sábado, 14 de janeiro de 2012

La poca oferta y demanda firme por ganado se irá hasta 2015

El entore en curso se ha complicado y, si la tasa de destete no presenta variaciones, la faena seguirá cerca de los 2 millones de vacunos hasta mediados de esta década


La ola de calor y la sequía tienen un impacto directo sobre los cultivos que se achicharran bajo los rayos del sol, pero tiene una consecuencia menos visible, pero más perdurable, la amenaza de que otra vez el entore falle. El peligro de que la cría vacuna sufra otro golpe que se traduzca en una mediocre producción de terneros crece a medida que pasan los días sin lluvias. Y si eso se concretara, para la industria frigorífica uruguaya será un gran desafío porque prolongará un año más una situación de reducido abastecimiento y por lo tanto de exceso en la capacidad instalada.Los productores apostaron a producir más terneros, pagaron más por los reproductores, hicieron verdeos y cuidaron en general la alimentación en los rodeos. Retuvieron más vacas. Pero eso todavía no asegura que se concrete una mayor producción cuando el verano viene seco.“Se viene complicando, en el norte los ganados ya estaban servidos, pero en el sur, y en los campos más estivales, los ganados se demoraron y las vacas quedaron en anestro superficial y esto les compromete las condiciones para preñarse”, dijo a El Observador el veterinario Santiago Bordaberry. En otras palabras, en las zonas donde las vacas no entraron en celo en diciembre, definitivamente no entrarán en celo.“La gente que no hizo destete precoz lo va a sentir”, agregó. Una vez más, los que no hicieron esa práctica de manejo que anticipa el ingreso en celo se verán perjudicados, opinó Bordaberry.Los productores vienen reduciendo la faena de hembras, en el intento por producir más terneros. “Es posible que el entore actual supere en algo al del año pasado”, opinó Bordaberry.Efectivamente, la faena de hembras en 2011 bajó en 222.000  animales y explicó todo el descenso en la faena de vacunos (193 mil vacunos menos que en 2010). También bajó la cantidad de terneros y toros faenados. La apuesta a la cría fue clara. También la apuesta a faenar novillos más jóvenes, que aumentaron su ingreso en los frigoríficos respecto a 2010.Pero los criadores a la vez enfrentan las restricciones en la disponibilidad de vaquillonas, derivada de las limitaciones generadas por sequías anteriores. Hay justamente 230.000 vaquillonas menos en el stock de 2011 respecto al de 2010. Por lo tanto, la cantidad de vacas entoradas este año no cambiará en cifras significativas. El entore actual sólo puede cambiar la oferta de terneros por resultar en una mayor tasa de destete. La cantidad de vientres entorados se mantendrá en 3,5 millones de vacas.Cuando la primavera venía con viento a favor, podía suponerse una tasa de destete de 70% que llevara a una recuperación interesante en la producción de terneros.  Podía aspirarse, si enero hubiese traído apenas una lluvia relevante por quincena, a una producción cercana a los 2,7 millones de terneros.Pero la primera quincena se irá con nada más que lloviznas en las principales zonas criadoras, algunas sumarán tres semanas de calores tórridos y ausencia de aguas. Y no aparecen lluvias significativas por ahora en los pronósticos de la segunda quincena.La consecuencia de un enero seco es el pasto achicharrado, la presión por vender vientres, la baja de precios, una situación cada vez más frecuente y que prolonga el problema de los frigoríficos: conseguir ganado suficiente.Si el entore es apenas normal –hay muchos productores que están haciendo destete precoz y aportando raciones para amortiguar el efecto sequía–, la producción de terneros se ubicará en 2,5 millones. Eso empezará a generar tensiones. La faena seguirá muy cerca de los dos millones, ahora hasta el año 2015. La mortandad y algo que se exporte en pie mantendrán alejado el ingreso de vacunos a frigoríficos de la meta de tres millones que la industria tiene.Un panorama complejo para un sector que precisa rápidamente usar mejor la capacidad instalada y mandar una señal de contención de costos a los accionistas o inversores.
Pero además un nuevo año de restricción en la disponibilidad de terneros generará movimientos de precios en el mercado de reposición.La segunda quincena de enero puede generar una corriente vendedora en esas categorías que tienen un mes de pausa en la comercialización vinculada a la vacunación anti aftosa. Pero si luego llueve los precios de la reposición se dispararán por la escasez presente y futura. Por lo tanto el mercado podría atravesar tres fases, una vendedora desde ahora al 1º de febrero, otra con un mercado expectante mientras dura la vacunación y luego una zafra en otoño que podrá empezar a tomar como variable la escasez futura de la categoría terneros y ser alcista si se normalizan las lluvias. La oferta de terneros ya será algo escasa.Retrospectivamente, la sucesión de veranos adversos llama la atención. La peor sequía reciente fue la del verano 2008/09, que bajó una producción que venía de superar por tres años los 2,6 millones a solo 2,3 millones de terneros a mediados de 2010. Luego vino un año favorable en lluvias y la producción de terneros a mediados de 2011 fue de 2,6 millones.Para este otoño cabe esperar una producción de 2,35 millones de terneros, fruto del entore pasado y todavía hay posibilidades de que al próximo otoño lleguen 2,5 o 2,6 millones de terneros. Pero ahora todo depende de las lluvias que lleguen en las próximas semanas.La escasez de ganado se puede prolongar así hasta 2015. Porque –afortunadamente– aún con los problemas que pueda generar la crisis europea, la demanda por la carne uruguaya seguirá presente. Los consumidores locales y externos van a querer comprar más carne de la que habrá disponible.
Buenas señalesLas restricciones en la oferta de vacunos se hacen sentir en el volumen exportado. Viene bajando desde 2006, cuando superó las 500.000 toneladas. El año pasado las ventas totalizaron 337.000 toneladas, 8% menos que en 2011. Pero aún así, la carne se mantuvo como el principal rubro de exportación y generó 18% más en facturación, a través de un precio récord por tonelada exportada. Un negocio de US$ 1.333 millones.La misma situación para la carne ovina, que tuvo una baja de 12% en volumen pero un aumento de 7% en las divisas generadas. El precio promedio por tonelada exportada para la carne vacuna fue US$ 3.959 y para la carne ovina US$ 4.870. Una mejora de 28% en el precio de la carne vacuna y de 21% en el de la carne ovina.Puede argumentarse que ese mejor precio que viene consiguiendo como tendencia la proteína uruguaya en el exterior podría no mantenerse. Pero también puede sostenerse que la suba del precio de exportación de la carne vacuna uruguaya es una tendencia de largo plazo y que –al menos en el primer trimestre– las dificultades de Paraguay serán una ayuda para evitar que los precios caigan en el primer semestre, tal vez el más riesgoso.
Europa, Rusia, Chile y Brasil seguirán como mercados y se sumará Estados Unidos, que ya empezó una recuperación en su nivel de compras que se hará más consistente a lo largo de este año.En 2011 las ventas con este destino repuntaron, luego de cinco años de descenso. Aunque el repunte fue leve en volumen (7%) fue de 30% en facturación por la mejora en el precio y será un motor adicional a los grandes compradores. Lo mismo puede decirse de Israel, que es un comprador habitual pero que aumentó sus compras este año en 31% y llegó al mayor volumen desde 2003.Ciertamente exportar a Europa por fuera de cuota será difícil. Las ventas hacia la Unión Europea bajaron 15% en 2011, aunque la facturación aumentó.La ecuación de oferta restringida y demanda activa volverá a ratificarse en 2012 y si la sequía no afloja, será el patrón de funcionamiento ganadero hasta 2015.La Niña está a punto de prolongar por un año más la situación de escasez de materia prima de las plantas frigoríficas y vuelve a desafiar los intentos por mejorar la tasa de destete del rodeo vacuno uruguayo.Los ovinos ratifican sus ventajas.En el comienzo de los remates de esta semana la lana demostró que la poca oferta es el factor determinante del mercado. Los precios subieron en forma nítida. El precio de la carne ovina ha ajustado a la baja una vez que pasaron las fiestas de fin de año, pero se sostiene casi US$ 1.000 por tonelada por encima de las cotizaciones del novillo. El promedio de las últimas cuatro semanas está en US$ 4.700, y aunque las dos últimas semanas promedió US$ 4.200, los precios parecen cerca de un piso determinado por la escasa oferta.La firmeza de la lana realzará las virtudes del rubro en momentos de sequía, lo que permite armar un buen portafolio de rubros. En épocas de cambio climático y con tres veranos complicados de cuatro, son una opción que vuelve a demostrar su vigencia.La Niña cede.La Niña empieza a ceder. Al menos eso es lo que anunciaron los servicios meteorológicos australianos, que indicaron que la última semana de diciembre podría haber marcado el momento de máximo enfriamiento del Pacífico. Aún cuando La Niña empiece a ceder, para la ganadería el factor clave será la ocurrencia de lluvias en el otoño que permitan generar forraje previo al invierno. Un enero seco es en cierta forma previsible, pero la persistencia de la escasez de lluvias cuando baja la temperatura tendría consecuencias realmente graves para la ganadería y la lechería. “Los modelos revisados por el Bureau de Meteorología de Australia (BMA) muestran que La Niña habría alcanzado su momento pico o estaría cerca de este”, informó el BMA este martes.
FONTE: EL OBSERVADOR

