sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Final de una etapa


Tras 15 meses en la “pole position”, el precio del novillo uruguayo dejó de ser el más alto de la región. En el país persiste una fuerte presión a la baja en las cotizaciones del gordo, en tanto que en las demás plazas regionales la tendencia ha sido de firmeza durante setiembre y la primera quincena de octubre, acortando la brecha entre Uruguay y los demás países. En donde los precios siguieron subiendo en estas dos semanas fue en Paraguay, ya que la oferta continúa siendo muy reducida y la demanda se mantiene activa tras la generalización de la apertura del mercado chileno para sus carnes.
Esta semana el novillo gordo en Paraguay cotiza entre US$ 3,37 y US$ 3,40 el kilo carcasa, en tanto que en Uruguay la industria pasa precios —a los que no se hacen muchos negocios todavía— de entre US$ 3,30 y US$ 3,35, con algunas plantas posicionadas más abajo aun.
La amplia dispersión en las cotizaciones regionales, que fue la norma desde el primer semestre de 2012 hasta agosto pasado, dejó lugar ahora a niveles de precio mucho más parejos. El sobreprecio del novillo en Uruguay respecto al promedio de los estados exportadores de Brasil pasó de US$/k carcasa 0,60-0,80 hasta agosto pasado a escasos 19 centavos esta semana, como se puede observar en el segundo gráfico.
Desde la industria frigorífica se venía advirtiendo de forma repetida que aquella enorme diferencia entre los precios internos y los de los competidores en la región (y fuera de ella, porque la situación era similar al comparar con Australia) no era sostenible y que más tarde o más temprano la brecha debía acortarse. Esto fue lo que sucedió, en parte por la baja de las cotizaciones locales y en parte porque subieron en el exterior. En Brasil y Paraguay la pos zafra se hizo sentir. En Sao Paulo, por ejemplo, el precio del novillo subió algo más de 10% en reales hasta la primera quincena de octubre. A su vez, la valorización del real desde el piso de principios de agosto (pasó de R$/US$ 2,40 a 2,17, otro 10%) también contribuyó. El novillo en los principales estados exportadores brasileños pasó de un piso de menos de US$ 2,70 en agosto a US$ 3,15 esta semana, y en Sao Paulo alcanzó los US$ 3,35, equilibrándose con el precio uruguayo.
Dado que el mercado interno se encamina en estas próximas semanas hacia una situación de mayor oferta, se supone que el precio uruguayo no volverá a distanciarse del resto de la región. Además, fruto del aumento de las existencias y de una creciente cantidad de animales de reposición, la expectativa es que la oferta de animales para faena el año próximo (y el siguiente) crezca en comparación con los pisos de poco más de 2 millones de estos últimos. La situación será de más tranquilidad para la industria (y para los invernadores) al momento de salir al mercado a buscar materia prima.
Por lo tanto, la etapa de sobreprecios en Uruguay respecto a sus competidores parece que queda atrás, y de ahora en más las cotizaciones regionales volverán a estar equilibradas. Aunque sigue habiendo argumentos para que el precio uruguayo sea algo superior al del resto de la región (acceso directo a los puertos de China es el más significativo), todo indica que las muy grandes diferencias del último año no se repetirán en el mediano plazo.
fonte: Tardaguila Agromercados

Cotações Carne Pampa

 Carne Pampa

PREÇOS MÍNIMOS PARA NEGOCIAÇÃO DIA 25/10/2013
INDICADOR ESALQ/CEPEA DE 24/10/2013 - PRAÇA RS


Ver todas cotações    Ver gráfico

MACHOSPrograma**H & B***
CarcaçaR$ 6,80R$ 6,69
KG VivoR$ 3,40R$ 3,35
FÊMEASPrograma**H & B***
CarcaçaR$ 6,40R$ 6,38
KG VivoR$ 3,04R$ 3,03
** Programa - Indicador Esalq/Cepea MaxP L(6)
*** H & B - Indicador Esalq/Cepea Prz L(4)
PROGRAMA CARNE CERTIFICADA PAMPA

O boi disparou!!! quem duvidava? eu não...

