domingo, 17 de setembro de 2017

91ª Expofeira Pelotas ocorre de 9 a 15 de outubro de 2017, no Parque de Exposições Ildefonso Simões Lopes.

ALGUNS EVENTOS


















CAPATAZ DE SÃO PEDRO-TE mostrando sua genética !

HIENA DE SÃO PEDRO
Potranca filha de CAPATAZ DE SÃO PEDRO- TE x BAMBINELA DE SÃO PEDRO, que vai  A VENDA no remate da GAP Genética 2017







CAPATAZ DE SÃO PEDRO -TE


























PREMIAÇÕES DE CAPATAZ DE SÃO PEDRO - TE 

*3º MELHOR POTRANCO MENOR FICC 
*CAMPEÃO POTRANCO MAIOR E RESERVADO DE GRANDE CAMPEÃO URUGUAIANA(PASSAPORTE)
*CAMPEÃO CAVALO MENOR ALEGRETE
*CAMPEÃO CAVALO MENOR E RESERVADO DE GRANDE CAMPEÃO SÃO BORJA(PASSAPORTE)
*CAMPEÃO CAVALO ADULTO E GRANDE CAMPEÃO DOIS VIZINHOS (PR)


ENTRE OUTRAS TANTAS PREMIAÇÕES































































A São Bernardo Agropecuária, coloca a disposição, coberturas de CAPATAZ DE SÃO PEDRO - TE na condição de 12 (2+10) parcelas. O comprador arcará com as despesas para coleta, acondicionamento e transporte do sêmen do garanhão, até o local em que as éguas estiverem alojadas. 

COBERTURAS EXCLUSIVAMENTE PARA A TEMPORADA 17/18.

quinta-feira, 14 de setembro de 2017

COTAÇÕES de GADO GORDO e REPOSIÇÃO 14.09.2017



DIA 14.09.2017

                                     MÍNIMO                MÁXIMO   
BOI GORDO        R$      8,80                       9,60
VACA GORDA     R$      8,20                       8,60

KG VIVO BOI      R$     4,50                       4,80
KG VIVO VACA   R$    4, 05                      4,30

*PREÇOS PARA PAGAMENTO COM PRAZO DE 30 DIAS
*NÃO ESTÃO CONSIDERADAS AS BONIFICAÇÕES
* REGIÃO DE PELOTAS / RS

TERNEIRO       R$       5,20 - 5,50
TERNEIRA       R$       4,60 - 4,80
NOVILHO         R$       4,70 - 5,00
NOVILHA         R$       4,50 - 4,70
BOI                   R$      4,30 - 4,50
VACA DE INV.  R$      3,60 - 3,80

    FONTE: Lund Negócios

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Exportação de carne bovina do Brasil dispara em agosto, com maior volume desde 2013




 (Reuters) - As exportações brasileiras de carne bovina cresceram em agosto 13,4 por cento ante julho e 34 por cento na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 145.822 toneladas, atingindo os maiores volumes em quase quatro anos, informou nesta segunda-feira a Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec).
O faturamento com as vendas externas do Brasil, maior exportador global, superou 607 milhões de dólares em agosto, alta de 12,8 por cento ante o mês anterior --crescendo também 34 por cento ante agosto do ano passado--, na medida em que grandes importadores como a China têm elevado a demanda.
O resultado foi o melhor desempenho do setor desde outubro de 2013, em volume, e dezembro de 2014, em faturamento, ressaltou a Abiec.
"A Abiec continua focando seus esforços na abertura de novos mercados e ampliação da presença em parceiros estratégicos. E a China tem sido prioridade", disse em nota a associação.
A Abiec informou que Hong Kong continuou sendo o principal importador da carne bovina brasileira, responsável pela compra de 34.540 toneladas em agosto (7,4 por cento a mais do que foi comercializado em julho), seguido por Egito, que importou 23.070 toneladas (+27,8 por cento), e China, com 18.565 toneladas (+ 15,1 por cento).
Em agosto, a carne in natura se manteve como categoria mais exportada, gerando faturamento de mais de 520 milhões de dólares, com embarque superior a 123 mil toneladas, de acordo com dados da Abiec.
Segundo uma outra entidade representativa de frigoríficos no país, a Abrafrigo, "o mercado externo está atravessando um momento muito favorável", que está sendo aproveitado por quase todos os países exportadores, que têm aumentado suas vendas principalmente para o mercado chinês.
A Abrafrigo afirmou que, se a tendência se mantiver até o final do ano, o Brasil poderá superar um pouco a meta de crescer 10 por cento em relação a 2016, ano de queda nas vendas, atingindo a comercialização de mais de 1,5 milhão de toneladas.
No acumulado de 2017, as vendas de carne bovina in natura e processada alcançaram 930.466 toneladas, praticamente o mesmo resultado visto no mesmo período do ano passado, disse a Abrafrigo, citando dados do governo. Já as receitas subiram 5 por cento, somando 3,77 bilhões de dólares ante 3,58 bilhões em 2016.
(Por Roberto Samora)
 (Reuters)