Margem bruta na reposição de 2011 é a maior dos últimos 10 anos

A margem bruta na reposição é calculada pela diferença entre o preço de venda do boi gordo e o preço do bezerro para reposição. É um dos indicadores para a atividade de recria e terminação. Quanto maior o preço do boi gordo e menor o do bezerro maior é a margem bruta para o recriador ou invernista.

Lembrando que desta margem bruta são descontadas as despesas do período de recria/terminação para se calcular a rentabilidade da atividade.

Tabela 1. Principais indicadores, Esalq/BM&F, margem bruta, câmbio



No final de 2011, apesar da queda mensal de 5,42% da margem bruta na reposição, seu valor médio em 2011 de R$942,50 foi o maior dos últimos de anos, sendo 21% maior que em 2010 (R$777,31) e 39% maior que em 2009 (R$678,05).

Gráfico 1. Média anual da Margem Bruta na reposição e valor atual em 11/jan



Isso aconteceu devido à maior valorização do indicador do boi gordo comparado à valorização do indicador do bezerro.

Em relação a 2009, o boi gordo valorizou 29% de R$1.301,00 para R$1.679,48/animal em 2011. Lembrando que o peso do boi gordo utilizado é de 16,5@ multiplicado pelo indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista.

Já o bezerro valorizou 18% em 2011 comparado à 2009, de R$622,95 para R$ 736,98/cabeça em 2011. Veja nos gráficos abaixo:

Gráfico 2. Média anual dos indicadores Esalq/BM&FBovespa do boi gordo (16,5@) e bezerro



Pode-se concluir que a margem bruta da atividade de recria/terminação aumentou nos anos. Ao mesmo tempo a atenção aos custos da atividade pelo invernista deve ser criteriosa para aproveitar esse crescimento da margem bruta e não perder em rentabilidade.

Além disso, podemos ver que para o criador a situação é parecida, seu produto tem se valorizando ano a ano no longo prazo também dando maiores chances de aproveitamento da margem bruta para aumento de rentabilidade.

Matéria escrita por Marcelo Whately, analista da Equipe BeefPoint.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Confira a entrevista com Alex Santos Lopes da Silva - Analista de Mercado - Scot Consultoria sobre o mercado do Boi Gordo

Boi Gordo: mercado termina a semana bastante especulado, com ofertas de compra que variam de R$ 96 à R$ 99/@ à vista. Pressão de baixa deve continuar na segunda quinzena do mês diante do desaquecimento sazonal da demanda que já vinha enfraquecida. Pastos em boas condições ajudam pecuaristas a aguardar melhora do cenário.



FONTE: NOTICIAS AGRICOLAS

Presidente da JBS: "Apresentamos ao BNDES oportunidades excelentes"


Apoiados pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para criar verdadeiros gigantes no setor de carnes, os frigoríficos brasileiros continuam patinando, sem apresentar lucro.
Mesmo com resultados negativos, a proposta de formar multinacionais brasileiras nessa área traz valor ao país, defende Wesley Batista, 41, presidente da JBS, maior empresa de carnes do mundo.
O empresário atribui o prejuízo de R$ 183 milhões em 2011 (até setembro) a um fator pontual e rebate críticas sobre a relação com o BNDES.
"Nós fomos ao BNDES levar oportunidades que achamos excelentes. Para nós, o BNDES foi um investidor como qualquer um outro", disse em entrevista à Folha.
Ele afirma que o banco aposta em retorno no longo prazo e que a JBS está pronta para "colher frutos" de suas aquisições neste ano.
Leia os principais trechos de sua entrevista.
Folha - Por que os frigoríficos brasileiros não dão lucro?
Wesley Batista - Eu não vou te responder sobre os outros [frigoríficos]. Vou te responder sobre a JBS. Parece desculpa -e eu não gosto de desculpa porque o resultado é o que é. Mas, se o negócio de frango não tivesse ido tão mal nos EUA em 2011, a JBS teria dado um lucro muito bom e entregue um ótimo retorno aos acionistas.
Eu não tenho dúvida de que essa proposta de ter empresas fortes no setor de proteína gera valor para o Brasil. A relevância do Brasil em vários segmentos, não só no negócio de carnes, acaba gerando outros benefícios.
Como o senhor vê as críticas sobre a relação entre a empresa e o BNDES?
Nós fomos ao BNDES levar oportunidades que achamos excelentes. Para nós, o BNDES foi um investidor como qualquer um outro. A JBS vendeu um patrimônio para o BNDES e, hoje, tem poucas dívidas com o BNDES. Tem muita empresa brasileira com dívidas astronômicas [com o banco].
A JBS não tem mais dívida, mas o BNDES se tornou o segundo maior acionista da JBS.
Nós vendemos o negócio para o banco, que tem um braço que possui participação na Vale, na Petrobras...
Mas críticas, em 2011, concentraram-se no valor pago pelo BNDES para converter as debêntures da JBS (dívida) em ações (o preço definido ficou acima do valor de mercado).
Mas tem os dois lados da moeda. O BNDES comprou ações da JBS a um preço que já esteve muito mais baixo, mas que também já esteve bastante acima. Então isso faz parte do negócio. Estamos falando do mercado de renda variável, não é renda fixa.
E uma coisa é o curto prazo, outra coisa é o médio e longo prazo.
Nossa família é acionista dessa empresa -como eu acho que o BNDES decidiu ser acionista dessa empresa- porque não estamos olhando para seis meses, um ano. Acreditamos no longo prazo e que vamos olhar esse capítulo de forma diferente.
Nunca houve interferência do BNDES na empresa?
Não, zero.
Nem mesmo na mudança do comando da empresa? (Wesley substituiu seu irmão, Joesley, na presidência em 2011).
Nada, de forma nenhuma. De novo, o BNDES é na JBS um acionista como vários outros. Isso é lenda.
Como o senhor vê a competitividade do Brasil como plataforma de exportação?
As coisas mudaram nos últimos cinco anos, quando tínhamos uma moeda mais fraca. Diminuiu muito a diferença entre os preços relativos do Brasil em comparação com outros países.
Há alguns meses, o real estava deixando o Brasil numa condição de descompetitividade (sic) séria. Quando o dólar estava em R$ 1,50, produzir frango nos Estados Unidos estava mais barato do que produzir frango no Brasil - coisa que nunca aconteceu em um século.
Mas não é só o câmbio, é?
O que tem de tomar cuidado é que as coisas se movem devagar e você não nota.
O Brasil já teve mão de obra ridiculamente barata. Felizmente, em benefício da sociedade, não tem mão de obra mais barata. Em alguns níveis hoje o Brasil tem mão de obra mais cara do que nos Estados Unidos, como nos níveis mais capacitados.
Com o tempo as condições vão mudando e, se não tomar cuidado, quando olhar para trás, já ficou para trás. Mas felizmente o governo tem olhado isso.
Podemos dizer que 2011 foi um ano de arrumação de casa? E, com a casa arrumada, como a JBS está olhando para 2012?
Não digo que 2011 tenha sido um ano de arrumação de casa porque a casa a gente vive arrumando, isso é constante. Consideramos 2011 um ano de consolidação. Estamos muito satisfeitos em encerrar o ano no trilho e bem preparados para desfrutarmos em 2012.
Estamos trabalhando isso, falando com o mercado que a JBS plantou e, sem dúvida nenhuma, acreditamos que este ano é de colher frutos.
Então 2012 será um ano sem aquisições?
Em 2012 e em 2013 a JBS vai estar muito concentrada. Vamos crescer organicamente e, se surgir uma oportunidade pontual, vamos olhar. Mas o ritmo de aquisições vai cair, até porque não vemos grandes oportunidades como havia no passado.
A JBS não tem interesse em operações na China?
Por enquanto não.
Mas a China é o mercado mais promissor para o consumo de carnes, não?
Pois é... É o mercado mais promissor, mas eu conheço poucas empresas estrangeiras que ganham dinheiro na China.
É incrível. Nós queremos muito estar estruturados para vender os nossos produtos na China, não necessariamente operar na China.
Achamos que tem um pouco de modismo, sabe? "Vamos para a China, porque a China cresce." E aí todo mundo vai lá e aceita não ganhar dinheiro. Vai vivendo do amanhã, e não entrega o hoje.
O senhor afasta a euforia ao falar da China. É um perfil que o mercado não está acostumado a ver na JBS, não acha?
(risos) Na nossa cabeça, há lugares melhores do ponto de vista de retorno do investimento, como o Brasil.
Fonte:  Folha de São Paulo