No dia 16 de setembro escrevi e postei em meu blog um alerta dizendo que este final de ano tudo indicava que os preços do boi seriam melhores do que 2012, e que sua recuperação de preços seriam mais cedo do que em anos anteriores no RS ( vejam: http://www.blogger.com/blogger.g?blogID=4563033299780970469#editor/target=post;postID=5076159795229163657;onPublishedMenu=allposts;onClosedMenu=allposts;postNum=119;src=postname ).
Algumas pessoas me disseram que iriam me cobrar o que eu tinha escrito escrito, pois esta ai, podem cobrar , já está acontecendo até antes do que eu imaginava. Os preços pagos pelo boi gordo R$ 6,80 e vaca gorda R$ 6,50, hoje 25.10.2013, já são comuns. O boi disparou!!! quem duvidava? eu não...


quinta-feira, 24 de outubro de 2013

CREACIÓN DE LA NUEVA CATEGORÍA BOVINA M.E.J. (MACHO ENTERO JOVEN)”

fonte: conecar ganadera

1.    Introducción

Recientemente el Ministerio de Agricultura, Ganadería y Pesca de la Nación a través de la ONCCA (Oficina Nacional de Control Comercial Agropecuario) establece la creación de una nueva categoría de faena bovina: El MEJ (Macho Entero Jóven): animal macho joven entero (con testículos), con hasta DOS (2) dientes incisivos permanentes al momento de la faena, cartílagos intervertebrales de la región sacra con incipiente osificación y músculo retractor del  pene presente.
En las instalaciones del feed lot Conecar, ubicado en las cercanías de la ciudad de Carcarañá, Santa Fé, se realizaron y continúan en desarrollo una serie de ensayos con diferentes razas bovinas, que dieron origen a la nueva categoría. El proyecto surge por iniciativa de la empresa Quickfood | Marfrig junto a Conecar S.A.
Es sabido desde hace tiempo que el macho bovino entero crece más rápido, utiliza el alimento más eficientemente y produce una res de mayor rendimiento y menor grasa que los castrados. Pero las grandes desventajas siempre han sido temperamento agresivo; menor terneza; color oscuro de la carne; menor cobertura grasa y menor marmoreo.
Era necesario volver a evaluar al macho entero y situarlo en los sistemas productivos actuales. En varios países hace varios años que se engordan los “Toritos”, por qué no en la Argentina?

2.    Objetivo

Evaluación productiva en feed lot y frigorífico de machos enteros jóvenes engordados a corral.

3.    Materiales y métodos

Se utilizaron lotes comparativos de novillos y machos enteros jóvenes, dispuestos en el área de investigación de Conecar Feedlot con 25 cabezas en promedio por corral. Se ensayaron las razas Braford, Holando, Hereford y Angus.
El alimento utilizado es el que se ofrece a los animales con destino a exportación dentro del feed lot, sin realizar modificación alguna. Se trata de una dieta a base de concentrados con aporte de 10% de fibra efectiva a partir de heno de alfalfa y cáscara de maní, resultando químicamente con una composición de 14% proteína bruta y 2,9 Mcal. Se realizaron durante el período de engorde pesajes control mensuales y se valoró por inspección el comportamiento.
La última etapa del estudio involucró la faena de los animales, donde se evaluaron las características industriales de la carne.

4.    Resultados

A continuación se detallan en términos relativos las diferencias productivas entre machos enteros y castrados clasificados por raza:
Peso prom. ingreso: 180/200Kg.
Peso prom. egreso: 460/500Kg.
Tabla
Detalle de resultados expresados en gráficos:
Tabla 2Tabla 3
Valores informados en escala logarítmica

5.    Discusión y conclusión


A pesar que se ha descrito el comportamiento agresivo del macho entero como una desventaja para su utilización en los sistemas de producción de carne bovina, en este estudio no se presentaron inconvenientes al respecto.
Los machos enteros muestran mayor velocidad de crecimiento que los castrados, siendo en promedio 10,5% y  una diferencia en la relación de conversión alimenticiade 15,7% a favor de los M.E.J.
Se considera valor extremo el obtenido al comparar la conversión alimenticia de los M.E.J. Braford y novillos de la misma raza. La razón es atribuible a su genética, dado que los primeros eran provenientes de Cabaña. Resulta necesario volver a evaluar.
La comparación del grado de terminación utilizando la escala de cuatro valores (0, 1, 2 y 3) mostró una mayor proporción de animales en las categorías de menor grado de engrasamiento en el caso de los M.E.J. 
La evaluación de la calidad organoléptica de la carne llevada a cabo por el INTI (Instituto Nacional de Tecnología Industrial), (datos no informados) permitió calificar a la carne de los machos enteros jóvenes como carne que cumple con los parámetros sensoriales apreciados por los consumidores.
Los resultados obtenidos en el presente trabajo, coinciden con otros similares realizados en otros países y demuestran una vez más que en términos productivos, el macho bovino entero es superior al novillo, con mejores ganancias diarias de peso que se traducen en una mejor relación de conversión alimenticia, mayor rendimiento en frigorífico y una terminación adecuada a la demanda de carne magra del mercado.