Central de Reprodução Equina RECREIO - Camaquã RS

A imagem pode conter: texto

A imagem pode conter: área interna

A imagem pode conter: tela e área interna

A imagem pode conter: grama, cavalo, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: atividades ao ar livre

A imagem pode conter: cavalo, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: cavalo, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: árvore, grama, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: cavalo e atividades ao ar livre

A imagem pode conter: cavalo, céu, árvore, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: nuvem, céu, grama, atividades ao ar livre, natureza e água

A imagem pode conter: árvore, grama, planta, céu, atividades ao ar livre e natureza

A imagem pode conter: céu, grama, árvore, nuvem, planta, atividades ao ar livre e natureza

Nenhum texto alternativo automático disponível.


sexta-feira, 8 de setembro de 2017

História da Medicina Veterinária e do Médico Veterinário



NO MUNDO
O exercício da "ars veterinária" confunde-se com os primórdios da civilização humana e sua antiguidade pode ser referenciada a partir do próprio processo de domesticação dos animais.
O "Papiro de Kahoun", encontrado no Egito em 1890, descreve fatos relacionados a arte de curar animais ocorridos há 4000 anos a.C., indicando procedimentos de diagnóstico, prognóstico, sintomas e tratamento de doenças de diversas espécies animais. A memória histórica também permite inferir que a Medicina animal era praticada 2000 anos a.C. em certas regiões da Ásia e da África, do Egito à Índia Oriental.
Especial menção merecem os códigos de ESHN UNNA (1900 AC) e de HAMMURABI(1700 AC), originários da Babilônia, capital da antiga Mesopotâmia, onde são registrados referências à remuneração e às responsabilidades atribuídas aos "Médicos dos Animais".
Na Europa, os primeiros registros sobre a prática da Medicina animal originam-se da Grécia, no século VI a.C., onde em algumas cidades eram reservados cargos públicos para os que praticavam a cura dos animais e que eram chamados de hipiatras.
No mundo romano, autores como CATO e COLUMELLA produziram interessantes observações sobre a história natural das doenças animais.
Na era cristã, em meados do século VI, em Bizâncio (atualmente Istambul), foi identificado um verdadeiro tratado enciclopédico chamado HIPPIATRIKA, compilado por diversos autores e que tratava da criação dos animais e suas doenças, contendo 420 artigos, dos quais 121 escritos por APSIRTOS, considerado no mundo ocidental, a partir dos helenos, o pai da Medicina Veterinária. APSIRTOS nasceu no ano 300 da nossa era, em Clazômenas, cidade litorânea do mar Egeu, na costa ocidental da Ásia Menor. Estudou Medicina em Alexandria, tornando-se, posteriormente, Veterinário chefe do exército de Constantino, o Grande, durante a guerra contra os povos Sarmatas do Danúbio, entre 332 e 334. Após a guerra, exerceu a sua arte de curar animais em Peruza e Nicomédia, cidades da Ásia Menor, criando uma verdadeira escola de hipiatras. Entre os assuntos descritos por APSIRTOS, merecem referência o mormo, enfisema pulmonar, tétano, cólicas, fraturas, a sangria com suas indicações e modalidades, as beberagens, os ungüentos. Sua obra revela, enfim, domínio sobre o conhecimento prevalecente na prática hipiátrica da época. Na Espanha, durante o reinado de Afonso V de Aragão, foram estabelecidos os princípios fundamentais de uma Medicina animal racional, culminado com a criação de um "Tribunal de Proto-albeiterado", pelos reis católicos Fernando e Isabel, no qual eram examinados os candidatos ao cargo de "albeitar". Esta denominação deriva do mais famoso Médico de animais espanhol, cujo nome de origem árabe era "EB-EBB-BEITHAR".
Em língua portuguesa, o termo foi traduzido para "alveitar", sendo usado em 1810 para designar os Veterinários práticos da cavalaria militar do Brasil Colônia.
Na Europa, antes da criação das primeiras escolas de Medicina Veterinária, aqueles que exerciam a empírica medicina animal eram denominados de MARECHAIS-FERRADORES em países de língua latina, de "ROSSARTZ" na Alemanha e de "FERRIES" na Inglaterra.
A Medicina Veterinária moderna, organizada a partir de critérios científicos, começou a desenvolver-se com o surgimento da primeira escola de Medicina Veterinária do mundo, em Lyon-França, criada pelo hipologista e advogado francês CLAUDE BOUGERLAT, a partir do Édito Real assinado pelo Rei Luiz XV, em 04 de agosto de 1761.
Este primeiro centro mundial de formação de Médicos Veterinários iniciou o seu funcionamento com 8 alunos, em 19 de fevereiro de 1762.
Em 1766, também na França, foi criada a segunda escola de veterinária do mundo, a Escola de Alfort, em Paris. A partir daí, com a compreensão crescente da relevância social, econômica e política da nova profissão, outras escolas foram criadas em diversos países, a exemplo da Áustria, em Viena, (1768), Itália, em Turim, (1769), Dinamarca, em Copenhage, (1773), Suécia, em Skara, (1775), Alemanha, em Hannover, (1778), Hungria, em Budapeste, (1781), Inglaterra, em Londres, (1791), Espanha, em Madri, (1792), alcançando, no final do século XVIII 19 escolas, das quais 17 em funcionamento.

