sábado, 21 de abril de 2018

Ventas de ganado en pie a Turquía son “fluidas” y con “precios buenos”

Continúan las búsqueda de nuevos mercados.

Embarque de ganado en pie en el Puerto de Montevideo, exportacion de ganado vacuno, ND 20141027, foto Agustin Martinez
Las exportaciones de ganado en pie a Turquía “están fluidas”, pese a que las compras son realizadas por el gobierno turco y eso “no simpatiza” a varias empresas que operan en Uruguay, dado que “se manejan con megacontratos para una o dos empresas que terminan dominando el mercado y los embarques”, contó a Rurales El País Rodrigo González, presidente de la Unión de Exportadores de Ganado en Pie.
Pese a esta situación poco cómoda para algunos exportadores, González reconoció que las empresas que venden actualmente al gobierno turco “se mueven en un mercado que está fluido y con precios que son considerados buenos para el momento”.
Explicó que esta relación con Turquía ha llevado a que las empresas que no logran contratos empiecen a buscar alternativas en otros mercados. “Los exportadores vivimos buscando mercados (…) Nos llegan solicitudes pero no son opciones similares a Turquía, que con una demanda de un millón de cabezas anuales Uruguay coloca entre el 25 a 30%. Tener ese negocio con otros mercados no resulta tan fácil”, señaló González.
El Departamento de Agricultura de los Estados Unidos (USDA, por sus siglas en inglés) había estimado en octubre del año pasado que Turquía importaría unas 700.000 cabezas en 2018, unos 200.000 animales menos versus las compras oficiales del 2017. Sin embargo, en su informe de abril elevó la demanda a 1,15 millones de vacunos, 250.000 reses más que en el año pasado.
El presidente de la Unión de Exportadores de Ganado en Pie aseguró que Turquía puede alcanzar esa importación pero afirmó que “todo puede pasar” con las colocaciones de Uruguay, entendiendo que podría existir una oportunidad para concretar la venta de más animales a ese país. “Depende de si las compras la sigue realizando el gobierno y de si las empresas quieren continuar vendiendo a precios más bajos de los que podrían alcanzar con el sector privado”, cerró.

fonte: El Pais

Turquía importará 250.000 vacunos en pie más en 2018, según el USDA

Compraría unas 1,15 millones de cabezas, en 2017 demandó 900.000 vacunos vivos.

Exportación de ganado en pie. Carga de barcos. Foto: archivo El País.
El Departamento de Agricultura de Estados Unidos (USDA, por sus siglas en inglés) actualizó su reporte anual de producción y comercialización mundial de carnes y animales en pie, y proyectó un incremento en las importaciones turcas de ganado en pie.
El USDA había estimado en octubre del año pasado que Turquía importaría unas 700.000 cabezas en 2018, unos 200.000 animales menos versus las compras oficiales del 2017. Sin embargo, en el reporte de abril elevó la demanda a 1,15 millones de vacunos, 250.000 reses más que en el año pasado.
Rafael Tardáguila, director de Faxcarne, comentó a Rurales El País que de cumplirse estas proyecciones “sería algo muy significativo para Uruguay”, que ha venido aumentando los volúmenes de exportación en los últimos años y también se refleja en los primeros meses del 2018.
Explicó que la Unión Europea es el principal proveedor de animales vivos a Turquía; y según el USDA, éstos elevarían las expectativas de exportación en unos 140.000 vacunos más. En segundo lugar, aparecen Australia y Brasil, pero no se prevé una oferta con grandes crecimientos. “De algún lado deben de salir esos animales y ahí puede estar la oportunidad para Uruguay”, comentó Tardáguila.
Comercio. El analista de mercados dijo que el primer trimestre del año fue “más intenso” para las exportaciones uruguayas de ganado en pie. De acuerdo a los datos de Aduanas, en ese período salieron del puerto de Montevideo unos 63.000 vacunos, un 58,7% frente a los mismos meses del año pasado que sumaron 26.000 reses.
fonte: El Pais

Uruguay - Plazarural vendió 54.603 vacunos en el último mes


En el segundo remate de abril fueron 17.559, el 86,5% de la oferta.