6.    Esquemas

Sistema de producción MEJ razas lecheras

Sistema de producción MEJ razas carniceras

Beneficios del sistema productivo MEJ
Grafico

7.    La importancia de la articulación público-privada

La interacción constante entre los organismos públicos y privados durante el desarrollo de los ensayos, sumado a los resultados que avalaron la viabilidad productiva y de calidad de carne de los animales en estudio, posibilitaron que el MINAGRI incorpore por medio de la resolución 4906/2010 la nueva categoría bovina MEJ y pueda ser fiscalizada por ONCCA y adoptada porSENASA.
Logos varios

8.    Estadísticas

A partir de datos informados por ONNCA se calculó:
Sobre la faena anual promedio de novillos en Argentina de 3,3 millones de cabezas, si el 20% fuese MEJ:
a.      Se obtendrían 6.000 toneladas adicionales de carne (20.000 medias reses)
b.      Para producirlas se requerirían aprox. 300.000 Kg. de alimento balanceado de menos
c.       Se podría abastecer el consumo de carne de 120.000 habitantes por año.
Todo representaría una reducción de costos de $200 millones al año.

Publicaciones

Morao, G.A.; Adrién R., M.J. (2010) “Desempeño productivo, tipificación y rendimiento a la faena de machos enteros jóvenes engordados a corral”. Revista InVet – Investigación Veterinaria -  publicado bajo la categoría COMUNICACIÓN CORTA.http://www.fvet.uba.ar/publicaciones/xindex.php y en la base on line SciELO http://www.scielo.org.ar/scielo.php/script_sci_serial/pid_1668-3498/lng_es/nrm_iso
Departamento de investigación y desarrollo Conecar S.A. – Feed lot Conecar, Zona rural Correa.
Morao, Gustavo; Adrién Rüegger, M. Julia; Gonsolin, Rodolfo; Di Pietro, Franco; Medina, Matías; Pianetti, Verónica. “Nueva categoría Bovina: M.E.J. (macho entero jóven). Dpto. Investigación y Desarrollo - CONECAR S.A. – Presentación 3º edición del Congreso Argentino de Nutrición Animal 2011, Centro de exposiciones Parque Norte de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires.
Adrien Rüegger, M. J.; Morao, G. A.; (2011) “Desempeño productivo, rendimiento y tipificación de M.E.J Hereford y Braford en Feed lot”. Presentación en el 34° Congreso Argentino de Producción Animal (AAPA) y Asociacion Americana de Ciencia Animal (ASAS- American Society Animal Science),  Mar del Plata – Buenos Aires.
fonte: 

Crescimento nas pistas de primavera

Capitalização do produtor permite investimentos e dá maior poder de barganha na compra

Gisele Loeblein: Crescimento nas pistas de primavera Andréa Graiz/Agencia RBS
Média do preço dos animais deve ficar pelo menos 15% maiores do que as registradas no ano passadoFoto: Andréa Graiz / Agencia RBS




















A cada novo lote de animais vendido, a temporada de remates de primavera do Estado vai consolidando resultados expressivos. As médias e o faturamento obtidos em leilõesparticulares e feiras oficiais têm superado projeções feitas no início do período.
Presidente do Sindicato dos Leiloeiros Rurais do Estado (Sindiler), Jarbas Knorr já estimava um crescimento entre 15% e 20%. Agora, com as vendas se encaminhando para o fim, assegura que as médias dos animais serão pelo menos 15% maiores do que as registradas no ano passado.
Uma combinação de fatores ajuda a explicar esse desempenho singular, na visão de Knorr. A oferta de touros e fêmeas de qualidade é um deles.
— A genética oferecida, que tem atraído cada vez mais compradores de outros Estados, talvez seja o grande ponto alto da temporada — avalia Francisco Schardong, presidente da Comissão de Exposições e Feiras da Federação da Agricultura do Estado.
Outro fator a ser considerado é a capitalização do produtor rural, que permite investimentos e dá maior poder de barganha na compra. Para Knorr, esta deve ser a melhor temporada dos últimos anos.
— Os resultados mostram que a pecuária está dando resposta mesmo com a pressão das lavouras de soja — completa Schardong, em uma referência ao avanço do grão no Estado.
Para o dirigente, o crédito liberado para as exposições, com juros compatíveis, também impulsiona as vendas. Criadores buscam nos leilões da primavera reprodutores — touros e fêmeas — com qualidade reconhecida para melhorar a produção. O impacto desse investimento também chega ao consumidor final, já que a pecuária eficiente garante a carne desejada.
fonte: Zero Hora