NO BRASIL
Com a chegada da família real ao Brasil, em 1808, nossa cultura científica e literária recebeu novo alento, pois até então não havia bibliotecas, imprensa e ensino superior no Brasil Colônia.
São fundadas, inicialmente, as Faculdades de Medicina (1815), Direito (1827) e a de Engenharia Politécnica (1874).
Quanto ao ensino das Ciências Agrárias, seu interesse só foi despertado quando o Imperador D. Pedro II, ao viajar para França, em 1875, visitou a Escola Veterinária de Alfort, impressionou-se com uma Conferência ministrada pelo Veterinário e Fisiologista Collin. Ao regressar ao Brasil, tentou propiciar condições para a criação de entidade semelhante no País.
Entretanto, somente no início deste século, já sob regime republicano, nossas autoridades decretaram a criação das duas primeiras instituições de ensino de Veterinária no Brasil, a Escola de Veterinária do Exército, pelo Dec. nº 2.232, de 06 de janeiro de 1910 (aberta em 17/07/1914), e a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária, através do Dec. nº 8.919 de 20/10/1910 (aberta em 04/07/1913), ambas na cidade do Rio de Janeiro.
Em 1911, em Olinda, Pernambuco, a Congregação Beneditina Brasileira do Mosteiro de São Bento, através do Abade D. Pedro Roeser, sugere a criação de uma instituição destinada ao ensino das ciências agrárias, ou seja, Agronomia e Veterinária. As escolas teriam como padrão de ensino as clássicas escolas agrícolas da Alemanha, as "Landwirschaf Hochschule".
No dia 1º de julho de 1914, eram inaugurados, oficialmente, os curso de Agronomia e Veterinária. Todavia, por ocasião da realização da terceira sessão da Congregação, em 15/12/1913, ou seja antes da abertura oficial do curso de Medicina Veterinária, um Farmacêutico formado pela Faculdade de Medicina e Farmácia da Bahia solicitava matrícula no curso de Veterinária, na condição de "portador de outro diploma do curso superior". A Congregação, acatando a solicitação do postulante, além de aceitar dispensa das matérias já cursadas indica um professor particular, para lhe transmitir os conhecimentos necessários para a obtenção do diploma antes dos (quatro) anos regimentares. Assim, no dia 13/11/1915, durante a 24ª sessão da Congregação, recebia o grau de Médico Veterinário o senhor DIONYSIO MEILLI, primeiro Médico Veterinário formado e diplomado no Brasil.
Desde o início de suas atividades até o ano de 1925, foram diplomados 24 Veterinários. Em 29 de janeiro, após 13 anos de funcionamento, a Escola foi fechada por ordem do Abade D. Pedro Roeser.
A primeira mulher diplomada em Medicina Veterinária no Brasil foi a DRA. NAIR EUGENIA LOBO, na turma de 1929 pela Escola Superior de Agricultura e Veterinária, hoje Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.
No Brasil, os primeiros trabalhos científicos abrangendo a patologia comparada (animal e humana) foram realizados pelo Capitão-Médico JOÃO MONIZ BARRETO DE ARAGÃO, fundador da Escola de Veterinária do Exército, em 1917, no Rio de Janeiro, e cognominado PATRONO DA VETERINÁRIA MILITAR BRASILEIRA, cuja comemoração se dá no dia 17 de junho, data oficial de inauguração da Escola de Veterinária do Exército (17/06/1914).
(Informações extraídas de artigos do Médico Veterinário e Historiador Percy Infante Hatschbach)

URUGUAY - ¿Pérdidas por exportar ganado en pie?