Apesar da redução em janeiro, margem está historicamente favorável aos frigoríficos

Apesar de ter recuado em relação a dezembro, a margem da indústria frigorífica ainda está bastante favorável, na média de janeiro, sob uma perspectiva histórica.

Isto pois as relações entre o preço pago pela arroba do boi e o recebido pelos frigoríficos, analisando todos os equivalentes, estão historicamente maiores.



Quanto mais positiva, ou menos negativa, for a margem, melhor para o frigorífico.

Como podemos ver, tanto desde 1996 (longo prazo), como desde 2008 (ano da crise financeira que provocou uma série de mudanças na cadeia produtiva), temos hoje margens mais interessantes para a indústria.

Vale ressaltar que a análise não envolve o lucro, pois não considera os custos de produção, como abate, desossa, comercial e transporte, por exemplo.

 FONTE: SCOT CONSULTORIA

Conjuntura do mercado do boi gordo


O aumento de oferta dos últimos dias gerou forte pressão de baixa por parte dos frigoríficos. Em São Paulo, segundo levantamento da Scot Consultoria, os negócios ocorrem ao redor de R$97,50/@, à vista livre de imposto.

Os preços recuaram em várias regiões esta semana, mas nos valores menores o pecuarista tem segurado os animais, onde as pastagens permitem.

Do lado da demanda a situação não está boa com o recuo de consumo, típico do período, devido à diminuição do poder de compra da população pelos impostos e gastos no final do ano.

Para as próximas semanas a tendência é de aumento na disponibilidade de animais de pasto.

Vale destacar que estamos na safra e, sendo assim, a disponibilidade não necessariamente significa oferta. O pecuarista pode segurar os animais no pasto, fato que não ocorre na época de confinamento.

O clima tem afetado a oferta em algumas regiões. Em Minas Gerais, as chuvas atrapalham o transporte e ajudam a segurar o mercado. Em Belo Horizonte a cotação do boi gordo subiu. Está em R$95,00/@, à vista, livre de imposto.

No Rio Grande do Sul, a baixa disponibilidade de pastagens não tem gerado oferta de animais terminados, o que colabora com os preços firmes observados. Em Pelotas e no Oeste do estado os bois gordos são negociados por R$3,30/kg e R$3,25/kg, respectivamente, a prazo, livres de imposto.

Outro ponto de atenção é o possível aumento na venda de vacas, continuando o movimento de descarte iniciado em 2011, que pode pressionar as cotações nos próximos meses.
FONTE: SCOT CONSULTORIA

URUGUAY - La exportación de ganado vacuno en pie aumentó 2,8% en 2011 respecto a 2010

A pesar del enlentecimiento en la entrega de permisos de exportación por parte del Ministerio de Ganadería, Agricultura y Pesca, se comercializaron al exterior 212.955 cabezas, 5.905 más que en el año anterior


Durante el año 2011 se exportaron 212.955 animales vacunos en pie desde Uruguay. La cifra refleja un aumento de 2,8% respecto al año 2010, cuando se habían comercializado 207.050 vacunos al exterior, según datos proporcionados a El Observador Agropecuario por el Departamento de Control de Comercio Internacional del Ministerio de Ganadería, Agricultura y Pesca (MGAP).
La especie bovina fue la única que tuvo un incremento de exportaciones en el total de animales vivos que emigraron del país. Además de los 212.955 vacunos, en el período se comercializaron al exterior 5.076 ovinos (50% menos que en 2010), 514 equinos (66% menos que en 2010) y 393 suinos (20% menos que en 2010).
Turquía continúa siendo el principal mercado para los bovinos vivos, sobre todo para los de razas carniceras. A ese país se embarcaron 173.328 cabezas vacunas en el último año, cifra que supera ampliamente a los 124.306 animales que se exportaron en el período anterior.
Las cifras del MGAP sorprendieron a los operadores de empresas exportadoras de ganados vacunos en pie (de razas carniceras), quienes esperaban que la cantidad de animales exportados en el último ejercicio fuera inferior a los embarcados en 2010.
El año 2011 comenzó con un rítmo de exportaciones de ganados en pie que fue vertiginoso. En los primeros cuatro meses se exportaron 137.657 vacunos, la gran mayoría de ellos a
Turquía.
A partir del mes de mayo el gobierno a través del MGAP le puso el freno de mano a la exportación de vacunos en pie. Permisos de exportación que antes tardaban  48 horas en ser aprobados pasaron a ser otorgados luego de varios meses de trámites internos.
Según el titular de la cartera, Tabaré Aguerre, esto se debió a que se priorizaron otras tareas sanitarias consideradas de mayor importancia como la vacunación contra la fiebre aftosa y la atención a las misiones sanitarias de otros países.
Las justificaciones de Aguerre no fueron aceptadas por los exportadores de ganado en pie quienes consideraron que la medida tenía otras razones de carácter político.
Fue en este marco que los exportadores mantuvieron contacto con las principales gremiales de productores y también con la Asociación de Consignatarios de Ganado, buscando el apoyo necesario para destrabar la situación.
Ya en la primavera los empresarios realizaron el lanzamiento de la Unión de Exportadores de Ganado en Pie, gremial que integra la Unión de Exportadores y que preside Alejandro Dutra.
Días antes el ministro Aguerre anunció que serían otorgados tres permisos de exportación para embarques de ganados de razas carniceras. Los tres embarques se concretaron en el mes de diciembre cerrando la actividad del año con cifras muy similares a las del período anterior.
La mayor parte de los vacunos exportados vivos son novillos de 1 a 2 años de razas carniceras. El 78,7% del total de bovinos exportados tienen como destino el engorde, 13,5% son exportados para reproducción y 7,8% son comercializados para faena.
Ganado lechero
El destino de exportación de animales en pie que tuvo el crecimiento más notorio en el último año fue China. El país asiático importó desde Uruguay 23.929 terneras de la raza lechera Holando. La cifra supera en 190% la cantidad de cabezas embarcadas durante el año 2010.
Las dos principales estaciones para los embarques de ganado lechero a China son el otoño y la primavera.
Equinos.
Emiratos Árabes Unidos sigue consolidandose como uno de los principales mercados para los equinos uruguayos, fundamentalmente para los clasificados en las competencias internacionales de enduro. Hacia aquel país se comercializaron 158 equinos en 2011, 21% más que en 2010.
FONTE: EL OBSERVADOR

