famato), Rogério Romanini. Segundo ele, com a demanda aquecida pela carne, os preços devem apresentar alta. "Este problema tem sido relatado por produtores de todas as regiões de Mato Grosso". Além disso, ele diz que a alternativa do pecuarista é investir em rações e outros tipos de alimentos para o gado.
De acordo com Romanini, atualmente o preço da arroba do boi disponível no mercado é de R$ 93 em Mato Grosso. A cotação para vaca chega a R$ 83/arroba. Ele ressalta que a escala para abate está em 10 dias. Conforme o representante da Famato, o Estado tem abatido mais fêmeas. "O boi demora mais para engordar em relação a fêmea", explica. Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) apontam que em 2010 foram abatidos 2,852 milhões de animais, ante a 2,684 milhões registrado em 2009.

Fonte: A Gazeta

Escalas curtas indicam pouca oferta

Os frigoríficos em São Paulo têm trabalhado com uma programação de abate em torno de 3 ou 4 dias nas últimas semanas.
A oferta pequena de animais terminados, a resistência para o aumento das cotações e as incertezas com relação ao comportamento do mercado fizeram com que as escalas de abate no estado diminuíssem nos últimos meses.
Desde novembro, quando houve o aumento da oferta e os preços recuaram, as programações médias de abate vêm diminuindo, conforme pode ser observado na figura 1.


Observe que atualmente as escalas estão entre as mais curtas desde 2007, indicando que realmente existe pouca disponibilidade de animais para o abate.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Inflação na pecuária

Reprodução permitida desde que citada a fonte

Esta semana vamos falar de inflação. Melhor dizendo, vamos falar do impacto da inflação na atividade pecuária. Para isso vamos colocar três gráficos — a inflação propriamente dita, o valor da arroba comparado com a inflação e o que acontece quando a gente coloca os custos de produção em cima disso.
Qual a razão de olharmos a inflação na nossa atividade? Pelo mesmo motivo que qualquer um olha a inflação, caro leitor. Ela corrói o poder de compra da moeda. Uma atividade sem inflação é como um lago. Você consegue atravessar com facilidade a nado. Uma atividade onde a inflação é presente seria como navegar em um rio contra a correnteza.
Colocado de outra forma, pense no que você hoje compraria com mil reais. Pensou? Pois em 1994, você gastaria não mais que quatrocentos reais para comprar as mesmas coisas. Esses seiscentos reais, para onde foi? Evaporou. Isso é inflação.
Da mesma forma, ao longo do tempo a arroba do boi tem que subir para manter o poder de compra do produtor. Mas vamos ser justos aqui, isso não é exclusividade da pecuária. Essa eterna luta entre preço de venda e inflação ocorre em todas as atividades.
Mas existe uma diferença. A atividade agropecuária não tem o poder de colocar preço no seu produto, sendo sujeito às variações da oferta de todos os produtores tudo ao mesmo tempo. Ou você acha que só você produz boi gordo? Vaca gorda? Tem uma pá de gente que faz isso também, todos vendendo os mesmos tipos de animais mais ou menos nas mesmas épocas do ano. É por isso que nenhum produtor tem como botar o seu preço. O mercado é de um produto que não é diferenciado. Não tem marca. Soja, milho, cobre, alumínio, petróleo, possuem um comportamento parecido no sentido de todos serem commodities.
(Existem produtores que conseguem agregar valor ao seu animal e vendê-lo melhor, com ágio, para o frigorífico. Mas esse é um mercado proporcionalmente pequeno e permanecerá pequeno, sempre, para compensar os custos mais altos de produção. É só pensar na quantidade de motos que a BMW vende — 98 mil — em contrapartida da quantidade total de Hondas que são vendidas no Brasil — 1,4 milhão).
Então, a arroba tem que subir para acompanhar a inflação. Mas quando a gente fala de inflação, estamos falando do que, na realidade? Observe o gráfico abaixo.


Estamos falando de uma alta de 160% desde 1994. Isso deu uma inflação média de aproximadamente 0,81% ao mês desde então. Ou uma inflação de 9,72% ao ano. Entende a razão da arroba ter que subir? Se ela não subir a inflação toma conta.
Ah, mas a arroba sobe também e essa é uma das belezas da carne bovina. Ela é um excelente acompanhador da inflação. É só lembrar o período inflacionário da década de 80. Quer saber? É só olhar para o nosso período aqui na figura abaixo para ter o exemplo real e concreto perto de nós.