Por Carlos María Uriarte, especial para El Observador
Las afirmaciones de que "el Uruguay pierde US$ 319 por animal exportado en pie" y de que "le generó al país pérdidas de US$ 480 millones entre 2008 y 2016" son falsas así expresadas, porque deberían hacerse en términos condicionales como están en la fuente de las cuales se tomaron. Las mismas surgen de un trabajo realizado por CPA Ferrere encomendado por las cámaras de la industria frigorífica (CIF y ADIFU), realizado con fecha de enero del 2017 pero que recién esta semana tomara carácter público. Hay trascendidos que dicen que hace ya tiempo había sido puesto a consideración de varios Ministros, además del de MGAP.
Si bien obviamente en el Uruguay todos tenemos la libertad de defender nuestros intereses, el hecho de que este trabajo nunca fuera puesto a consideración de ningún otro eslabón de la cadena cárnica, despierta dudas respecto a su objetividad, y por lo tanto a la parcialidad de sus conclusiones.
Y como se refiere a uno de los logros más importantes que el país ha tenido en políticas ganaderas en los últimos tiempos, como tal debemos ser muy celosos en su mantenimiento, por eso nos sentimos en la obligación moral de realizar las siguientes apreciaciones, y lo hacemos con mucha preocupación, y con el más amplio espíritu constructivo.
Si bien la exportación en pie existió en el pasado lejano (fundamentalmente rumbo a Brasil), estuvo prohibida durante mucho tiempo, y fue liberada a comienzos de la década del 90 durante el gobierno de Lacalle, como forma de brindar una solución a los ganaderos que venían sufriendo una de las peores sequias del siglo pasado. La actividad realmente tomo relevancia comercial cuando se comenzara con la exportación de terneros enteros en pie hacia Turquía en el 2008. Durante el 2016 se alcanzó la cifra record de 273.000 cabezas, representando en números algo así como al equivalente al 10% de la faena nacional.
Desde su aparición, los productores la visualizamos como una alternativa más al único destino que se tenía hasta entonces para nuestras haciendas, que era la venta a la industria. Indudablemente que se la considero como una forma de mejorar el poder negociador de la oferta, como una forma de diversificar sin comprometer todo lo que el país había logrado en cuanto a mercados para sus carnes. Todo lo contrario con el convencimiento de que lo fortalecería.
Y eso es efectivamente lo que ha ocurrido, y de lo cual todos los que estamos en el negocio ganadero hemos sido testigos.
Entendemos que lejos de dar pérdidas, la exportación de ganado en pie ha significado ganancias para el país, las cuales aún no las hemos evaluado en sus justos términos, y que deberíamos hacerlo a la brevedad. A saber:
1. Ha sido una nueva fuente de ingresos genuinos para el país con la cual antes no se contaba.
2. Pese a su actividad, el stock nacional se ha mantenido en el entorno de las 12 millones de cabezas.
3. El rodeo de cría nacional se ha mantenido estable en el entorno de los 4 millones vacas de cría, y muy probablemente dada la motivación que la valorización de los terneros ha provocado, estemos en la puerta de una parición muy importante.
4. Tampoco se afectó el nivel de faena, ni los niveles de exportación, tanto es así que es muy probable que seamos testigos en el 2017 de un crecimiento en ambas actividades.
5. Es decir no se ha puesto en riesgo el trabajo para los obreros del sector, ni la oferta de la materia prima para la industria.
6. Ha promovido nuevas actividades como las referidas a las concentraciones, fletes y logísticas portuarias especializadas.
7. Pero más allá de todo esto, la exportación de terneros en pie ha sido muy importante para fortalecer al eslabón más débil de la cadena, los criadores. Ellos son la gran mayoría de los ganaderos del país, y son la piedra fundamental sobre la cual se basa toda la ganaderíanacional.
Estamos convencidos de que sin la exportación de terneros en pie, hoy estaríamos con una mayor oferta, y por ende con un nivel de precios por las haciendas inferior, con la desmotivación que esto conlleva.
Si bien lo hecho ha sido muy bueno, aún quedan muchas cosas por mejorar. Pero para seguir adelante es fundamental que todos los actores de la cadena involucrados, trabajemos juntos y coordinados.
A favor de todos y en contra de nadie. 