Com o apoio do governo e planejamento a longo prazo, Uruguai tem rebanho 100% certificado

Com um rebanho bovino quatro vezes maior do que a população urbana, o Uruguai tem 100% de seus animais identificados e quase a totalidade rastreada. A condição permite ao vizinho do Mercosul ser um dos maiores exportadores de carne de gado do mundo, abastecendo mais de 130 mercados, entre os quais países da Europa, Ásia e Oriente Médio.
O trabalho começou ainda em 2005, quando o Ministério da Agricultura instituiu um programa de identificação obrigatória de todos os animais, chegando hoje a totalidade de 11,7 milhões de cabeças.
“O governo forneceu o brinco para todos os produtores e planejou um programa de longo prazo”, conta o médico veterinário José Carlos Ustárroz Pêgas, que administra duas estâncias no Norte uruguaio.
15740747
Para os criadores uruguaios, é atribuído o custo da leitura e da emissão de um certificado. O sucesso do programa, na visão de Pêgas, deu-se pela forma que a rastreabilidade bovina é encarada no país, como uma questão de segurança alimentar.
“O Uruguai trata desse programa com muita seriedade, com um controle severo e radical”, avalia o veterinário, acrescentando que a estrutura uruguaia de inspeção é bem mais simples que a do Brasil, por exemplo.
Modelo semelhante foi adotado pelo estado de Santa Catarina, onde todo o rebanho de 4 milhões de cabeças foi identificado. A medida foi adotada para diferenciar os animais livres de vacinação. O trabalho de identificação durou quase 10 anos.
fonte: Zero Hora

Variações de preços do boi gordo entre outubro e novembro desde 2002

por Hyberville Neto


Foram analisadas as variações de preços entre outubro e novembro, de 2002 a 2012, em São Paulo.

No intervalo os preços subiram, em média, 3,1%. Veja a figura 1. 


No período analisado houve recuos apenas em 2006, 2008 e 2009. A maior valorização ocorreu em 2007, de 13,5%.

Tipicamente, novembro é um período de diminuição da oferta de animais confinados, associado a uma demanda crescente e oferta ainda em recuperação de animais de pasto.

Nas últimas semanas o consumo não assimilou os preços em alta da carne bovina. Isto pressionou o mercado, mesmo sem excesso de oferta.

Pode ser que valorizações maiores sejam pouco prováveis para o curto prazo, devido a este sinal da demanda. De toda forma, o cenário atual não aponta para desvalorizações expressivas no próximo mês.
fonte Scot Consultoria

Programa Carne Angus


SÓ ANGUS MERGULHÂO 2013


NE pode superar Pará no embarque de gado vivo

Projeção foi feita pelo Mapa e deve ser resultado do avanço no status de aftosa


A conquista do status de livre aftosa com vacinação pode tonar a Região Nordeste a maior exportadora de gado vivo para abate nos países de destino. A previsão é do diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Guilherme Marques, que aposta no potencial da região para explorar o novo nicho de mercado e ultrapassar o Pará, que responde por mais de 90% das vendas externas de animais vivos.

Marques afirmou que há duas semanas o Ministério da Agricultura deu mais um passo para o reconhecimento internacional da Região Nordeste como livre de aftosa com vacinação ao encaminhar um relatório para a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Ele explicou que o pleito do governo brasileiro será analisado por um grupo de especialistas e caso receba parecer favorável será apreciado pelo comitê científico da OIE. Após o comitê aprovar o pleito, o passo seguinte será consultar os 178 países membros da OIE, que terão dois meses para se manifestar sobre o assunto. Se todas estas etapas forem superadas, a Assembleia Geral dos Delegados da OIE, em maio do próximo ano, dará o reconhecimento internacional da Região Nordeste e norte do Pará como livre da aftosa com vacinação.