Observe a variação acumulada da arroba do boi, nessa linha vermelha sobreposta à inflação acumulada no mesmo período. Repare os períodos em que a arroba trabalhava abaixo da inflação e os períodos em que ela trabalhava próxima ou até acima, por breves momentos. Estes períodos em que a arroba trabalhava abaixo da inflação, todos eles foram momentos muito ruins para a pecuária, de baixo poder aquisitivo para o pecuarista. Os momentos em que a arroba ficava próxima da inflação foram, de um modo geral, momentos bons para a atividade. Repare que estamos passando por um desses momentos bons agora.
Tem hora que menos é mais, diz o ditado. Observe o terceiro gráfico. Esse é um desses gráficos que enquadram nesse tipo de raciocínio. Ele é o mesmo gráfico do meio, só que mostra a diferença entre a inflação e a arroba. De uma forma simples, direta a gente enxerga o estado atual da pecuária, pelo menos para um olhar amplo, contemplativo, como se estivesse enxergando lá de cima da montanha a atividade. Gosto demais deste aí. Não é à toa que é o meu principal gráfico.



Só que com o passar dos anos a gente vai aprendendo e acumulando um pouco mais de lembranças... Em 2008, no auge do preço da arroba eu olhava para esse gráfico e não gostava muito do que ele me dizia. Esqueça por um instante a alta de 2010 e lembre-se de 2008. Foi uma alta espetacular para a arroba, não foi? Foi tão boa que rompeu os picos (no 3º gráfico) anteriores de 1999 e 2002 por uma margem significativa. Impressionante!
Mas eu hesitava na comemoração... Não me sentia como se realmente o mercado estivesse em 2008 melhor que em 1999. Ou até mesmo 2002. É aí que entra um pouco das lembranças. Lembro-me da atividade em 1999 e em 2002. A sensação era que lá atrás a coisa estava melhor que em 2008, mas não sabia a razão de estar sentindo isso. O fato é que fiquei obcecado para conseguir uma forma de provar que 2008, com sua alta espetacular não estava sendo melhor para a engorda de boi do que foi 1999 e 2002.
Daí, consegui alguns os dados e cheguei ao gráfico abaixo. Esse gráfico é a paulada da inflação e dos custos de produção sobre a arroba do boi. Ele está mostrado em porcentagem, como nos anteriores, então o enxergue como a arroba tendo que brigar contra uma inflação anabolizada.


Aqui dá para ver que eu não estava louco ao sentir 2008 como um ano inferior a 1999 e 2002. De fato, foi assim mesmo, como a gente pode observar aqui. O que mudou? O que mudou caro leitor, ou melhor, o que mudaram foram os custos de produção. Subiram muito rápido logo após as altas de 1999 e 2002 e lá permaneceram. Então veja você como são as coisas no mundo das commodities.
Você até pode ter anos bons, em que você respira um pouco. Mas os custos de produção deixam essa janela aberta para você respirar por pouco tempo. Logo, logo os custos sobem e a janela se fecha.
É por isso que 2008 não foi um ano completo, mesmo com a alta que ocorreu. A arroba lá ainda não tinha conseguido “zerar” a inflação e os custos de produção. Como você pode ver isso só ocorreu de verdade agora em 2010.
Então quer dizer que estamos em um bom preço para a arroba? Sim.
Isso vai continuar?
Não seja tão malvado comigo... Como é que eu posso saber? Não tenho bola de cristal. Só consigo olhar para o que já aconteceu e tentar traçar paralelos.
Ah, mas você quer que eu fale mesmo assim? Hum... Vamos lá então.
Esses preços bons vão continuar? Não sei caro leitor. Mas aqui no texto de hoje você viu duas coisas. Inflação e custos. A inflação é importantíssima para a rentabilidade do produtor.


