sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Marfrig Alegrete



 
  • Ainda sem chegar a um acordo com a marfrig
    Terminou sem acordo a reunião de conciliação entre Marfrig e Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Alegrete. A negociação se estendeu por mais de quatro horas na tarde de ontem, mas conforme o Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT4), não foi possível chegar a um denominador comum.
    O sindicato busca garantir as melhores condições para a rescisão dos contratos dos 648 funcionários que trabalham no frigorífico da empresa localizado no município da Fronteira Oeste. Por ora, as demissões estão suspensas por força de liminar.
    Do encontro de ontem, saiu apenas nova data para outra tentativa de se chegar a um acordo. No dia 30 deste mês, as partes voltam a dialogar.
    Antes disso, no entanto, ficou acertada uma vistoria na planta, para a próxima segunda-feira, a ser acompanhada por dois representantes do sindicato, com o objetivo de verificar se existe a possibilidade de manutenção das operações. A medida foi sugerida pelo juiz auxiliar de conciliação do TRT-RS, Luís Henrique Bisso Tatsch, e seria condição importante para o avanço da negociação coletiva.
    – Queremos que liberem a planta pelo mesmo valor de aluguel que pagam hoje, e que fique em condições de funcionar – afirma Marcos Rosse, presidente do sindicato.
    É que existiriam outros grupos interessados em assumir o processamento de carnes na unidade.
    O governo do Estado estava mediando essas negociações. Mas a Marfrig já vinha removendo materiais da planta, deslocados para as outras unidades da marca no Estado. Em nota enviada à coluna no início do mês, a empresa afirmou que não existia restrição legal para a retirada de bens e equipamentos.
    A Marfrig anunciou, na primeira quinzena de dezembro, que encerreria as atividades do frigorífico, desligando os funcionários. A companhia é a segunda maior empregadora do município de Alegrete, perdendo apenas para a prefeitura municipal.
  • zero hora

URUGUAY - Referencia de precios de hacienda

Exibindo

Alegrete: TRT-RS inicia mediação entre frigorífico Marfrig e sindicato profissional


Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria de Alimentação e Afins. A reunião deu início às tratativas de acordo que buscam alternativas à despedida em massa de mais de 600 trabalhadores em Alegrete, anunciada pela Marfrig devido ao fim de suas atividades no município. A despedida foi suspensa por decisão liminar da juíza Fabiana Gallon (titular da Vara do Trabalho de Alegrete) no dia 26 de dezembro, até que ocorra negociação coletiva entre a empresa e os trabalhadores.
Durante a mediação, foi agendada uma vistoria na unidade da Marfrig em Alegrete, para verificar se o frigorífico encontra-se em condições de operação. A vistoria ocorrerá no dia 23 de janeiro, às 9h, e contará com a presença de dois representantes do sindicato. A medida foi sugerida pelo juiz auxiliar de conciliação do TRT-RS, Luís Henrique Bisso Tatsch, como uma forma de levantar informações que possibilitem o avanço da negociação coletiva. A reunião de mediação ocorreu na sede do Foro Trabalhista de Porto Alegre, e também contou com a participação do vice-presidente do TRT-RS, desembargador João Pedro Silvestrin. O Ministério Público do Trabalho foi representado pelos procuradores Laura Fernandes e Ricardo Garcia. A próxima mediação está marcada para o dia 30 de janeiro, no mesmo local.
fonte: Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Brasil aumenta exportação de gado vivo


Dados do dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, relativos a dezembro, apontam que o Brasil exportou 23,4 mil cabeças de bovino vivo, com faturamento total de US$19,2 milhões.
Na comparação com o mesmo período de 2015 houve aumento de 56,6% no volume de animais embarcados.
Do total, 15,7 mil animais, foram comprados pela Turquia, que em 2016 foi a maior compradora de bovinos vivos do Brasil.
Além da Turquia, em dezembro os animais foram enviados para Líbano e Egito que foram o segundo e terceiro maiores compradores do Brasil em 2016.
De janeiro a dezembro de 2016 foram exportadas 282,3 mil cabeças de bovinos pelo Brasil, 36,1% mais que em 2015.
Do total em 2016, 158,7 mil cabeças foram enviadas para a Turquia, o que corresponde a 56,2% de todos os animais exportados pelo Brasil.
fonte: Noticias Agricolas