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

40 vacas prenhas a venda

*40 vacas prenhas, algumas já paridas
  com parição prevista até novembro
* Carrapateadas
* Carcaçudas
* Inseminadas e repassadas com  touros Angus e Braford
* 05 aspadas
* Canguçu
tratar com Lund 053.999941513 ou Charles 053.99915601




25 terneiros a venda

*25 terneiros
*Cruzas braford
*Carrapateados
*Inteiros
*Desmamados
*Peso médio 200kg
* Canguçu
*R$ 5,30 kg
Tratar com Lund 053.999941513 ou Charles 053.999915601

 

terça-feira, 5 de setembro de 2017

China vai habilitar mais frigoríficos brasileiros para exportação

carne. operação carne fraca. frigoríficos. fiscalização. contaminação. alimentos. farming brasil. sf agro

O país é o principal parceiro do agronegócio brasileiro no comércio mundial SF Agro A China deve aumentar o número de frigoríficos brasileiros habilitados a exportar carnes para aquele mercado, disse nesta sexta-feira (1º) o ministro Blairo Maggi (Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Segundo ele, o presidente chinês, Xi Jinping, anunciou a disposição de ampliar a compra de carnes do Brasil durante reunião com o presidente Michel Temer. “O presidente Xi Jinping disse que gosta e é garoto propaganda da carne brasileira”, disse o ministro.   Exportações brasileiras para a China A China, acrescentou Maggi, é o principal parceiro do agronegócio brasileiro no comércio mundial. Em 2016, as exportações de produtos agropecuários do Brasil para aquele mercado somaram US$ 17,8 bilhões. Maggi está na China na comitiva de Temer, que participa de encontros bilaterais e seminários de negócios, em Pequim. De domingo (3/09) a terça-feira (5/09), Temer e Maggi estarão na 9ª reunião de Cúpula do Brics, bloco formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, na cidade de Xiamen, na província de Fujian.   Dos US$ 17,8 bilhões exportados para a China em 2016, as carnes tiveram participaram de US$ 1,75 bilhão. Do total, US$ 702,8 milhões foram embarques de carne bovina. As vendas de frango totalizaram US$ 859,5 milhões e, as de suíno, US$ 189,3 milhões. A soja em grão é o principal produto da pauta de exportações do agro brasileiro para o mercado chinês. No ano passado, os embarques para a China alcançaram US$ 14,4 bilhões.
fonte: SF Agro



Alegrete: Marfrig tem capacidade para abeter 730 cabeças de gado por dia


A reabertura do Frigorífico Marfrig foi muito comemorada no Rio Grande do Sul. Hoje estão trabalhando 430 funcionários dos cerca de 648 que deverão estar sendo contratados para o funcionamento pleno da planta frigorífica.
O grupo investiu cerca de 7 milhões de reais para as readequeções dos diversos setores na área de infraestrutura. A planta possui cerca de 17 câmaras frigoríficas e tem capacidade para fazer o abate de 730 cabeças por dia.
fonte: Minuano FM

Carne gaúcha encara desafio da conservação do Pampa e diferenciação no mercado

Elen e Marcelo, que atuam em etapas cruciais da cadeia produtiva, participaram do programa de webvídeo Leite com Café
Carne gaúcha encara desafio da conservação do Pampa e diferenciação no mercado
 Elen, da Embrapa, e Marcelo, da Alianza del Pastizal, destacaram ações para resgate da pecuária
 MARCELO G. RIBEIRO/JC Patrícia Comunello 
Os desafios da pecuária gaúcha envolvem desde a produção - como aliar atributos de alimentação natural do pasto nativo e a demanda por carne -, à pesquisa e desenvolvimento de sistemas de produção que possam levar ao mercado um produto diferenciado. Estas condições foram avaliadas por dois especialistas no setor que atuam em etapas cruciais da cadeia produtiva e que participaram de um bate-papo no programa de webvídeo da Casa JC, na Expointer, Leite com Café. O coordenador da Alianza del Pastizal, que levou este ano o trofeu do Jornal do Comércio O Futuro da Terra, o agrônomo Marcelo Fett Pinto, e Elen Nalério, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, destacaram as características que marcam a produção gaúcha, que combina cada vez mais raças e busca por equilíbrio entre o uso de recursos naturais e processos produtivos.   A Alianza reúne mais de cem produtores de gado de corte e resgata a conservação do campo nativo e uso da pastagem natural. Pelo programa que também é seguido em outros países do Mercosul, adota-se como regras o suprimento das necessidades alimentares dos animais em pelo menos 50% de pasto nativo. Não é admitido uso de confinamento em qualquer etapa daprodução.