Atualmente a inflação está em trajetória de alta, como você pode ver no gráfico acima a somatória dos últimos 12 meses. Estamos ao redor de 10% agora. As últimas pesquisas entre os entendidos em inflação, dizem que ela deverá fechar 2011 entre 5% e 6%, ou seja, caindo desde os valores atuais. Vamos ver.
Os custos de produção seguem uma trajetória mais previsível. Não disse que depois de 1999 e 2002 os custos puxaram para cima? Você tem acompanhado recentemente as altas das matérias primas do setor de nutrição? Reparou no preço da vacina de aftosa? No vermífugo... Aliás, que sacanagem é essa de praticamente retirar do mercado os vermífugos a 1%? Só se acha 3,5%, e muito mais caro proporcionalmente.
Passamos em 2008 e em 2010 por dois momentos excelentes de preços para a arroba, fazendo a remuneração do produtor melhorar. Se lá atrás em 1999 e 2002 os custos subiram depois dessa melhora na renda, qual seria a razão dos custos não subirem agora?
Acho que você já sabe a resposta.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Brasil disputa espaço da carne argentina

Meta nacional é fazer exportações ultrapassarem novamente US$ 5 bilhões atendendo demanda que o país vizinho vem abandonando
Um dos setores do agronegócio brasileiro mais abatidos pela crise de 2008/09, a pecuária deu a volta por cima no ano passado e traça metas ambiciosas para 2011. A disparada dos preços da carne e o reaquecimento do consumo que marcaram 2010 anunciam um novo ciclo de expansão para o setor, que planeja retomar investimentos para continuar crescendo neste ano. Sem deixar de lado a demanda doméstica, os pecuaristas brasileiros miram o mercado externo e querem alcançar US$ 5 bilhões em exportação em 2011 – marca atingida em 2008, mas perdida no ano seguinte.
O momento é especialmente favorável para a retomada de mercados perdidos durante a crise, afirmam especialistas. Isso porque o Brasil seria o principal candidato a ocupar a lacuna deixada pela Argentina no mercado internacional. O país vizinho, que há seis anos era o terceiro maior fornecedor mundial de carne bovina, tem reduzido drasticamente os seus embarques nos últimos anos.

Desestimulados por políticas públicas que impõem fortes restrições às vendas externas, os argentinos viram suas exportações irem à lona no ano passado. Os dados oficiais mostram uma amarga queda de 53% no volume exportado pelo país em 2010. E o Brasil segue como maior exportador do mundo em volume, graças a um rebanho de mais de 200 milhões de cabeças, concentrado no Centro-Oeste. A expansão pode finalmente destravar as vendas externas de estados como o Paraná – que vem tentando recuperar embarques desde a crise da aftosa de 2005.

Antes da crise econômica internacional, os pecuaristas argentinos mantinham um rebanho de cerca de 50 milhões de animais. Mas a conjuntura política e uma das mais severas secas dos últimos anos – que devastou as pastagens e aumentou o abate de fêmeas – reduziram o plantel argentino de gado de corte em 10 milhões de cabeças no ano passado, conforme as entidades do setor. Como consequência, os abates caíram de 13,5 milhões em 2009 para 11 milhões em 2010. Um dos maiores consumidores de carne bovina do mundo, o país vizinho também vê a sua demanda interna minguar. O consumo per capita anual recuou de 70 quilos em 2009 para 55 quilos em 2010 e pode fechar 2011 próximo de 40 quilos. Cerca de 90% da produção de carne do país, que no ano passado somou 2,5 milhões de toneladas, são destinados ao mercado doméstico.
“O governo da Argentina deu um tiro no pé ao limitar as exportações. O país pode virar importador nos próximos anos. E o Brasil é o único país que pode ocupar esse gap. Uruguai, Paraguai, Austrália e Estados Unidos têm potencial limitado de crescimento, seja por já terem alcançado o limite de área ou de tecnologia ou por terem um mercado interno muito forte”, analisa Alex Lopes da Silva, da Scot Consultoria.

A avaliação de Silva é compartilhada, ainda que com ressalvas, pelo analista Carlos Cogo, da Cogo Consultoria Agroeco­nômica. Ele observa que o Brasil já abocanhou em 2010 parte do mercado aberto pela Argentina, mas afirma que havia espaço para um crescimento muito maior. “Se tivéssemos produzido meio milhão de toneladas a mais esse volume teria sido escoado facilmente”, declara.