O diretor acredita que o reconhecimento internacional permitirá a venda de animais vivos, tanto para abate imediato quanto para engorda e reprodução, para mercados como Venezuela, Egito, Líbano e Turquia. Uma das vantagens da região é a possibilidade de embarques por via marítima para esses países com redução dos gastos com frete. Segundo ele, um navio leva de 20 a 30 mil animais 'meio sangue e meio gordos' que terão sua terminação na embarcação, já que passam cerca de um mês até chegarem ao destino. “Esses navios se parecem com fábricas de ração, a fim de que os animais desembarquem gordos. O preço desses animais é alto quando comparado aos dos animais de abate na região nordestina”,afirmou.

Marques disse que o governo tem condições de aprovar novos estabelecimentos para embarque de animais vivos, pois existe uma legislação que estabelece as diretrizes a serem cumpridas. Ele salienta que os animais ficam em situação de quarentena nestes estabelecimentos, onde é realizada uma bateria de exames conforme a exigência do importador. Após o período de quarentena, será permitido o embarque. 'Sendo a zona reconhecida internacionalmente como livre de aftosa a partir de maio de 2014, só será necessário existir empresários interessados e ter oferta de matéria prima', afirmou o diretor.
Fonte: Agência Estado

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Secretaria da Agricultura publica edital de concurso público


Fonte: Marcos Pérez / Assessoria de Comunicação da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio
Secretaria contratará mais 130 veterinários, engenheiros agrônomos e engenheiros florestais para reforçar serviço de Defesa Agropecuária
Secretaria contratará mais 130 veterinários, engenheiros agrônomos e engenheiros florestais para reforçar serviço de Defesa Agropecuária - Foto: Eduardo Seibt

O Diário Oficial do Estado publica nesta terça-feira o edital de abertura do concurso público para a seleção de 130 profissionais veterinários, engenheiros agrônomos e engenheiros florestais que atuarão como fiscais agropecuários e técnicos superior agropecuário na Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio.
O período de inscrições abre na próxima quarta-feira (23) e se encerra no dia 06 de novembro.
Confira, abaixo, as vagas que serão disponibilizadas:

120 VAGAS PARA FISCAL ESTADUAL AGROPECUÁRIO, ASSIM DISTRIBUÍDAS:
Departamento de Defesa Agropecuária: Médico Veterinário 100 vagas
SUPERVISÃO REGIONAL
VAGAS
ALEGRETE
01
BAGÉ
01
CAXIAS DO SUL
15
CRUZ ALTA
03
ERECHIM
04
ESTRELA
12
IJUÍ
03
LAGOA VERMELHA
08
OSÓRIO
05
PALMEIRA DAS MISSÕES
09
PASSO FUNDO
11
PELOTAS
03
PORTO ALEGRE
03
RIO PARDO
06
SANTA ROSA
06
SÃO LUIZ GONZAGA
05
SOLEDADE
05



GERÊNCIA DE DEFESA VEGETAL: Engenheiro Agrônomo 020 vagas
SUPERVISÃO REGIONAL
VAGAS
ALEGRETE
01
BAGÉ
02
CRUZ ALTA
02
ESTRELA
02
IJUÍ
01
LAGOA VERMELHA
04
OSÓRIO
01
PALMEIRA DAS MISSÕES
03
SOLEDADE
02
URUGUAIANA
02

10 VAGAS PARA TÉCNICO SUPERIOR AGROPECUÁRIO E FLORESTAL, ASSIM DISTRIBUÍDAS:

Técnico Superior Agropecuário (Médico Veterinário, Eng. Agrônomo e Eng. Florestal) : 10 vagas
COORD.REGIONAL DA AGRICULTURA
VAGAS
PORTO ALGRE
10

O edital, na íntegra, poderá ser consultado a partir do final da manhã desta terça-feira(22) nos sites da Fundação de Desenvolvimento de Recursos Humanos (www.fdrh.rs.gov.br) ou da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (www.agricultura.rs.gov.br). O edital estará à disposição também na FDRH, na Av. Praia de Belas, nº 1.595,em Porto Alegre e na SEAPA, na Av. Getúlio Vargas, 1384.