 "O pré-requisito é estar no Bioma Pampa, mantenha metade da área natural e ausência de confinamento", explica o agrônomo, justificando que não adotar confinamento atende à requisitos de qualidade da carne. "Já manter o gado em áreas nativas é reforçar o vínculo direto com a conservação da natureza que forjou a cultura do gaúcho", ressalta Pinto. Hoje a carne dos animais abatidos no projeto estão na rede Carrefour, com a parceria com a Marfrig, que tem o abate exclusivo a partir de acordo com a rede da Pastizal. "A carne está em lojas padrão AA em São Paulo", comemora o agrônomo.    A pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul em Bagé observa que o impacto do sistema produtivo é amplo. Por exemplo, a criação a pasto gera uma condição mais natural e próximo do que os animais querem estar. "O animal criado a pasto está em melhor condição de bem-estar, mas, claro, que é preciso ter a disponibilidade de comida". Para complementar a alimentação, pode-se ter oferta de pastagem cultivada e até suplementação a campo, diz. Os diferentes sistemas produtivos e as pastagens imprimem características na carne, desde teor de gordura como o perfil de ácidos graxos, esclarece Elen, lembrando que, na Embrapa, em Bagé, existe laboratório que faz a degustação da carne, como se faz como café e vinho. A pesquisadora comenta que uma iniciativa na edição deste ano na Expointer foi unir a empresa de pesquisa no Salão do Empreendedor, com outros organismos - como Sebrae, Senar e Sistema Senac para mostrar tecnologias e as diferenciações da carne gaúcha, como ocorre também com outros rebanhos e que atendem a paladares próprios em cada cultura. "A carne que as pessoas mais gostam é aquela produzida próxima de onde elas vivem."  Os dois convidados rechaçaram ainda a ideia de que o Rio Grande do Sul tem a melhor carne do mundo, conceito que já foi slogan de um programa estadual que uniu governo e setores produtivos para tentar promover e abrir mercado ao produto no exterior e que acabou não vingando. "É um termo de certa forma errôneo, ela (a carne) é diferente", reage Elen. "Ninguém é melhor do que ninguém, todos são diferentes", arremata o agrônomo. Pinto diz que o produtor "é um herói e oferece um produto de alta qualidade e ainda conserva o meio ambiente".  
Poema recitado por Marcelo Fett Pinto ao final do Leite com Café: É luxo para um campeiro estar na paz do ranchito Com a alma no infinito, e o coração junto a Deus Estar ao redor dos seus e junto de um fogo grande A fumaça que se expande, com aroma de espinilho, Traz o gosto de um novilho dos pastiçais do Rio Grande Autor: Diego Guterres, engenheiro agrônomo - Jornal do Comércio 

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Dressing máximo: confira informações detalhadas sobre o sistema de pagamento no Uruguai