Logrando dispersar 17.559 cabezas, el 86,5% de lo ofertado, Plazarural cerró un mes extraordinario. En los últimos 30 días el grupo ofertó 66.539 vacunos, de los cuales vendió efectivamente 54.603.
“Fue un desafío grande con las más de 21 mil reses que el consorcio ofreció en su segundo remate del mes, con mucha incertidumbre por lo que pasa con la agricultura y la falta de agua en el país”, analizó Alejandro Zambrano Zerbino.
El presidente de Plazarural dijo que luego de un inesperado primer día, “donde los negocios cortos sorprendieron al mercado” (se vendieron casi 4.000 terneros a US$ 2,17); ayer se vio un mercado más corriente en la ternera “manteniendo el promedio de US$ 1,78, pero mejorando la expectativa en el resto, incluso en los preñado con casi 75% de ventas de la voluminosa oferta a un buen promedio de US$ 525 .
Zambrano aseguró que la dinámica quedó claramente reflejada “por la puntualidad en que se condujeron las ventas en todo momento y la cantidad de gente que participó en vivo desde el hotel Cottage (con sorteo de premios entre todos los asistentes).
Y así, dijo, “Plaza demostró una vez más la fortaleza del sistema de ventas, casi que único en el mundo, que alcanzó valores de referencia difíciles de conseguir en negocios en el campo”.
Muy bueno.
El Ing. Fernando Indarte Gianoni destacó la “altísima colocación de terneros enteros y destetados “, así como las vacas invernada, “con gran mercado siguiendo el mercado del ganado gordo”. Dijo que estos negocios cortos, así como el novillo grande, “que estuvo muy demandado para encerrar”.
En todas las hembras, el Ing. Indarte sostuvo que influyó significativamente la calidad de los ganados. “Fueron bien vendidos los ganados preñados de buena clase teniendo en cuenta que paren en primavera”. En esta categoría, resaltó que el máximo fue por lote Hereford de la liquidación de Catalogne en Salto”.
Para Indarte, el resultado de este remate, “es una muestra más de la dinámica que está teniendo la ganadería, tanto en faena, como en reposición”.
Dentro de ello dijo que “el negocio más corto subió, de la mano de la suba del gordo, con expectativa que se valorice”.
Y en la cría, “los ganados definidos cotizaron, lo que se enmarca en la clara apuesta a la calidad de la cría y es bueno”.
Indarte analizó que “es una de las primeras veces que, en un traspié climático, los ganados cotizan” y mencionó que afuera hay demanda por lo que la industria faena todo lo que hay y eso le da dinámica”. Y con la reposición igual, “mucha tecnología nueva, la gente tiene menos pereza de dar ración y se superan estos momentos difíciles como los de ahora. La gente puede ajustar carga sin malvender el ganado, sino todo lo contrario”, expresó.
fonte: El Pais

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Exportação brasileira de bovinos vivos chega a 143,2 mil cabeças em 2018


Segundo dados do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, em março o Brasil exportou 45,2 mil cabeças de bovinos vivos, com faturamento total de US$34,54 milhões
Em relação ao mesmo período do ano passado, a quantidade e o faturamento foram 19,3% e 25,5% maiores, respectivamente. Os animais tiverem como destinos a Turquia (33,0 mil cabeças), o Líbano (9,3 mil cabeças) e a Jordânia (2,8 mil cabeças). Atualmente, a Turquia é a principal compradora de bovinos vivos do Brasil. No primeiro trimestre do ano, foram enviados 102,9 mil bovinos vivos para o país, o que corresponde a 71,9% do total exportado pelo Brasil no período.
MDIC