As exportações brasileiras de carne bovina, que vinham crescendo desde 2004, quando ultrapassaram pela primeira vez a marca de 1 milhão de toneladas, levaram um tombo em 2008/09. Dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) mostram que 1,23 milhão de toneladas de carne bovina in natura e processada deixaram os portos brasileiros no ano passado. Em 2006, chegou-se a 1,52 milhão de toneladas.
Os preços em alta no mercado internacional amparam o faturamento d
o setor. A receita das exportações somou US$ 4,8 bilhões no ano passado, acima dos US$ 4,1 de 2009, mas ainda atrás do recorde de US$ 5,3 milhões de 2008. A meta da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) para 2011 é se aproximar do resultado de três anos atrás.

“Com a dissipação dos efeitos da crise econômica global, os resultados voltam a aparecer. Mas para crescer com segurança o setor precisa de incentivo do governo. As políticas públicas que temos hoje são incompatíveis com o status da pecuária brasileira no mercado internacional”, frisa Péricles Salazar, presidente da Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo) e do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados no Estado do Paraná (Sindicarne- PR).

FONTE: Gazeta do Povo
Autor: Luana Gomes

Variações nos preços do boi gordo em janeiro

O primeiro mês do ano não teve o aumento de oferta que se esperava.
Embora o consumo lento de carne bovina tenha mantido a pressão sobre os preços na maior parte das regiões, não foi em todas que houve recuos.
Em uma média das 31 praças pesquisadas pela Scot Consultoria, houve recuo de 1,2% nos preços do boi gordo.
O maior recuo ocorreu no Oeste do Maranhão, queda de 8,4%, seguido por Redenção-PA, onde o preço caiu 7,7%.
As cotações estão no mesmo patamar do início do ano em 7 regiões.
Também houve valorizações. As maiores foram no Rio Grande do Sul, onde a seca não permite a terminação dos animais. Em Erechim o preço do boi gordo subiu 5,4% e em Pelotas, 9,7%.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Alta na cotação do boi em pé devolve ânimo aos pecuaristas

O aumento no preço da arroba do boi de R$ 72,00 em 2008 para pouco mais de R$ 100,00 no ano passado devolveu o otimismo aos pecuaristas da região de Umuarama, uma das que mais criam gado de corte no Paraná. “Depois de passar três anos registrando prejuízos, enfim chegou a hora de lucrar um pouco”, diz Sidney Lujan, que trabalha com engorda de gado em confinamento.
Lujan recorda que a década passada foi de altos e baixos. E antes da reação do preço em 2010, foram três anos trabalhando no vermelho. Ele diz que investiu alto na estrutura para confinar a média de mil cabeças de gado ao ano e estava desanimado até o primeiro semestre do ano passado, quando teve de vender a arroba do boi a R$ 71,00. “Isso torna a atividade inviável e desestimula os investimentos.”
A situação do gado em confinamento é ainda mais delicada. No dia em que o animal atinge o peso esperado, os pecuaristas sentem-se pressionados a vender, e acabam tendo de aceitar as ofertas dos frigoríficos.
A expectativa de que o valor da arroba continue entre R$ 95,00 a R$ 100,00 reanima o setor. Muitos pecuaristas da região de Umuarama estavam migrando para o cultivo de cana-de-açúcar. “Agora ninguém mais quer saber de arrendar seus pastos”, afirma Lujan. “Mas quem trabalha com cria e recria na região está investindo em matrizes porque os preços voltaram a ser bons.”
O pecuarista João Augusto Toesca, que cria touros para reprodução, conta que o animal, antes vendido com 30 meses, agora está saindo 8 meses mais novo, um sinal de que o rebanho está em expansão. Em sua avaliação, por causa do aumento estimado em 30% nos custos, a pecuária ganha viabilidade só com a arroba de boi em pé acima de R$ 100,00.
Com rebanho no Paraná e em Mato Grosso – líder nacional na produção de bovinos, com 28 milhões de cabeças –, Toesca defende que o caminho é a profissionalização. Ele acompanha em tempo real as oscilações do mercado mundial quando tem boi para vender. “A gente demora três anos para deixar um boi pronto para o abate e não pode perder dinheiro na hora da venda.”