ESTAMOS COMPRANDO VACAS DE INVERNAR PARA CLIENTES

ATENÇÃO !!! ATENÇÃO !!! ATENÇÃO!!!
ESTAMOS COMPRANDO VACAS DE INVERNAR PARA CLIENTES
*CRUZAS EUROPÉIAS
*CARCAÇUDAS
INFORMAÇÕES COM LUND 053.999941513 ou CHARLES 053.999915601

COMPRA DE TERNEIROS ANGUS!!!

COMPRA DE TERNEIROS!!!
ESTAMOS COMPRANDO PARA CLIENTE
*TERNEIROS
-ANGUS DEFINIDOS
-INTEIROS 
-CARRAPATEADOS
-DE 160 A 220 Kg
PAGAMENTO À VISTA
INFORMAÇÕES COM LUND 053.999941513 ou CHARLES 053.999915601

COMPRA DE 50 TERNEIROS CASTRADOS !!!



COMPRA DE 50 TERNEIROS CASTRADOS !!!
ESTAMOS COMPRANDO PARA CLIENTE
* 50 TERNEIROS CASTRADOS
-EUROPEUS ( MAS TEM PREFERENCIA POR ANGUS)
-CASTRADOS
-CARRAPATEADOS
-DE 160 A 180 Kg
PAGAMENTO À VISTA
INFORMAÇÕES COM LUND 053.999941513 ou CHARLES 053.999915601

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Desempenho externo das carnes na segunda semana de janeiro

 O bom desempenho das carnes na semana inicial de 2017 não se confirmou na segunda semana (8 a 14, cinco dias úteis). Pois, no período, a receita cambial do setor recuou perto de 14%.

Como resultado, a receita média diária dos 10 primeiros dias úteis do mês (de um total de 22 dias úteis) retrocedeu para US$50,116 milhões, valor que corresponde ao mais fraco resultado dos últimos 12 meses. Ou seja: se encontra 4% abaixo do que foi alcançado em dezembro passado e supera apenas (em 10,2%) o fraco resultado de janeiro do ano passado.

Em termos de volume, o maior retrocesso vem sendo o da carne de frango, cujo desempenho em 10 dias (129,1 mil/t) projeta para o mês algo próximo das 284 mil toneladas, volume ligeiramente inferior às 286,3 mil toneladas de janeiro de 2016, mas 13% menor que as 326,8 mil toneladas de dezembro passado.

Com 38,8 mil toneladas até agora, a carne bovina sinaliza embarque mensal superior a 85 mil toneladas, o que, se confirmado, significará aumento de quase 10% sobre janeiro de 2016, mas redução de pouco mais de 2% sobre o mês anterior.

Já a carne suína segue com grande expansão. Seus embarques, em 10 dias, totalizam 26,8 mil toneladas, volume que sugere total mensal próximo de 60 mil toneladas – 37% acima do que se exportou no mês passado e 50% a mais que o registrado em janeiro de 2016.

De toda forma, a contribuição principal na receita cambial continua sendo da carne de frango. Nos cerca de US$423 milhões até agora arrecadados, a carne suína tem participação de 14%, a bovina de 37% e a de frango de, aproximadamente, 49%.


AviSite

domingo, 15 de janeiro de 2017

Terneiros Europeus inteiros a Venda

TERNEIROS
Lote: 0431
Quantidade: 110
Peso Médio: 180
Sexo: Machos
Tipo idade: Meses
Idade: 5-8
Raça: Cruza Europeus
Animal: Terneiros
Valor: R$ 5,40
Cidade: Pinheiro Machado
Estado: RS
País: Brasil
Observação: Ótimo lote de terneiros inteiros, europeus, carrapateados e mamando
Imagens do lote