Feira de Terneiros de outono foi um sucesso, na terça-feira


Aconteceu, na terça-feira (dia 17), às 16h, no parque de exposições Francisco Simões Pires, do sindicato Rural de São Sepé, a Feira de Terneiros de Outono, com realização da Associação dos Núcleos de Produtores de Terneiros de Corte (ANPTC Sul).
Na oportunidade, foram comercializados 865 animais, sendo um remate de pista limpa. O preço médio ficou na casa de 5,70 o quilo, e o peso médio foi de 178. Houve, ainda, premiação por categorias.
(Foto: Gabriel Haag)
O evento se repete na semana que vem, no mesmo horário e local, porém, para a comercialização de fêmeas (terneiras e vaquilhonas). A previsão é de que 800 animais sejam ofertados.
Confira, abaixo, a relação de premiações:
Jurados:
-Presidente do núcleo, José Rodrigues Santini, e, o pecuarista e agricultor Luis Augusto Soares;
Entrega por: presidente do núcleo, Cidinei Scherer.
Segundo melhor lote de terneiros:
Brinco: 80;
Mangueira: 42;
Proprietário: Luiz Fernando Xavier Lenz;
Entrega por: Renato Mota.
Lote mais homogêneo:
Brinco: 68;
Mangueira: 11;
Proprietário: Vera Kessler e filhos;
Entrega por: Flávio Martins;
Lote mais pesado:
Brinco: 38;
Mangueira: 31;
Proprietário: Amélia de Melo Cunha;
Entrega por: presidente do sindicato Rural de São Sepé, José Aurélio Silveira;
Melhor lote de terneiros:
Brinco: 38;
Mangueira: 31;
Proprietário: Amélia de Melo Cunha;
Entrega por: presidente do sindicato Rural de São Sepé, José Aurélio Silveira;
Por Gabriel Haag (com fotos: Luís Carlos Machado e Gabriel Haag)
Da redação | Grupo A Palavra

terça-feira, 17 de abril de 2018

Rebanho bovino por região


Centro-Oeste lidera em número de cabeças, mas região Norte vem surpreendendo no crescimento

Marina Zaia
O Centro-Oeste é a região com a maior produção de bovinos. Tendo essa informação como base, o que esperar dos rebanhos estaduais desta região nos próximos anos? Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul manterão a elevada produção do Centro-Oeste?
O maior rebanho é o do Mato Grosso, composto por 30,2 milhões bovinos (figura 1), segundo dados do último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 2016.
Desde 2010 a quantidade de cabeças do rebanho deste estado aumentou 5,4%, e a produção de carne subiu 17,8%, alcançando a marca de 1,2 mil toneladas. Esse número pode ser interpretado como resultado do investimento em intensificação da produção.
Nos outros estados do Centro-Oeste, o rebanho caiu 2,5% no Mato Grosso do Sul e aumentou 7,2% em Goiás. Goiás ultrapassou o Mato Grosso do Sul em quantidade de cabeças de bovinos.
Figura 1.
Rebanho bovino por estado em milhões de cabeças.

O aumento da participação de fêmeas no abate de bovinos foi um dos fatores de redução do rebanho em regiões do Centro Oeste.

Contudo, o crescimento e intensificação da atividade pecuária acabou reduzindo o efeito do abate de fêmeas.

Olhando para a figura 1, não imaginamos que há muita história para ser contatada sobre esse retrato da pecuária e que houve um caminho percorrido por cada estado para chegar nestes patamares. Frente a esse cenário, alguns estados merecem destaque.

De 2000 até hoje as alterações no mercado pecuário foram diversas. Algumas regiões aumentaram o investimento em bovinocultura e outras diminuíram (figura 2).

Figura 2.
Participação das regiões brasileiras na composição do rebanho nacional em 2010 (esquerda) e 2016 (direita)

Apesar do crescimento contido, a região Centro-Oeste continua na liderança, com 75,1 milhões de cabeças, posição conquistada há tempos.

Mas a região do Brasil que merece destaque é a Norte. Região na qual a pecuária, vem caminhando a passos largos.

Nos últimos anos ela foi a região que aumentou a participação na composição do rebanho nacional, saindo de 14% para 22%. Os estados que alavancaram esta subida foram, em ordem de importância, Rondônia e Pará.