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

Ano novo, vida velha

Lygia Pimentel é médica veterinária, pecuarista e especialista em commoditieslygia@bigma.com.br
Reprodução permitida desde que citada a fonte
 
Vamos direto ao ponto. Estamos numa sinuca de bico. Não é fácil ver os custos aumentando e o boi em patamar mais baixo quando comparado ao mesmo período do ano passado. Sem falar em inflação. Nem preciso perguntar se alguém reparou em como as coisas estão caras ultimamente.

Como está o mercado hoje frente ao mesmo período do ano passado? Acho que o gráfico a seguir nos diz muita coisa.

Gráfico 1.
Variação dos preços do boi gordo e dos custos de produção. Outubro de 2010 = base 0.

Fonte: Broadcast/Cepea/Bigma Consultoria

O gráfico mostra a evolução até outubro de 2011. Tivemos uma valorização de 6% para o boi gordo em São Paulo, ocorrida em novembro, ou seja, a vantagem dos custos diminuiu, mas mesmo assim, esses 6% não ajudam a zerar a conta.

Sem falar que a alta de novembro foi rápida e teve muita gente que não conseguiu aproveitar.

É isso que desfavorece quem cria boi. Para usarmos o valor exato, hoje temos um boi de R$ 97,00/@ à vista em São Paulo contra um boi de aproximadamente R$ 101,00/@ no mesmo período do ano passado.

Ele perde com os custos (que deixa a produção dele mais cara), perde com a inflação (que deixa o custo de vida dele mais caro) e o boi consegue valer menos do que antes disso tudo acontecer. Puxa vida!

E aí tem muita gente que faz o quê? Engorda fêmea, já que é um animal mais barato. E é aí que acontece uma coisa dessas:

Tabela 1.
Proporção de fêmeas abatidas frente ao total de acordo com os trimestres e sua média de acordo com as fases do ciclo pecuário.

Fonte: IBGE

Comecemos do princípio. Considerando o terceiro trimestre de 2011, a proporção de fêmeas abatidas (entre vacas e novilhas) frente ao total está em 38%.

A tabela nos mostra que a média histórica em fases de alta/estabilidade é de 35%. Nas fases de baixa/estabilidade, essa proporção fica em 37%. No terceiro trimestre das fases de alta, a proporção fica em 33%. Nas fases de baixa, 35%.

Nos primeiros trimestres tanto da fase de alta como da de baixa, a proporção é mais alta: 39%, em média. O motivo é o descarte das fêmeas que repetem o cio após a estação de monta.

Estamos claramente acima da média normal, mesmo considerando um período ruim, em que o abate resume-se em liquidação de plantel na tentativa de fazer caixa, ou seja, semelhante ao que acontece na fase de baixa. Isso prova que 2011 não foi um ano bom em termos de receita. Senão, o que justificaria essa proporção acima da média?

Poderíamos até mesmo pensar em estabilização do rebanho, mas levando em conta o comportamento dos preços e custos de produção evidenciado no gráfico 1, fica claro que o buraco é mais embaixo.

Para piorar, a safra de grãos que esperávamos aqui no Brasil pode decepcionar um pouco. O Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento já estima quebra de 10% para a safra de verão de soja (1,42 milhões de toneladas ou R$ 1,02 bilhão). Para o milho, a situação é ainda pior: 14% de quebra (1,05 milhões de toneladas ou R$ 379,7 milhões).

Os efeitos do fenômeno La Niña, que ocasiona resfriamento das águas do Pacífico volume de chuvas abaixo do normal no Sul do Brasil, estão sendo sentidos pelos agricultores e colocam em dúvida o real potencial daquela que era chamada “super-safra” brasileira.

Sem falar do salário mínimo, que foi reajustado e vai pesar na conta da fazenda. Não tenha dúvidas.

É, pessoal, não tem sido fácil. Principalmente pra quem ainda conta com pastos ruins. Mas hoje vi uma luz no fim do túnel. Foi divulgado o último relatório do Departamento Norte Americano de Agricultura (USDA) sobre demanda e oferta de commodities.

Pra começar, nossos amigos norte-americanos sofreram horrores com o calor e temperaturas recordes registrados no ano passado. Tiveram uma quebra de safra de grãos e forte liquidação do rebanho, o que provavelmente traz mais competitividade ao Brasil, já que com menor oferta por lá, os mercados que podemos substituir vêm comprar carne nossa.

A estimativa para produtividade, área e estoques também foi ajustada de modo a favorecer o a relação de troca para o pecuarista. Pode ser que tenhamos uma oferta que não pressione demasiado os preços dos grãos. É claro que essa conta também depende da demanda.

E aí, faço a ponte: talvez a demanda internacional por carne bovina ajude de um lado e os custos ajudem do outro, o que favoreceria a margem do pecuarista. Claro que além da demanda internacional, temos que contar com a ajuda do dólar e do consumo interno. Também da oferta de animais. Os bezerros daquelas fêmeas retidas entre 2007 e 2010 não podem resolver aparecer agora. E aí é torcer pra esses pontos se conectarem.

Enquanto isso, vamos olhar um pouco para o curto prazo. Alguém aí tem visto o comportamento dos diferenciais de base recentemente?

Gráfico 2.
Evolução dos diferenciais de base em Campo Grande – MS e Goiânia – GO.

Fonte: Broadcast/Cepea

Mineiros, gaúchos, paraenses e pessoal do Brasil afora, não fiquem bravos nem pensem que me esqueci de vocês. Apenas quis comparar um estado tipicamente confinador com outro que possui uma concentração menor de animais de cocho. Não quero dizer que o Mato Grosso do Sul tenha pouco boi confinado, mas sabemos que a arte de confinar pertence aos goianos. Portanto, interessante colocar lado a lado o comportamento dos diferenciais nos últimos tempos.