O dressing (perda de rendimento na toalete da carcaça) é medido com o peso de duas das seis balanças oficiais do Instituto Nacional de Carnes (INAC) dentro de cada frigorífico do Uruguai. A balança 3 pesa a carcaça antes da toalete, e a balança 4, que é a mais usada para precificação no Brasil e no Uruguai, pesa a carcaça depois da toalete. Quando maior a porcentagem de dressing, maior a perda na toalete.
O Uruguai dispõe de um sistema de caixas negras invioláveis, instaladas pelo INAC em todos os frigoríficos habilitados do país, que registra o peso vivo (balança 1), o posterior à sangria (balança 2), o do pré-dressing (balança 3) e o do pós-dressing (balança 4, tipificação).
Essas balanças transmitem os dados a um servidor central que se encontra nos escritórios do órgão. Todo o processo está certificado sob a norma ISO/IEC 27001:2005, que garante a segurança da informação.
Desde 2013, o INAC publica em sua página da internet, semanalmente e simultaneamente, os seguintes dados registrados pelas caixas negras de cada frigorífico: número de animais abatidos e peso médio por categoria, peso médio de terceira e quarta balança e diferença percentual entre os mesmos (dressing).
Essa informação é incorporada ao documento que é entregue ao produtor, além dos preços equivalentes de seu gado na terceira e quarta balança. Vale esclarecer que, no Uruguai, os produtores podem combinar suas operações em qualquer uma dessas duas balanças, ainda que, na prática, o fazem na quarta balança.
Dressing máximo
Em setembro do ano passado, o governo do Uruguai lançou um decreto que regulamenta o dressing máximo da carcaça, que passou a ser controlado pelo INAC.
O decreto determinou que o sistema automatizado de tipificação de carcaça seria feito em duas etapas. A primeira etapa seria para seleção da tecnologia a ser empregada e determinação das datas de instalação por planta. A segunda etapa, iniciada no mês de maio desse ano, deu início ao processo e aquisição dos equipamentos e sua instalação, de acordo com cronograma determinado na lei, que finalizará em agosto de 2018 com todos os abatedouros tendo implantado o sistema.
Até 31 de dezembro de 2017, deverá se concretizar a “implementação do sistema automatizado de tipificação nos estabelecimentos de abate categoria I, até alcançar ao menos 25% do total de abate nacional”. Até 30 de abril de 2018, deverão ser alcançados 75% do total e “com um prazo máximo de 31 de agosto de 2018”, a implementação deverá alcançar 100% do total.
Os estabelecimentos categoria I são todos os habilitados para abastecer qualquer ponto do país e, portanto, inclui os frigoríficos exportadores também. Por outro lado, o MGAP e o INAC “determinarão a data a partir da qual se aplicará o novo sistema com caráter obrigatório”.
O não cumprimento dos prazos estabelecidos poderá “levar à retirada da Inspeção Veterinária Oficial por parte do MGAP, sem prejuízo da aplicação de sanções legalmente estabelecidas”.
O decreto também conta com a definição de dressing: “Entende-se por ‘dressing’ ou retoque a sequência operacional realizada exclusivamente no espaço compreendido entre os postos DCP3 e DCP4 do Sistema Eletrônico de Informação da Indústria de Carnes (SEIIC) (terceira e quarta balança, respectivamente), da sala de abate, visando obter um produto uniforme e definido das carcaças.”
Compete ao INAC o controle e a fiscalização do “dressing máximo”, que compreende a retirada como máximo dos seguintes órgãos e tecidos da carcaça:
a) gordura escrotal (de castração);
b) excesso e gordura na extremidade do lado superior (virilha), seguindo o contorno do músculo subjacente e garantindo que o músculo não fique exposto;
c) gordura da prega da babilla (área pré-crural) a nível do músculo cutâneo medial do tronco, caudal para a última costela, assegurando que o músculo mantenha sua inserção natural e não fique exposto;
d) rabo e gordura que rodeia a união sacro-coccígea (nascimento do rabo);
e) gordura do canal pélvico: a interna e a de sua borda, entre a tuberosidade isquiática e a articulação sacro-coccígea;
f) rins e gordura renal;
g) medula espinhal;
h) pilares do diafragma;
i) tecido conjuntivo elástico do diafragma excluída a parte muscular do diafragma;
j) excesso de gordura do peito, garantindo que o músculo peitoral não fique exposto;
k) gorduras intratorácicas (pericárdicas e da cadeia mediastínica);
l) gorduras da “entrada do peito” a nível da primeira costela;
m) eliminação de coágulos e matérias estranhas na região de “degola”, evitando a eliminação desnecessária dos músculos.
Indústria frigorífica
O presidente da Associação da Indústria Frigorífica do Uruguai (Adifu), José Costa Valverde, considerou na ocasião que o decreto era “desnecessário”, porque “de forma alguma as indústrias privadas podem permitir que exista interferência do Estado na comercialização.”