Sabemos que o avanço da agricultura empurra a pecuária para terras menos valorizadas e o potencial de crescimento destes estados tem atraído investidores.

As dificuldades também são diversas e envolvem questões políticas, sociais, ambientais, tecnológicas e econômicas. Dentre elas podemos citar a disputa pela posse da terra, a preservação ambiental e a infraestrutura, entre outros obstáculos.

Em todas regiões existem limitações e viabilidade de desenvolvimento da atividade pecuária, cabe ao investidor avaliar os custos de oportunidade e tecnificar a produção para tornar a atividade competitiva na região escolhida.

*Marina Zaia é analista de mercado da Scot Consultoria.
Sc

quinta-feira, 12 de abril de 2018

Tempo: Frente fria chega ao Sul do Brasil e causa tempestades sobre o RS nesta 5ª feira


A frente fria prevista ontem pelos principais institutos meteorológicos já chegou ao Sul do Brasil nesta quinta-feira (12) e já deve causar tempestades em áreas do Rio Grande do Sul durante todo o dia, segundo alerta o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia). Nos próximos dias, as instabilidades avançam para outros estados da região.
Segundo o instituto, são esperadas em áreas do Rio Grande do Sul chuvas entre 30 e 60 milímetros por hora ou 50 e 100 mm no dia e as precipitações podem vir acompanhadas de ventos intensos (60-100 km/h) e queda de granizo. Podem ocorrer corte de energia, estragos em plantações, queda de árvores e alagamentos.
Veja o mapa com a previsão de precipitação acumulada para até 72 horas (13/04 a 15/04) para todo o Brasil:
Mapa com a previsão de precipitação acumulada para até 72 horas (13/04 a 15/04) para todo o Brasil - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet
O modelo Cosmo do Inmet mostra que as tempestades previstas para o Rio Grande do Sul não devem durar muito tempo e avançam para os outros estados da região já neste final de semana. Essa condição pode prejudicar pontualmente os trabalhos de colheita da primeira safra no campo, mas também fica a preocupação com o granizo.
De acordo com dados do Deral (Departamento de Economia Rural), a colheita da soja no Paraná estava em 91% até segunda-feira (09). Enquanto que a colheita da 1ª safra de milho totalizava 73% e o plantio da 2ª safra estava finalizado e em desenvolvimento. O Paraná é o segundo maior produtor de soja do país, mas também há produção representativa nos outros estados da região.
Veja o mapa das áreas com previsão de tempestades nesta 5ª feira:
Mapa das áreas com previsão de tempestades nesta 5ª feira  -Fonte: Inmet
Fonte: Inmet
Aviso para as áreas: Campanha, Encosta Do Sudeste, Serra Do Sudeste, Depressão Central, Planalto Médio, Missões, Alto Uruguai, Litoral Gaúcho
Em entrevista nesta semana ao Notícias Agrícolas, Morgana Almeida, chefe do Centro de Análise e Previsão do Tempo do Inmet, destacou que a frente fria chega acompanhada de um sistema de alta pressão que deve derrubar as temperaturas e incidir também sobre o Mato Grosso do Sul, a região Sudeste e a parte Sul do Centro-Oeste entre o final de semana e o início da próxima semana.
As chuvas também seguem no Centro-Norte do país, principalmente, por conta da  influencia da  Zona de Convergência Intertropical. Ainda nesta quinta-feira, o Inmet alerta para a possibilidade de altos acumulados de chuva e potenciais perigos em Alagoas, Bahia, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe.
Veja o mapa com a precipitação acumulada em todo o Brasil nos últimos cinco dias:
Mapa com a precipitação acumulada em todo o Brasil nos últimos cinco dias - Fonte: Inmet
Fonte: Inmet