Ele nos mostra que tá chegando boi de pasto no Mato Grosso do Sul e que acabou o boi confinado em Goiás. Ou seja, preços melhores para os goianos e preços piores para os sul-mato-grossenses. Algo parecido acontece em Minas, o boi de lá se aproximou um pouco do boi de São Paulo.

Aparentemente, tem pouca oferta por lá. Quando o diferencial apertar novamente no Mato Grosso do Sul, os frigoríficos não terão muita opção de compra em volta de São Paulo. Algo para se pensar.

Abraços a todos e até a semana que vem!
 

CHILE DOBRA IMPORTAÇÕES DE CARNE BOVINA DO BRASIL

O Brasil está reconquistando um bom mercado para a carne bovina: o Chile. O país, que era um grande importador, havia fechado as portas ao produto brasileiro em 2005, após a ocorrência da febre aftosa no Estado de Mato Grosso do Sul. No ano passado, os chilenos importaram o correspondente a US$ 209 milhões em carne bovina brasileira, o dobro do que haviam comprado em 2010, de acordo com publicado na edição de hoje do jornal Folha de S. Paulo.

Fonte: Folha de S.Paulo

boi gordo - Entrevista com Élio Micheloni Jr.

Boi Gordo: mercado não tem perspectiva de reação até o final do mês de janeiro, caracterizando o período da safra. Oferta de animais é suficiente para a demanda enfraquecida. Começo das exportações pode impulsionar preços.



FONTE: NOTICIAS AGRICOLAS

Principais indicadores do mercado do boi - 12/01/12

Tabela 1. Principais indicadores, Esalq/BM&F, margem bruta, câmbio



O indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista teve valorização de 0,25% nessa quarta-feira (11), sendo cotado a R$97,92/@. O indicador a prazo foi cotado em R$ 98,25

A partir de 2/jan o Indicador do boi gordo ESALQ/BM&FBovespa deixou de considerar o Funrural.

Gráfico 1. Indicador Esalq/BM&FBovespa bezerro à vista x margem bruta



O indicador Esalq/BM&F Bezerro teve valorização de 0,18% e foi cotado a R$ 726,57/cabeça nesta quarta-feira (11). A margem bruta na reposição foi de R$889,11 com valorização de 0,30%.

Gráfico 2. Indicador de Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista em dólares e dólar



Na quarta-feira (11), o dólar foi cotado em R$1,80 com valorização de 0,06%. O boi gordo em dólares teve valorização de 0,18% sendo cotado a US$54,28. Verifique as variações ocorridas no gráfico acima.

Tabela 2. Fechamento do mercado futuro em 11/01/12.



O contrato futuro do boi gordo para fevereiro/12 foi negociado a R$96,60 com variação em abaixa de R$0,30.

Gráfico 3. Indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista x contratos futuros para fevereiro/12



Acesse a tabela completa com as cotações de todas as praças levantadas na seçãocotações.

No atacado da carne bovina, o equivalente físico teve desvalorização de 1,37% e é cotado a R$ 98,27 O spread (diferença) entre o índice do boi gordo e equivalente físico foi de -R$ 0,34, com alta de R$ 1,61 no dia. Confira a tabela abaixo.

Tabela 3. Atacado da carne bovina



Gráfico 4. Spread Indicador Esalq/BM&FBovespa boi gordo à vista x equivalente físico

FONTE: BEEFPOINT

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Foco de aftosa no Paraguai e perspectivas de negócios para o Brasil

Redação

Reprodução permitida desde que citada a fonte

As ações contra a febre aftosa continuam nos países que fazem fronteira com o Paraguai. A grande preocupação dos governos é a imagem dos exportadores de carne na América do Sul. O diretor técnico da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec), Fernando Sampaio, fala sobre os reflexos de mais esse foco da doença e também sobre a possibilidade de novos negócios para o Brasil.



Assista o vídeo


Fonte: Canal Rural
 
 

Quando vender o boi? Dá para decidir matematicamente?


Rogério Goulart, administrador de empresas, pecuarista e editor da Carta Pecuária
cartapecuaria@gmail.com
Reprodução permitida desde que citada a fonte
 
Final de ano produtivo. De dezembro até agora no início de janeiro li quatro livros — As Esganadas, de Jô Soares; 1808, de Laurentino Gomes; O Menino do Pijama Listrado, de John Boyne e 1984, de George Orwell.

Li também o evento “Guerra Civil”, uma mega-história espalhada em 101 gibis do Universo Marvel como Homem-Aranha, Capitão América, Homem-de-Ferro, Quarteto Fantástico, Wolverine, X-Men, entre outros.

Aproveitei também o final de ano para ler sobre o mercado. Li uma pilha de relatórios impressos que estavam na minha mesa, análises, notícias e opiniões sobre o mercado financeiro de modo geral (ouro e dívidas dos países é o que mais se fala ultimamente) e particularmente alguma coisa sobre o mercado de boi, soja e milho de modo específico.

Sistema de Negociação. Mas o mais importante que fiz foram os estudos sobre a movimentação dos preços. Quais as formas e as maneiras para se medir melhor o sobe-e-desce do boi e outros produtos, como soja, milho e café?

O leitor mais antigo sabe que em 2010 estávamos estudando o mercado estatisticamente.

A ferramenta “Força do Boi”, que coloquei na última edição, é um exemplo desse tipo de estudo.

Em 2011, porém, o olhar focou esses estudos sobre as movimentações dos preços. Quando digo movimentação dos preços me refiro ao sobe-e-desce que a gente sabe bem como é... Essa coisa imprevisível do dia-a-dia que às vezes deixa o produtor e a própria indústria com o cabelo em pé sem saber bem para onde ir e o que fazer.

Existem maneiras, um monte delas, de ajudar a fazer esse tipo de conta. No mercado financeiro isso é chamado de “Sistema de Negociação”. Sob o ponto de vista do pecuarista, a ideia é saber que hora é interessante vender o gado, ou a hora de esperar. Não sei quanto a você, mas tem hora que não dá para vender gado, mesmo o animal estando gordo. Uma semaninha a mais de espera já se consegue preços melhores.

Isso acontece direto nos momentos de alta na arroba. Pois bem, é isso que o sistema de negociação ajuda a nos dizer. Usando o indicador do boi publicado pela Esalq/BVMF e jogando neles algumas regras estatísticas e outras que tive a oportunidade de aprender durante o ano - e que adaptei para o boi, adaptação essa que me tomou várias madrugadas agora no final do semestre - esse trabalho todo simplesmente foi no intuito de responder a seguinte pergunta: “Qual é uma boa hora para se vender boi?”
Olhe o gráfico abaixo e veja quais foram os momentos de venda em 2011.



O sistema ajuda na parte mais difícil — o timming da venda. Observe os momentos pintados em verde.

Em 2011 tivemos três bons sinais verdes para se vender boi, a saber, fevereiro/março, julho/agosto, outubro/novembro. Observe que agora em janeiro/12 não está em um bom momento.

Obviamente aqui está só o resultado do sistema de negociação. Você não acredita o tanto de conta que vai por trás disso. Parece mágica? Voodoo? Observe a demonstração dos sinais verdes desses últimos seis anos, abaixo.

Verde significa venda. Vermelho, esperar. Sem cor, mercado neutro. A coisa realmente funciona. Por esse sistema, teríamos vendido boi em bons momentos, como de fato ocorreu.