Marfrig não venderá mais seus ativos, afirma Sérgio Rial

Em evento realizado na capital paulista, o futuro CEO do grupo desmentiu rumores de que ativos da empresa serão vendidos, assim como a Seara

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Com a venda de 103 animais Angus, Remate Sossego-Cambápytá rende R$ 450 mil

 Realizado no último sábado (12/10), no Parque do Sindicato Rural de Santana do Livramento (RS) a segunda edição do Remate Sossego- Cambápytá (organizado pela Cabanha Sossego, localizada em Santana do Livramento (RS), e pela Cabanha Cambápytá, do Uruguai) faturou mais de R$ 450 mil.
“O leilão foi um grande sucesso, com a venda de todos os touros levados à pista por um valor médio elevado, próximo dos R$ 8 mil”, destacou o proprietário da Cabanha Sossego, Luiz Escosteguy. Segundo ele, o resultado reflete a grande demanda do mercado pelos touros Angus. “Há um interesse extraordinário pela raça. Tivemos clientes vindos de outros estados, inclusive de fora da região Sul, atrás da nossa genética. São compradores que vieram no passado e que voltaram este ano, o que nos indica que estamos no caminho certo em nosso trabalho de seleção”, afirma Escosteguy.
Ao todo, segundo o criador, foram vendidos 28 touros Puros de Origem (PO), que renderam um faturamento de R$ 222 mil. O remate também teve a venda de 75 fêmeas Angus PO e PC (Puro Controlado), que movimentaram R$ 228 mil, com médias de R$ 5,1 mil para as vacas PO e de aproximadamente R$ 2,1 mil para os ventres PC.

13° Remate Só Angus movimenta R$ 720 mil, em Pelotas (RS)

 Com 89 animais vendidos o 13º Remate Só Angus, realizado no último domingo (13/10), em Pelotas (RS), registrou faturamento total de quase R$ 720 mil.
Realizado pelas cabanhas Albardão, Tradição, Santa Amélia e Santa Joana, todas de Santa Vitória do Palmar (RS), o remate reuniu em pista o legado de quatro décadas de trabalho dos tradicionais criatórios da raça.
Os touros foram o grande destaque do remate. Ao todo, foram vendidos 84 animais Puros de Origem (PO) e Puros Controlados (PC), os quais fizeram média de R$ 9 mil para os PO e uma média de R$ 8,2 mil para os PC.
Já entre as vaquilhonas leiloadas o valor médio registrado foi de mais de R$ 3 mil.
“Foi um remate de muito sucesso, com pista ágil e limpa. Tudo resultado da qualidade dos animais ofertados. Muitos dos presentes afirmavam estar vendo ali a melhor seleção de animais do País”, afirmou o proprietário da cabana Albardão, Carlos Campos.

Remate Santa Eulália fatura R$ 675 mil em Pelotas (RS)

Com boas médias tanto nos animais Angus Puros de Origem (PO), quanto nos Puros Controlados (PC) o tradicional Remate Santa Eulália, realizado na última sexta-feira ( 11/10), em Pelotas (RS), registrou faturamento total de R$ 675 mil com a venda de 81 animais rústicos, selecionados para a criação à pasto.
Entre os machos PC, segundo o proprietário da Cabanha Santa Eulália, Joaquim Francisco Bordagorry de Assumpção Mello, o valor médio pago por animal ficou perto da casa do R$ 10 mil (R$ 9.939). Já entre os animais PO a média ficou em R$ 9768. Os grandes destaques entre os machos foram um touro PC arrematado por R$ 15.750. O valor superou inclusive o pago por um dos exemplares PO grande campeão na 87ª Expofeira da Associação Rural de Pelotas (RS), leiloado por R$ 13.500.
Para Mello, as médias elevadas observadas nos leilões que abrem a estação da primavera são reflexo da valorização dos terneiros Angus no mercado. “Quem vem comprar touro é, em sua maioria, produtor de terneiros. E com a valorização os preços dos touros acabam subindo também” comemora o criador.
No remate foram vendidas ainda fêmeas PO e PC, por médias de R$ 7 mil e R$ 6 mil, respectivamente.

Remate Catanduva fatura R$ 591 mil e registra médias altas para fêmeas na temporada