Por: Jhonatas Simião
Fonte: Notícias Agrícolas

terça-feira, 10 de abril de 2018

Martin Secco: com compra da National Beef, Marfrig foca mercado de carne bovina


Resultado de imagem para marfrig logo
Com a estratégia anunciada nesta segunda-feira, 9, a Marfrig está apostando todas suas fichas no mercado de carne bovina. Essa estratégia contempla a compra do frigorífico norte-americano National Beef e a venda da Keystone, subsidiária da empresa nos Estados Unidos voltada à produção de carne de frango. A Marfrig espera concluir as duas operações ainda neste semestre.
Embora tenha aprovação unânime do Conselho de Administração, segundo o CEO da Marfrig, Martin Secco, a companhia ainda precisa da aprovação de órgãos antitruste e também do BNDES, hoje o segundo maior acionista da empresa com 33,7% de participação, atrás apenas dos controladores (35%). A expectativa do executivo é de que o banco estatal, que tem dois assentos no colegiado, aprove a compra. Para os executivos da empresa, a reação positiva do mercado nesta segunda-feira é um fator favorável a essa possível aprovação. As ações ordinárias da empresa chegaram a subir quase 20% nesta manhã na B3.
“Nossa decisão é de colocar o foco no negócio bovino”, disse o CEO da Marfrig, Martin Secco, durante coletiva com jornalistas nesta manhã em São Paulo. A norte-americana National Beef abate 12 mil cabeças de gado por dia – o que deve elevar o abate diário total da Marfrig para 35 mil cabeças – e realiza parcerias com pecuaristas locais para a aquisição de bovinos. Por ano, segundo Secco, esses criadores parceiros entregam cerca de 700 mil cabeças para a National Beef, todas provenientes de confinamentos. “O boi é mais caro do que o (do mercado) spot ou de outros acordos, mas é mais rentável. É uma associação de ganha-ganha”, disse Secco. O executivo acrescentou que pretende explorar esse modelo de negócio nas operações da empresa na América do Sul, inclusive no Brasil.
Além da associação com criadores, Secco ressaltou, ainda, o acesso a importantes mercados globais importadores de carne bovina que a Marfrig deve ganhar com a National Beef, caso do Japão. “Devemos entrar no Japão também pelo Uruguai nos próximos meses”, disse, citando esperar que o mercado dos EUA à carne bovina in natura brasileira seja reaberto ainda neste semestre.
O CFO da empresa, Eduardo Miron, afirmou que a Marfrig está apostando na bovinocultura em um momento de ciclo positivo – quando a oferta tende a crescer por questões de sazonalidade – tanto nos Estados Unidos e América do Sul.
Para realizar a compra da National Beef, de cerca US$ 1 bilhão, a Marfrig realizou dois empréstimos com o Rabobank. “Temos uma parceria de longa data com o banco”, disse Miron. Posteriormente, a empresa pretende sanar esses empréstimos com a venda da Keystone e atingir uma alavancagem de 2,5 vezes até o fim deste ano.
Questionado sobre a possibilidade da venda da Keystone não ocorrer, Miron disse que a empresa deve se manter com um nível de alavancagem confortável, mas que acha difícil que a operação não tenha sucesso. “A venda da Keystone não é algo difícil. Ela tem um histórico fantástico e os ativos são interessantes. Vemos players dentro e fora dos EUA que se beneficiaram dessa operação. A nosso ver a probabilidade da não execução da venda é extremamente baixa”, disse Miron.
fonte: Isto É

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Marfrig compra empresa de carne bovina nos EUA por mais de R$ 3 bilhões

Com a aquisição da National Beef Packing, Marfrig diz que passará a ser a 2ª maior processadora de carne bovina do mundo; aquisição é a 1ª da empresa desde 2010.