Repito, esse tipo de ferramenta é super poderosa. Se coloco-a é aqui para demonstrar a melhoria nas vendas de gado ao longo do ano. Gado, mercado físico mesmo, nada de mercado futuro aqui. Durante o ano vou tentar falar uma ou duas vezes dessa informação nos textos, tal como sugeri a venda de gado entre outubro/novembro do ano passado. Já era uma coisa baseada nesse tipo de sistema.

Agora, havendo o interesse no Sistema de Negociação como um serviço, em recebê-lo de forma exclusiva e independente, entre em contato comigo. Não irei fazer propaganda desse sistema, caro leitor. Só falarei sobre isso nesse texto de hoje.

Estarei abrindo esse serviço, como seu devido custo, para um número extremamente limitado de leitores interessados e que contratarem agora em janeiro. A próxima abertura somente ano que vem.

Indicador livre de impostos. Seguindo em frente, aconteceu uma coisa engraçada comigo. No dia 2 de janeiro o indicador saiu com uma queda de mais de três reais sobre o último dia de dezembro. Levei um susto! Desanimei. Pensei, putz, que queda que é essa?!

Daí somente na hora que fui dormir é que caiu a ficha... o indicador em 2012 já seria publicado livre de impostos! Hehe, eu sabia disso, mas tinha me esquecido.

Tsk, tsk, tsk... Senhor Rogério, preste mais atenção, sim?

Pois bem, por causa da base de informação ter mudado, todos os preços do indicador de 1994 até 2011 também mudaram. O que era o pico do indicador lá atrás agora tem que refazer as contas e retirar o imposto do valor.

A gente já vinha publicando gráficos ano passado livre de impostos. A partir de agora isso é a nova realidade. Achei que ficou melhor, ficou mais perto da realidade do dia-a-dia do produtor e um número de visualização direta.

Hoje o indicador vale R$ 98,15 à vista em SP. O mercado futuro está vendo o quê
para 2012? Observe ao lado. Ele está indicando de queda no boi até julho. Depois uma altinha em outubro. E só. Nada de emoção. Ano passado estava até pior, o indicador valia ao redor de 101 reais contra um contrato de outubro-11 que valia
ao redor de 95 reais.

Só para situar a coisa, o pior preço da safra do ano passado foi 93,73 reais em maio.

O maio-12 então, na bolsa agora mostra um 1,50 reais a mais. E só. O melhor preço da entressafra 2011 foi 107,08, o outubro-12 falam que a coisa vai valer seis reais abaixo disso. E só.

O ágio entressafra/safra nessa sexta-feira fechou em 6%. Ano passado fechou em 14% A média dessa fase do ciclo pecuário é de 23%. Ou seja, o mercado espera uma entressafra PIOR que a de 2011, que já foi ruim.

O mercado gera as opiniões. Não é à toa que os participantes do mercado enxergam um futuro tão ruim. O mercado é assim mesmo. Se ele está com vontade de incutir no povo sentimento de baixa e pessimismo, ele trabalha sem parar para retirar qualquer expectativa, qualquer esperança de que o mercado
suba. Chega uma hora que o cidadão não acredita mais em alta. Daí o mercado, só de pirraça, muda de lado e passa a subir.

O gráfico abaixo mostra esse tipo de serviço. Repare que a variação dos preços veio abaixo desde o final de 2010 e veio frustrando expectativas desde então. Depois de um ano de pancada na cabeça, qualquer um perde a noção histórica dos preços e de tudo que cai um dia sobe.



Estamos em um ponto crucial dessa história. Repare a arroba agora em janeiro abaixo do que valia um ano atrás. A arroba valer abaixo do que valia um ano atrás, em qualquer época do ano, foram situações que ocorreram poucas vezes durante esses quase vinte anos de mercado. A história nos mostra que não é prudente apostar em uma continuidade desse tipo de coisa, salvo alguma catástrofe, como foi em 2005/2006 na aftosa e 2009 na crise de crédito.

Fora catástrofes, que são imprevisíveis, não há registro de mercados abaixo ano-a-ano por períodos prolongados de tempo. Sendo assim, e somente por uma coisa dessas poderíamos dizer que o mercado futuro está precificado a arroba durante o ano de forma muito mais pessimista que seria prudente esperar.

E tem mais — nem falei aqui dos custos de produção. Na esteira do que comentei na última edição, um produtor/confinador que sei que faz custos de produção me disse que está mais barato “comprar bolsa”
para a entressafra que produzir boi. Daí para você ver o estado dos preços da bolsa para esse ano.

Não sei o que vai ocorrer, caro leitor. Só sei o que enxergo agora, com os números de agora. Agora, do jeito que está a bolsa e do jeito que estão os custos de 2012, a arroba está extremamente mal posicionada para remunerar a pecuária.

Engraçado que esse final-de-ano li muita coisa sobre esse tema — o aumento dos custos de produção de commodities no mundo inteiro. Então, quero dizer, talvez o que a gente está falando sobre custos da pecuária no Brasil não está indo muito longe do que está de fato ocorrendo no resto do mundo. Vamos acompanhando.

DO MERCADO: Boi -- Indicador ESALQ/BVMF do boi, que mede a variação dos preços da arroba no Estado de São Paulo, fechou a semana com –1,06 a R$ 98,15 à vista. Cotações em R$ por arroba.

A média móvel de 5 dias fechou em R$ 98,59. O contrato de janeiro/12 fechou com –1,92 a R$ 96,85. A diferença hoje entre o contrato de janeiro e a média é –1,74.

O contrato que vence em fevereiro/12 fechou com –1,47 a R$ 96,83; março/12 –1,09 a R$ 96,14; abril/12 –0,75 a R$ 95,50. Todos os vencimentos estão cotados à vista com o fechamento da sexta-feira e com a indicação semanal da variação de preços.

Bezerro -- Indicador ESALQ/BVMF de bezerro, que mede a variação dos preços no Estado do Mato Grosso do Sul, fechou a semana com –9,80 cotado a R$ 726,86 à vista. Cotações em R$ por bezerro.

A arroba do bezerro desse indicador está estável e vale R$ 112,00. Todos os vencimentos estão cotados com o fechamento da sexta-feira e com a indicação da variação semanal.

Taxa de Reposição 1 -- Um boi gordo compra hoje 2,23 bezerros, queda de 0,01 na semana.

Dólar -- Dólar comercial fechou com –0,80% a R$ 1,854. Dólar futuro com vencimento no início de fevereiro fechou com –0,83% a R$ 1,864; março fechou com –0,80% a R$ 1,875.

Juros -- A taxa de juros do governo (SELIC) está hoje em 11,00% ao ano.

Inflação – IGP-M de dezembro –0,12%. Acumulado no ano2 +4,99%. Acumulado nos últimos 12 meses 3 (janeiro-11 a dezembro-11) 4,99%.

Assim como os contratos de boi e bezerro se encerram pelo preço dos seus respectivos indicadores, o dólar se encerra pelo preço do dólar do Banco Central nas datas acima indicadas.

Frigoríficos 4 -- A arroba nos frigoríficos foi cotada hoje em São Paulo ao redor de R$ 98,50; no Mato Grosso do Sul, Dourados a R$ 91,00 (Base –7,6%) e em Campo Grande ao redor de R$ 92,00 (Base –6,6%).

A arroba em Goiânia foi cotada ao redor de R$ 90,00 (Base –8,6%). Em Cuiabá está em R$ 90,00 (Base –8,6%).

No sul do Tocantins a arroba foi cotada em R$ 90,00 (Base –8,6%). No Triângulo Mineiro ao redor de R$ 92,00 (Base –6,6%).