O diretor executivo da Associação Uruguaia de Produção de Carne Intensiva Natural (Aupcin), Álvaro Ferrés Fossati, disse que o decreto tenta por fim em uma velha discussão sobre o rendimento do gado que é enviado ao abate.
Ele admitiu que o dressing máximo não dá por terminada a discussão do rendimento e não fornece confiança entre os produtores e a indústria. “A confiança não passa somente por definir o que vendemos e o que se remove do que vendemos mas sim, passa por outros fatores.”
Pagamento na terceira balança
A maioria dos produtores do Uruguai, no entanto, pede o pagamento do gado na terceira balança há muito tempo e não ficou satisfeita com a medida do dressing máximo.
A Federação Rural (FR) do Uruguai vem solicitando desde 2013 a mudança na comercialização de gados para abate, buscando fixar um preço até a terceira balança da indústria frigorífica (carcaça antes da toalete).
O presidente da Federação Rural do Uruguai, Jorge Riani, explicou que o pagamento do gado na terceira balança é um objetivo buscado pela organização. Ele disse que “há uma grande diferença no dressing entre plantas, algumas fazem 6% e outras 12%.”
Em janeiro desse ano, logo após o início do processo de dressing máximo, o INAC concluiu que o rendimento aumentou em cerca de 2%.
O desempenho é variável ao longo do ano, com picos na primavera e mínimos no outono. Para comparar períodos semelhantes, tanto para novilhos como para vacas, comparou-se a primeira semana de janeiro, nos últimos sete anos. O desempenho em janeiro de 2017 é o maior em todos os anos da série. No caso dos novilhos, atingiu 53,88%
Na comparação com janeiro de cada semana dos seis anos anteriores, o desempenho deste é a maior também. O desempenho de janeiro de 2017, de 53,88%, foi 2,2% maior do que o desempenho médio dos janeiros de 2010-2016, que é de 52,71% (veja matéria relacionada).
No entanto, em julho desse ano, a Federação Rural reiterou ao presidente do INAC, Federico Stanham, que o decreto que regulamenta o dressing máximo não está dando o resultado esperado pelos produtores e analisa pedir para que se instalem câmeras nos frigoríficos, nos pontos onde se pratica o corte da carcaça, durante a toalete da carcaça.
Jorge Riani, presidente da Federação Rural disse que “voltou a ocorrer diferenças grandes entre as percentagens de dressing aplicadas pelos frigoríficos” e disse que a Federação “continua a recebendo queixas dos produtores sobre os rendimentos do gado enviado para abate e as percentagens de dressing.”
Apesar do “aumento substancial que está tendo o preço do gado gordo, baixaram os rendimentos e subiram as percentagens de dressing.”
“Nunca renunciamos ao pedido e reafirmamos que a indústria frigorífica deveria pagar o gado gordo na terceira balança – antes da operação de dressing na carcaça – além de buscar incentivos para reconhecer a qualidade através da aplicação de métodos mais objetivos.”
INAC está satisfeito
O presidente do INAC, Federico Stanham disse que “quando se cumpriram seis meses da implementação do decreto, dissemos que estávamos satisfeitos com o resultado. A porcentagem de dressing tinha baixado em média em um ponto e meio, de acordo com o momento, e se veem oscilações sazonais relacionadas com a sanidade do gado.”
A implementação do decreto exige que os técnicos do INAC estejam presentes nos frigoríficos assessorando e fazendo observações, mas para o presidente do INAC, “não tem sentido ter um inspetor durante as 8 horas de duração dos abates. Não é a maneira que hoje em dia se fazem os controles no mundo.”
Ele explicou que “a informação é analisada, as observações são feitas e nós com o controle que estamos fazendo, pensamos que tem sido feito um grande trabalho. Há sempre algum ajuste a fazer, mas o trabalho tem sido muito bom.”
No caminho certo
Embora se esteja em uma etapa intermediária, “entendo que estamos no caminho certo, embora ainda haja muitas coisas a melhorar”, disse o delegado da Associação Rural do Uruguai (ARU) para o INAC, Ricardo Reilly.
Reilly explicou que, se forem respeitados os dados sobre a evolução semanal do dressing, pode-se ver que passou de oscilar para acima de 8% entre 2014 e 2016 para menos de 8% em 2017.
“Estamos falando de uma média de cerca de 7,7%. Em suma, todo este processo visa alcançar uma padronização entre diferentes plantas, o que, a longo prazo deveria fornecer mais certezas ao sistema de comercialização de gados.”
Dados
A título de comparação, pode-se ver nas tabelas abaixo que o dressing total para novilhos na semana de 30 de julho a 05 de agosto desse ano foi de 7,7%, enquanto que no de 31 de julho a 06 de agosto de 2016 foi de 8,9%, em 2015 (26 de julho a 01 de agosto) foi de 8,6%, e em 2014 (27 de julho a 02 de agosto) foi de 9%, demonstrando que, de fato, houve uma redução de 1 a 2%.
2017
2016
2015
2014
Os dados estão disponíveis aqui.
Fonte: INAC, El Observador, El País Digital, traduzida, compilada e adaptada pela Equipe BeefPoint.