 O remate da Cabanha Catanduva, realizado no último domingo (13/10), no Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio (RS) registrou uma as maiores médias da temporada. Os destaques foram as 25 vacas Angus Puras de Origem (PO) rústicas, que atingiram média de R$ 10,2 mil. O exemplar mais valorizado foi a fêmea Santa Sérgia Honora Zorzal 2718 com uma terneira ao pé. O comprador Jaime Koling, de Mato Grosso, adquiriu 50% da matriz por 50 mil reais.
Entre os touros a média foi de R$ 8,4 mil por animal, com destaque para a venda do Catanduva Verídico, campeão da prova de Avaliação de Angus Embrapa Bagé 2012/2013, por 28 mil reais, adquirido pela Fazenda Pantano, de José Romeu Machry.
De acordo com a proprietária da Cabanha, Fabiana Gomes, boa parte da oferta foi arrematada por clientes de estados como Minas Gerais, Mato Grosso e Paraná. Para ela, essa procura vinda de fora da região Sul confirma a vocação da cabanha em produzir matrizes e reprodutores com genética própria adaptada ao clima brasileiro tipicamente subtropical cujas temperaturas podem atingir mais de 35°C.
Ao todo, o evento registrou faturamento de R$ 591,8 mil com a venda de 63 animais. Antes do início do remate, os presentes no Parque Assis Brasil assistiram a uma apresentação dos tenores do teatro Colón, da Argentina, acompanhados pelo quarteto de cordas do Teatro da Ospa.

Carcávio, Pedra Grande e Santo Antonio comercializam R$483 mil em Santana do Livramento

O Remate das estâncias Carcávio, Pedra Grande e Santo Antônio, realizado no último dia 17 de outubro em Santana do Livramento, comercializou R$ 483 mil com a comercialização de 104 animais da raça Braford.

Chancelado pela ABHB, o remate teve a média dos 39 touros Braford de R$ 7.674,67. As 65 fêmeas da raça foram comercializadas com média de R$ 6.186,00.

Eduardo Soares, da Carcávio, comentou que o remate foi um sucesso: "O remate definiu-se pela demanda de mercado pelas raças Braford e Hereford. Os machos ofertados obtiveram pista limpa, assim como as fêmeas." disse Soares.

Remate chancelado em Caçapava do Sul supera médias de R$ 8 mil para as raças Hereford e Braford


No dia 14 de outubro aconteceu no município gaúcho de Caçapava do Sul mais um remate chancelado pela ABHB, no qual foram comercializados 48 reprodutores HB, sendo 24 de cada raça, com faturamento de R$ 406.040,00.

A média dos reprodutores Hereford ficou em R$ 8.130,00 com preço top de R$ 10.500,00 para quatro reprodutores da Agropecuária São Jorge.

Na Raça Braford, a média dos reprodutores foi de R$ 8.787,50 e o preço top R$ 13.800,00 para o reprodutor tatuagem 112 da Parceria Pecuária Ita.

Estâncias Mauá e São Bento realizam Remate Genética em Dose Dupla.

A parceria entre as estâncias Mauá, de Santa Vitória do Palmar, e São Bento, de Santana do Livramento, ambas no Rio Grande do Sul, realizou no dia 10 de outubro, em Pelotas, o leilão Genética em Dose Dupla, comercializando R$230.700.
Nos reprodutores Braford a média foi de R$ 7.133, já nos Polled Hereford R$ 11.100.
Entre os destaques do Remate a Fazenda Mãe Rainha, de Lages/SC, que participou como convidada do remate, comercializou um touro Braford por R$ 11.500. O reprodutor de tat. 4112 obteve o 4º lugar na PAC 2012/13. Já a Estância Mauá vendeu o Supremo Campeão Hereford Rústico da Expointer, o animal dupla marca (HH) de tat. 288 foi vendido por R$ 31.200.
Genética em Dose Dupla também teve a chancela da Associação Brasileira de Hereford e Braford.

Leilão Heritage aponta médias de R$ 8,3 mil nos reprodutores Hereford e Braford



Realizado pelo Grupo Pitangueira e Fazenda Irapuá no dia 12 de outubro no Ginásio da Fenarroz (Cachoeira do Sul/RS), o Leilão Heritage faturou R$ 1.137.750,00 com a comercialização de reprodutores e matrizes das raças Hereford e Braford, superando em 99% o resultado do ano anterior, quando a comercialização R$ 571,8 mil.

As médias desta edição foram de R$ 9,7 mil para os reprodutores Braford, R$ 6,5 mil para as fêmeas da mesma raça. Na Raça Hereford, a média dos touros foi de R$ 7,6 mil enquanto a das fêmeas, de R$ 1,9 mil.