Funcionário organizando frigorífico da Marfrig em São Paulo, em imagem de arquivo. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)Funcionário organizando frigorífico da Marfrig em São Paulo, em imagem de arquivo. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)Funcionário organizando frigorífico da Marfrig em São Paulo, em imagem de arquivo. (Foto: REUTERS/Paulo Whitaker)
A Marfrig Global Foods anunciou nesta segunda-feira (9) a compra de 51% da norte-americana National Beef Packing Company, quarta maior processadora de carne bovina dos Estados Unidos, por US$ 969 milhões, o equivalente a R$ 3,2 bilhões.
Esta é a primeira aquisição da Marfrig desde 2010. Nos anos seguintes, a companhia sofreu uma crise de liquidez e passou a vender ativos para reduzir sua dívida. Para manter a dívida em níveis saudáveis, a empresa prevê a venda a Keystone Food.
Concluída a operação, a Marfrig passará a ser "a segunda maior processadora de carne bovina do mundo", com uma plataforma global de produção e um faturamento consolidado de R$ 43 bilhões, disse a empresa brasileira em comunicado. Hoje a líder mundial na produção de carne bovina é a JBS.
A empresa acrescentou ainda que a aquisição está sujeita à aprovação do BNDES, que detém 33,74% das ações da companhia através da BNDESPar, sua divisão de investimentos em empresas. A Marfrig é controlada atualmente por Marcos Antonio Molina dos Santos e Márcia Aparecida Pascoal Marçal dos Santos, através da MMS Participações Ltda, que detém 35% das ações.

Entenda o negócio

A National Beef tem capacidade de abate de 12 mil cabeças de gado ao dia e possui duas unidades de processamento que respondem por cerca de 13% da capacidade total de abate do mercado americano.
Com sede em Kansas City, no estado do Missouri, a empresa exporta para 40 países, incluindo o Japão e a Coreia do Sul, mercados atualmente fechados às exportações de carne brasileira.
A operação, segundo a Marfrig, visa consolidar sua força no segmento de carne bovina e melhorar os indicadores de alavancagem financeira da empresa.
Comparativo de empresas de carne bovina, JBS e Marfrig (Foto: Alexandre Mauro/G1)Comparativo de empresas de carne bovina, JBS e Marfrig (Foto: Alexandre Mauro/G1)
Comparativo de empresas de carne bovina, JBS e Marfrig (Foto: Alexandre Mauro/G1)
"Outras medidas que visam à redução da alavancagem da Marfrig seguem em curso e incluem a decisão de vender a Keystone Foods. (...). A venda da Keystone, juntamente com a transação da National Beef, deverá fazer com que a Marfrig atinja seu objetivo de alavancagem de 2,5 vezes até o fim de 2018", explicou a companhia, em comunicado.
A aquisição da National Beef será integralmente financiada pelo banco Rabobank. A empresa disse que vai tomar dois empréstimos ponte, no valor total de US$ 1 bilhão, que serão pagos com a receita da venda da Keystone.
A National Beef, que faturou no ano passado US$ 7,3 bilhões, ou R$ 24,3 bilhões, é controlada pela holding de investimento norte-americana Leucadia National Corportation, desde 2011, com 79% de participação.
A Marfrig disse que espera concluir a aquisição da National Beef até o fim do primeiro semestre deste ano.

A Marfrig

Atualmente, a Marfrig está presente em 12 países com as divisões Beef e Keystone. A divisão Beef é a segunda maior operação de carne bovina no Brasil, atrás da JBS, e líder em processamento de bovinos no Uruguai. Com 31 plantas no Brasil, no Uruguai e no Chile, a divisão Beef tem capacidade de processar até 4,7 milhões de cabeças de gado.
Já a divisão de alimentos processados Keystone opera 19 unidades produtivas nos Estados Unidos, na China, na Malásia, na Tailândia, na Coreia e na Austrália. Juntas, essas unidades totalizam um volume de vendas de cerca de 1 milhão toneladas de alimentos por ano, segundo a companhia.
A Marfrig registrou em 2017 prejuízo de R$ 461 milhões e receita líquida de R$ 19,33 bilhões, o que faz da companhia a 18ª maior empresa não financeira do país entre as listadas na Bovespa.
A Marfrig teve um crescimento rápido entre 2006 e 2010, período em que fez mais de 40 aquisições no Brasil e no exterior. Parte dessas compras foram financiadas com a emissão de dívidas, o que fez com que a alavancagem financeira (relação entre dívida e geração de caixa da empresa) disparasse.r de negócios comprados no passado para amortizar a dívida. Entre as empresas vendidas estão a Seara e a Moy Park, que foram compradas pela JBS.
* Com Reuters