Fonte: Gazeta do Povo

Expectativas para o comércio internacional de carne bovina em 2011

De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, sigla em inglês), a demanda internacional por carne bovina em 2011 deverá permanecer firme, talvez acima do observado em 2010.
No entanto, a expectativa do Departamento é que nos Estados Unidos haverá menos carne para exportação.
Diante da redução da oferta, a previsão de exportação para 2011 mantém-se inalterada desde o ano passado, em um milhão de toneladas equivalente carcaça (tec).
Ainda segundo o USDA, com relação aos clientes internacionais, a demanda por carne bovina entre os parceiros comerciais asiáticos deverá permanecer aquecida em 2011, com o dólar desvalorizado e a retomada do crescimento econômico global.
Um aumento da produção no México, entretanto, pode dificultar as exportações para este país, principal comprador da carne norte-americana.
Para o Brasil, o USDA prevê a exportação de 1,81 milhão de tec em 2011.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Boi inteiro ou castrado?

É interessante como a internet e principalmente as redes sociais podem aproximar pessoas com os mesmos interesses. Claro que é muito chato quando você está conversando com alguém e essa pessoa fica o tempo todo mexendo no celular, mas esta tecnologia é uma maneira moderna e dinâmica de se manter informado e também discutir sobre os mais diversos temas.
Na semana passada assistimos a um debate muito interessante no Twitter. Boi castrado ou boi inteiro: o que é melhor?
Roberto Barcellos postou na rede de microblogs: "Boi inteiro x boi castrado. Produtor x frigorifico. Cada vez mais o consumidor influenciará nesta briga. Pode demorar, mas já tem algo no ar (.), por outro lado é bom de demore, pois não temos qualidade. Salvo alguns projetos que somados dão menos de 1% [do volume comercializado].
Leonardo Alencar comentou que realmente "já tem algo no ar, mas ainda falta conscientização! O consumo é crescente nas classes onde o fator predominante é preço".
Falando sobre produtos diferenciados e carne de qualidade, Otávio Juliato levantou a questão do porque "muitas boutiques de carne, com produtos e preços premium, não conseguem decolar". Ele concorda com Leonardo Alencar que falta conscientização. "Quem paga um preço maior, prefere o "Bife de Tira" da "casa" da moda, do que levar o bifão pra casa", completou Juliato, fazendo referência de que ainda hoje as carnes especiais e com qualidade garantida não foram encorporadas ao dia a dia da população brasileira.
Deixando um pouco de lado a questão da percepção do consumidor sobre carne de qualidade e partindo para a discussão de castrado ou inteiro, Fabiano Tito Rosa http://twitter.com/#!/fabianortr, do Minerva, comentou que hoje o boi casado capão está valendo R$ 0,50 a R$ 0,70/kg a mais que o inteiro. Em arroba equivaleria de R$ 7,5 a R$ 10,5 de plus.
Rogério Goulart, editor da Carta Pecuária fez a seguinte avaliação: "com prêmio se compraria boi melhor acabado, compraria sim", e alfinetou Fabiano Tito Rosa, do Minerva, "repassa esse ágio pro boi que castro todos os meus animais".
Segundo Fábio Dias com R$10,00/@ de prêmio dá para voltar a conversar, pois o diferencial quase repõe a queda de 12% na produtividade entre inteiro e capão. "Seria necessário um prêmio de 12 a 15% para valer a pena castrar os bois confinados. Mas temos que considerar o enorme risco de mercado. Castramos 1 ano antes do abate e se o mercado mudar?"
"A questão é que a carcaça de capão vale R$ 93,00/@ (6,20/kg). Com este preço ainda não dá margem, como premiar?", rebateu Tito Rosa.
Gustavo Figueiredo, entrou na conversa e comentou que todos sabem da superioridade da carne do capão em relação ao inteiro há tempos. "Assim a arroba deve ser paga diferenciada também. Caso contrário ninguém fará este boi".
"O rendimento é muito diferente. Todos sabemos. E falo isto, pois durante anos tentamos implementar este sistema no Bertin, mas nem os proprietários do frigorífico incentivavam a castração, sendo que os confinamentos próprios eram de animais inteiros. Sinceramente acho que nenhum dono de frigorífico tem animal castrado, salvos alguns programas do Marfrig", completou Figueiredo.
Eduardo Lund, de Pelotas/RS, trouxe mais informações comentando: "aqui no sul boi inteiro para abate nem pensar, apesar do Marfrig estar começando projetos para abates de touros".
Vale a pena castrar ou não? Deixe suas opiniões através do espaço para cartas do leitor abaixo.