1 Considerando os valores nominais dos indicadores da ESALQ/BVMF.
2 e 3 Somatória com Juros Simples.
4 Fonte das arrobas dos frigoríficos à vista e livre do Funrural: Informativo Boi na Linha, da Scot Consultoria.


CONCLUSÃO: Primeira semana do ano, muitas expectativas, poucos negócios. O mercado segue em ritmo de férias ainda. As escalas de abate giram atualmente ao redor de quatro dias, em média, contra três dias da semana
anterior.

Abraços,
Rogério Goulart

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Mapa repassa veículo e recursos para vigilância contra a Aftosa

 / Fotógrafo: Divulgação
A Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio ganhou reforço do Ministério da Agricultura ao trabalho que vem realizando de vigilância sanitária na fronteira noroeste, com o objetivo de evitar a entrada do vírus da aftosa no Estado.

O ministério cedeu ao Departamento de Defesa Agropecuária duas camionetes que estão sendo utilizadas pelas equipes volantes que atuam na faixa de fronteira com a Argentina, entre Garruchos e Barra do Guarita.

Além disso, o Governo Federal também se responsabilizará pelo pagamento das diárias aos servidores que atuam na fiscalização.

Por outro lado, a Secretaria da Agricultura, Agropecuária e Agronegócio está solicitando a liberação de mais R$ 10 milhões de reais, para reforçar as ações de fiscalização.

 
Assessoria de Comunicação Social

BOI GORDO: Em SP, frigoríficos testam valores mais baixos para a arroba


Mercado do boi gordo sem excesso de oferta, mas pressionado.

Em São Paulo, os frigoríficos testam valores mais baixos para a arroba. Aos poucos os negócios têm ocorrido em valores menores, mas nos pisos de oferta os negócios travam.

O preço de referencia está em R$97,50/@, à vista, livre de imposto.

As compras nas praças vizinhas permitem que os frigoríficos mantenham a pressão. As escalas atendem cerca de quatro dias, na maioria dos casos.

Em Minas Gerais, há relatos de dificuldade no transporte de gado devido às chuvas.

No Rio Grande do Sul, o clima também tem afetado a disponibilidade de animais. Lá a seca não permite a engorda em pasto. Os preços subiram na região de Pelotas.

No mercado atacadista de carne bovina houve recuos para algumas peças. O escoamento dos traseiros têm sido fraco. As vendas de dianteiros estão melhores.
Fonte: Scot Consultoria

Seja você também sócio da Associação Brasileira de Angus

A Associação Brasileira de Angus comemora em 2012 49 anos de atividades e representatividade frente aos pastos brasileiros.

Hoje, a entidade conta com um quadro de 419 associados espalhados pelo Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Ceará.

O produtor associado da Angus, além de ser parte da entidade da raça que mais cresce no Brasil, tem a vantagem de possuir 67% de desconto na inspeção técnica dos exemplares; tem participação confirmada nos leilões e demais eventos organizados pela associação; tem participação garantida na corrida rumo ao Ranking dos Expositores e Criadores da Raça Aberdeen Angus; e conta com divulgação garantida nos órgãos oficiais da Associação Brasileira de Angus dos eventos promovidos pelos sócios.

No ano de 2011, a Angus iniciou seu programa de fomento e incentivo à criação por meio do trabalho de orientação dos criadores associados sobre a importância da avaliação de carcaças dos reprodutores por ultrassonografia. “O intuito principal dessa ação é o de difundir a técnica considerada de suma importância na seleção de reprodutores atendendo as exigências do mercado consumidor”, pondera Juliana Brunelli, gerente da Associação do Angus.

Além disso, visando fortalecer o crescimento da raça no Brasil, a Angus apoia aliada com parceiros nos setores da indústria e varejo da carne, um programa pioneiro de fomento sem precedentes no mundo, que financia o produtor a juros zero, na utilização da genética Angus por meio da Inseminação Artificial. Este programa já contabiliza mais de 100 mil vacas inseminadas.

Desde 1994 a Associação Nacional de Criadores, juntamente com o apoio da Angus, vem incentivando a seleção e o melhoramento genético da raça no Brasil através do Promebo, que hoje conta com mais de 200 mil produtos avaliados pertencentes a 350 rebanhos colaboradores. “É através desta importante ferramenta que conseguimos conquistar o Brasil formando uma base sólida e estruturada na alta produtividade com precocidade, através seleção de indivíduos de performance superiores nas avaliações genéticas”, explica Brunelli.

Já o programa Carne Angus Certificada, em atividade desde 2003, objetiva a valorização da carne de animais da raça Angus no Brasil. Com atuação em 12 plantas frigoríficas espalhadas nos estados do RS, SP, GO e MS, o programa detém reconhecimento internacional desde 2007 conferido pela AUSQUAL.



“Produtor, indústria e varejo trabalham de forma integrada para valorizar a Carne Angus no país, refletindo em benefícios aos produtores como liquidez e valorização em todas as categorias de animais Angus e premiações no abate que vão de 8 a 12% de acréscimo sobre o preço de mercado”, enumera Fábio Medeiros, sub gerente do programa de certificação.

“O pecuarista associado, além de todas as vantagens em participar da certificação, receber apoio técnico personalizado, conhecimento sobre a raça, oportunidades de negócios e informações sobre o mercado brasileiro da carne angus certificada, tem a oportunidade de congregar com demais criadores de todo o Brasil, onde o principal intuito é unificar os pecuaristas permitindo a troca de experiências, difundir informações técnicas de qualidade e promover a integração entre produtores e técnicos”, avisa Juliana.

Para mais informações sobre como se tornar sócio da Associação Brasileira de Angus acesse www.angus.org.br e clique no ícone “Associe-se Aqui”. Ou se preferir ligue para (51) 3328-9122.



Fonte: Texto Assessoria de Comunicações (11) 2198-1860/Jornalista Responsável: Altair Albuquerque (MTb 17.291)

PARANÁ - Pecuária tenta retomar exportação de carne


Depois de serem reduzidos a zero, embarques ao exterior dependem de mudanças na produção e na gestão da atividade

Carlos Guimarães Filho

Mesmo com as incertezas relacionadas à demanda internacional e à ampliação do risco de aftosa no continente, o Paraná vai tentar retomar as exportações de carne bovina. O governo do estado e o setor produtivo confirmam para fevereiro o lançamento de um programa que promete uma “injeção de ânimo” no setor. Os objetivos são reorganizar a atividade, melhorar a qualidade da carne e garantir padrão na oferta, fatores que teriam causado a redução dos embarques com origem no estado a zero em outubro.

O fechamento da JBS Friboi de Maringá, há três meses, faz com que mesmo a carne de qualidade produzida pelos pecuaristas paranaenses seja destinada ao mercado interno. A empresa era a última que vinha exportando. Com sua transferência para Mato Grosso do Sul, os embarques do Paraná caíram um terço na comparação entre 2010 e 2011, para perto 13 mil toneladas. Agora, é preciso ampliar a oferta de carne bovina tipo exportação para atrair novas empresas licenciadas.

Essa retomada depende de uma nova linha de gestão, avalia o próprio setor, que terá de apostar em genética e cultivo de pastagens para alcançar estados como Mato Grosso e São Paulo. Na prática, os produtores rurais têm preferido o plantio de grãos e de cana de açúcar. Os produtores que permanecem na bovinocultura não estariam investindo o suficiente em sua atividade.