Acordo UE-Canadá afetará exportações brasileiras


O acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Canadá, concluído na sexta-feira em Bruxelas, afetará exportações brasileiras e sinaliza crescentes dificuldades para o Brasil nas trocas globais.
O pacto foi possível após acerto sobre questões agrícolas que bloqueavam as negociações havia meses. Para os canadenses, o acerto é uma "bênção para os exportadores de carnes" especialmente - e o contrário para os brasileiros.
A cota para o Canadá exportar carne bovina para a UE passará das atuais 11.500 toneladas, com tarifa de 20%, para 50 mil toneladas livres de tarifa, dando enorme vantagem a seus produtores. A exportação fora da cota paga € 3.600 por tonelada, na média. O Canadá poderá vender qualquer tipo de carne bovina, não só a de melhor qualidade, desde que sem hormônio.
Os produtores de carne de porco ganham ainda mais. Sua cota passará para 81 mil toneladas sem tarifa, contra 4.600 toneladas hoje com tarifas variáveis e pesadas.
Os canadenses obtiveram ainda cota para exportar 3 mil toneladas de carne de búfalo sem alíquota. Carne de frango ficou fora a pedido canadense e também pelo pouco interesse exportador europeu. Produtos florestais, de mineração, de telecom e frutos do mar canadenses também terão benefícios.
Em contrapartida, a UE terá cota de 30 mil toneladas de queijo no Canadá sem tarifa. E poderá exportar mais facilmente vinhos e outros produtos agrícolas processados (PAP), além de carros de luxo.
Empresas dos dois lados terão ainda melhor acesso a compras governamentais. Sobretudo, haverá mais aproximação entre medidas técnicas no comércio, que hoje são a principal barreira nas trocas.
"Esta é a primeira vez que a UE assina acordo de livre comércio com outro membro do G-7 [países ricos] e é uma espécie de primeiro passo, um aquecimento, para a negociação com os EUA", diz Alfredo Valladão, presidente do conselho da UE-Brasil, que busca estimular as relações entre Europa e Brasil.
"Vários problemas com o Canadá são os mesmos que com os EUA, sobretudo em matéria de regulação. O acordo não é só baixar tarifas, é harmonizar marcos regulatórios, reconhecimento comum de produtos. Isso é que é importante hoje. As maiores barreiras são medidas técnicas ao comércio."
Se EUA e UE conseguirem negociar, poderão impor padrões globais. Quem quiser vender para os dois maiores mercados consumidores do planeta terá de se conformar com suas regras comuns. "Significa que o que a gente viveu com as exigências do sistema Reach [para exportação de produtos químicos] na Europa será multiplicado por milhões", diz Valladão.
"Esse acordo com o Canadá estabelecerá alguns padrões para outras negociações", avisou o presidente da Comissão Europeia, José Durão Barroso O comércio UE-Canadá, de mais de US$ 109 bilhões por ano, pode aumentar 23% com o acordo, segundo os europeus.
O Brasil está ameaçado de perder nos dois tabuleiros. De um lado, a UE já tinha avisado ao Mercosul que, em caso de fazer antes acordos comerciais com o Canada e os EUA, vai ter menos cotas (volume limitado, com tarifa de importação mais baixa) a oferecer para produtores de carnes do bloco do cone sul. Os europeus alegam que não tem capacidade "infinita" de abertura de seu mercado agrícola.
De outro lado, "diálogo exploratório" do Mercosul com o Canadá, para uma possível negociação, está engavetado. Até agora, apenas Brasil e Uruguai declararam que estavam prontos a negociar, elevando as dúvidas canadenses sobre as intenções do Mercosul.
Em junho, no exame da política comercial do Brasil na Organização Mundial do Comércio (OMC), o Canadá manifestou "preocupação" com "crescentes divisões no Mercosul sobre a futura direção do bloco". Para o Canadá, a questão é como essas divisões afetarão a capacidade do bloco de acertar compromissos com terceiros países.
O acordo UE-Canadá deve levar dois anos para ser ratificado. Se até lá sair o acordo UE-Mercosul, o prejuízo pode ser reduzido.
Enquanto isso, outras ameaças surgem: o governo da Austrália fixou prazo de 12 meses para fechar um acordo de livre comércio com a China, hoje principal parceiro comercial do Brasil. Os australianos são concorrentes em exportações de minérios e carnes, por exemplo.
 
Fonte:  Valor Econômico

VACAS DE INVERNAR A VENDA

VACAS DE INVERNAR
Lote: 0193
Quantidade: 50
Peso Médio: 350
Sexo: Fêmeas
Tipo idade: Anos
Idade: 4/6
Raça: Cruza Angus
Animal: Vacas de Invernar
Valor: R$ 2,75
Cidade: Rio Grande
Estado: RS
País: Brasil
Observação: Ótimas vacas para invernar, conhecem carrapato,novas.
Imagens do lote