FONTE: BEEFPOINT

União Européia pagou melhor pela carne brasileira em 2010

Dentre os principais compradores de carne bovina in natura do Brasil em 2010, o maior preço médio conseguido pelos exportadores brasileiros foi para a venda para a União Européia.
Segundo os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o preço médio da carne bovina in natura brasileira para a União Européia foi de US$5,9 mil por tonelada equivalente carcaça (tec), seguido do Chile (US$3,57 mil/tec), Oriente Médio (US$3,3 mil/tec) e Rússia (US$2,77 mil /tec). Veja figura 1.


Na análise destes preços é necessário levar em consideração os produtos que cada um dos mercados compra: a União Européia compra mais cortes nobres (traseiro), ao ponto que a Rússia compra dianteiro, por exemplo.

FONTE: SCOT CONSULTORIA

Empresários da Colômbia e da Bolívia percorrem fazendas de Hereford e Braford

Jornalistas que integram Projeto Imagem também acompanham a comitiva do Projeto Brazilian Hereford & Braford
Empresários da Colômbia e da Bolívia interessados em genética Hereford e Braford percorrem, de 31 de janeiro a 04 de fevereiro, fazendas do Projeto Brazilian Hereford & Braford (BHB), parceria da Associação Brasileira de Hereford e Braford (ABHB) e da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil). O tour técnico no Rio Grande do Sul conta ainda com a participação de jornalistas da Colômbia.
Nove empresas gaúchas que integram o BHB participam da rodada de visitas: Fazenda Pitangueira (Itaqui), Cabanha Touro Passo (Uruguaiana), Agropecuária Odair Gonzalez (Uruguaiana), Agropecuária Santa Ana (Uruguaiana), Cabanha Pedro Surreaux (Uruguaiana), Estância do Sossego (Uruguaiana), Agropecuária Nova Aurora e Anjo da Guarda (Uruguaiana), GAP Genética (Uruguaiana) e a CORT Genética do Brasil (Uruguaiana).
Além das visitas, o grupo colombiano e boliviano – formado por nove empresários e dois jornalistas – acompanha uma apresentação técnica sobre as raças Hereford e Braford no Brasil feita pelo inspetor técnico da ABHB Marcelo Louzada. O grupo também participa de encontro, no qual a Associação Brasileira de Hereford e Braford assinará um convênio de cooperação técnica com a Associação de Hereford e Braford da Colômbia (ASOHereford e Braford), e da rodada de negócios com as empresas do BHB. Na sexta-feira, a comitiva acompanhará um abate técnico no Frigorífico Silva, em Santa Maria, e conhecerá detalhes sobre os programas de qualidade da carneHereford e Braford aplicados pela equipe da ABHB, na indústria.

Mais informações para a Imprensa:
Luciana Bueno Escritório de Comunicação
Luciana Bueno - MTb/RS 8508
luciana.bueno@bhb.org.br – (51) 9181 7734

FONTE: APEX BRASIL

Prefeito de Xinguara se reúne em Brasília com autoridades do Irã

Para atender um chamado em Brasília, o prefeito de Xinguara, José Davi Passos se deslocou para a capital federal, nesta segunda-feira, a fim de participar de uma reunião com representantes do Governo do Irã sobre exportação de gado em pé para aquela Nação. Como um dos maiores exportadores de gado para países do Oriente Médio, o município de Xinguara vem sendo visto como tal pelas autoridades brasileiras e iranianas, por esta razão é que foi pedida a presença do prefeito e de alguns fazendeiros que detém propriedades rurais no município. A reunião acontecerá nesta terça-feira, no Ministério da Agricultura.

FONTE: BLOG DO EDMAR BRITO

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

PREÇOS DE BOI GORDO E VACA GORDA PARA CARNE A RENDIMENTO

REGIÃO DE PELOTAS
*PREÇO DE CARNE A RENDIMENTO EM 31.01.2011

BOI: R$ 6,60 a R$ 6,70
VACA: R$ 6,20 a R$ 6,40

PRAZO: 30 DIAS

FONTE: PESQUISA REALIZADA
POR http://www.lundnegocios.com.br/