“O fator econômico desestimulou a pecuária. É preciso um novo sistema de gestão da produção”, afirma Rogério Berger, agropecuarista e presidente da Comissão de Bovinocultura de Corte da Federação de Agricultura do Paraná (Faep).

A criação extensiva em que o pecuarista solta o boi no pasto e espera que o animal engorde estaria fadada a desaparecer. Para o presidente do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Paraná (Sindicarne-PR), Péricles Salazar, a pecuária de corte precisa ser administrada como uma empresa global para se tornar lucrativa e oferecer a qualidade exigida no exterior.

A integração pecuária-lavoura-floresta nas áreas onde existe apenas gado é a melhor forma de reestruturar o negócio, conforme os especialistas do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar). Com lavouras de grãos, engorda de gado e cultivo de madeira, o produtor pode ampliar sua renda. “Quando há apenas uma atividade, é maior o risco de intempéries comprometerem a arrecadação”, diz Daniel Perotto, pesquisador da área de melhoramento animal do Iapar.

Outra medida necessária é a adoção de raças mais produtivas. O ideal é que o animal engorde 900 gramas por dia, o que não ocorre na maior parte das fazendas de gado mestiço do Paraná.

“Independente do que se faça por aqui, o Paraná nunca será um grande produtor na quantidade. Mas podemos ganhar de outros mercados na qualidade, pois reunimos todas as condições necessárias”, aponta Berner. Ele considera que, apesar do predomínio da agricultura, existe espaço para confinamentos e semiconfinamentos. Por enquanto, as propriedades que investem em genética e aproveitam de forma exemplar as terras disponívies ainda são consideradas exceção na pecuária.

Maior oferta promete atrair frigoríficos para o estado

A retomada da oferta de carne deve atrair novos frigoríficos habilitados a exportar para países da União Europeia para o Paraná e, de quebra, movimentar a economia. As instalações de empresas como o JBS Friboi de Maringá, fechado há três meses, pode ser reativadas.

“Se pudermos ampliar a pecuária, vamos atrair novamente as empresas do setor. Por enquanto, nosso rebanho é muito limitado”, afirma Péricles Salazar, presidente do Sindicarne, que representa as indústrias do setor. “Basta se organizar que os frigoríficos voltam”, complementa o agropecuarista Rogério Berger.

Atualmente, o Paraná não é autossuficiente na produção de carne de corte. Enquanto o consumo anual de carne bovina é de 350 mil toneladas, a produção é de apenas 312 mil toneladas. Fazendas que criam gado para cortes especiais na região de Curitiba mal dão conta da demanda de restaurantes instalados na capital, apesar da avaliação de que poderiam exportar a produção.

Existem iniciativas de melhoramento do rebanho. O Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), por exemplo, trabalha no desenvolvimento da raça Purunã, resultado do cruzamento de diversas espécies, que reúne características consideradas ideais para as condições regionais de criação.

“[O Purunã] é resistente, não exige clima, ganha bom peso por dia e a carcaça atende às exigências de cobertura de gordura feitas pelos frigoríficos”, diz o pesquisador do Iapar Daniel Perotto. Por enquanto, a raça é criada por cerca de 20 pecuaristas no estado. A previsão é que escala seja cada vez maior.

Evolução da aftosa no Paraguai pode impactar vendas do Brasil


Rafael Vigna
ANA PAULA APRATO/JC
Para Moussalle, só interdição total do Paraguai beneficiaria o Estado
Para Moussalle, só interdição total do Paraguai beneficiaria o Estado
O Serviço Nacional de Qualidade e Saúde Animal (Senacsa) do Paraguai anunciou ontem que todos os animais infectados com a febre aftosa, em propriedades da província de San Pedro, foram abatidos. Ao todo, 164 cabeças de gado, de três fazendas próximas da fronteira com o Brasil, foram sacrificadas com a utilização de rifle sanitário e enterradas em covas, conforme o protocolo de procedimentos da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Uma semana depois da confirmação de um foco do vírus, as autoridades paraguaias não suspeitam de novas ocorrências no país, mas mantêm o alerta e a restrição da circulação de animais na região afetada. No Brasil, enquanto o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) intensifica a fiscalização da entrada em quatro estados, surge a preocupação com o cenário das exportações da carne in natura. No Rio Grande do Sul não é diferente.

Considerado pela OIE um território livre da febre aftosa com vacinação, o Estado passa a depender da evolução da situação paraguaia para manter expectativas e compradores no mercado externo. Especialistas afirmam que pode ser precipitado fazer qualquer tipo de projeção sobre o impacto para o setor não só no Brasil, mas em todos os países exportadores de carne do Mercosul.

Entretanto, o momento delicado para o país vizinho também pode significar um aquecimento da demanda em tradicionais compradores, que por ventura venham a embargar a entrada de carne paraguaia. Segundo o diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Carnes e Derivados do Estado (Sicadergs), Zilmar Moussalle, ainda é cedo para uma análise mais ampla. Ele é enfático ao afirmar que os produtores gaúchos não esperam que o vírus se alastre, pois isto poderia significar riscos maiores para o produto nacional, no entanto, caso as medidas não sejam eficazes para o controle da doença no Paraguai, é possível que o Estado se beneficie com a expansão da venda para alguns mercados.

"Não é o que queremos, mas se o Paraguai tiver uma interdição total, isto poderá ser benéfico aos outros países exportadores. Não só o Brasil, mas também a Argentina e o Uruguai. Os exportadores de carne são sempre os mesmos e a demanda dos mercados internacionais é crescente. No entanto, só com uma interdição total algum segmento poderá se beneficiar", revela.

Moussalle ressalta que há mais de uma semana não foram registrados novos focos e a continuidade deste cenário não deve alterar o panorama do comércio mundial de carnes. "Esperamos que o vírus não se alastre, porque também pode significar uma tragédia para toda a América do Sul. Esta é uma marca extremamente negativa para o produto no mercado internacional", alerta o diretor. De acordo com Moussalle, existem outros países mais problemáticos do que o Paraguai, com destaque negativo para a Bolívia.
FONTE: JORNAL DO COMERCIO/RS

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

PREÇOS DE BOI GORDO E VACA GORDA PARA CARNE A RENDIMENTO



*PREÇO DE CARNE A RENDIMENTO EM 09.01.2012

BOI: R$ 6,50 a R$ 6,80
VACA: R$ 6,30 a R$ 6,50

PRAZO: 30 DIAS


FONTE: PESQUISA REALIZADA

PREÇOS MÉDIOS DE BOI GORDO E VACA GORDA- MERCADO FÍSICO/KG VIVO







EM 09.01.2012
REGIÃO DE PELOTAS

KG VIVO:
BOI GORDO: R$ 3,30 A R$ 3,40
VACA GORDA: R$ 2,80 A R$ 2,95



FONTE: PESQUISA REALIZADA
POR http://www.lundnegocios.com.br

PREÇOS MÉDIOS DE GADO- MERCADO FÍSICO / KG VIVO



EM 09.01.2012  REGIÃO DE PELOTAS

TERNEIROS R$ 3,50 A R$ 3,60
TERNEIRAS R$ 3,00 A R$ 3,30
NOVILHOS R$ 3,20 A R$ 3,30
NOVILHAS R$ 3,00 A R$ 3,20
BOI MAGRO R$ 3,00 A R$ 3,20
VACA DE INVERNAR R$ 2,50 A R$ 2,60

*GADO PESADO NA FAZENDA

FONTE: PESQUISA REALIZADA
POR http://www.lundnegocios.com.br