Terneiras Européias a Venda

TERNEIRAS
Lote: 0430
Quantidade: 60
Peso Médio: 170
Sexo: Machos
Tipo idade: Meses
Idade: 5-8
Raça: Cruza Européia
Animal: Terneiras
Valor: R$ 5,00
Cidade: Pinheiro Machado
Estado: RS
País: Brasil
Observação: Bom lote de terneiras cruzas europeias, Carrapateadas e mamando.
Imagens do lote

sábado, 14 de janeiro de 2017

Brasil exporta 1,4 milhão de toneladas de carne bovina e fatura US$ 5,5 bilhões em 2016

Incremento nas exportações em dezembro foi de 14% em volume e 7% em faturamento em relação ao mês anterior

São Paulo, 11 de janeiro de 2017 – As exportações brasileiras de carne bovina fecharam o ano de 2016 com faturamento de US$ 5,5 bilhões. De janeiro a dezembro, foram embarcadas mais de 1,4 milhão de toneladas. Em comparação com o ano anterior (2015), o volume embarcado teve um aumento de quase 1%. Porém, o faturamento registrou uma retração de 7%. 

O cenário cambial em queda somado a problemas conjunturais de importantes mercados para a carne brasileira - como Rússia, Venezuela, e Egito - refletiram negativamente nos números de exportação do setor em 2016.

Hong Kong, mais uma vez, liderou as importações de carne bovina brasileira, com 11% de aumento no volume comprado e 5% em receita. Outro grande destaque do ano foi a China, que ocupou a terceira posição entre os maiores compradores do produto nacional.
 
Posição
País
Faturamento US$ (jan a dez/2016)
Volume em toneladas (jan a dez/2016)
1
HONG KONG
1.145.445.399,01
330.509,84
2
UNIÃO EUROPEIA
739.346.247,05
117.767,70
3
CHINA
706.297.670,92
165.754,27
4
EGITO
551.273.132,52
176.871,89
5
RÚSSIA
408.156.790,68
138.785,21
6
IRÃ
369.623.740,63
94.985,17
7
CHILE
300.960.668,81
71.027,00
8
EUA
284.453.955,51
33.268,66
9
VENEZUELA
131.933.285,76
22.704,09
10
ARÁBIA SAUDITA
112.487.027,35
29.238,70

Em 2016, dentre as categorias de carne exportadas pela indústria brasileira, a in natura liderou as vendas, totalizando um faturamento de US$ 4,3 bilhões e 1,1 milhão de toneladas embarcadas de janeiro a dezembro.
 
Posição
Categoria
Faturamento US$
Volume (toneladas)
1
In natura
4.349.080.621,67
1.077.281,64
2
Industrializada
600.964.419,74
105.572,58
3
Miúdos
496.208.113,92
195.552,30
4
Tripas
49.802.242,73
18.743,91
5
Salgadas
19.706.103,09
3.283,43

Se considerado somente o mês de dezembro de 2016, o faturamento das exportações de carne bovina brasileira registrou US$ 455 milhões em vendas externas, um aumento de 7,4% em relação a novembro de 2016. Já em volume embarcado, foram 113,4 mil toneladas, com crescimento de 13,8% se comparado com o mês anterior.   
 
Posição
País
Faturamento US$ (dez/2016)
Volume em toneladas (dez/2016)
1
HONG KONG
93.799.705,57
26.174,27
2
UNIÃO EUROPEIA
66.922.681,01
10.041,74
3
CHINA
63.214.443,81
15.086,91
4
IRÃ
46.976.627,22
12.156,73
5
RÚSSIA
39.040.494,76
12.821,30
6
CHILE
37.089.123,68
8.234,07
7
EUA
19.005.741,68
2.449,37
8
ARÁBIA SAUDITA
13.689.649,91
3.433,22
9
EGITO
12.523.646,51
4.137,57
10
EMIRADOS ÁRABES UNIDOS
9.232.932,84
2.237,74


Para 2017, a Associação Brasileira das Indústrias Exportadores de Carnes (ABIEC) estima uma recuperação nas exportações com acréscimos no volume e faturamento. Novos mercados estarão no foco da entidade para este ano, como Coreia do Sul, Taiwan, Indonésia, Canadá, México e Japão. “Estados Unidos e União Europeia também estarão no centro das atenções para ampliarmos nossa presença”, afirma Antônio Jorge Camardelli, presidente da ABIEC.

Fonte: ABIEC